conecte-se conosco

Política Nacional

Datafolha: Lula lidera entre mais pobres e Bolsonaro entre empresários

Publicado

source
Lula tem 47% das intenções de voto, contra 28% de Bolsonaro
Reprodução

Lula tem 47% das intenções de voto, contra 28% de Bolsonaro


A nova pesquisa Datafolha , divulgada nesta quinta-feira, mostra estabilidade no perfil do eleitorado que pretende votar no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ou no presidente Jair Bolsonaro (PL), que lideram a disputa presidencial com 47% e 28% dos votos, respectivamente.

O petista continua com ampla vantagem no Nordeste, entre mais pobres, menos escolarizados e também no eleitorado mais jovem.

A pesquisa ouviu 2.556 eleitores em 181 cidades nos dias 22 e 23 de junho e tem margem de erro de dois pontos para mais ou menos. No Nordeste, Lula soma 58% dos votos, contra 19% de Bolsonaro.

Já entre o eleitorado que ganha até 2 salários mínimos e que representa pouco mais da metade da amostra populacional do Datafolha, Lula também vence o presidente por 56% a 22%. O petista tem ainda vantagem entre os mais jovens (54% a 24%) e menos escolarizados (56% a 22%).


Entre os evangélicos, Bolsonaro lidera e se distanciou de Lula, a ponto de deixar o empate técnico. O atual presidente tem entre eles 40%, ante 35% de Lula.

Em maio, os percentuais eram 39% e 36%. Bolsonaro também vai melhor entre os homens (36%, contra 44% de Lula), grupo no qual teve alta de 4 pontos percentuais, acima da margem de erro, e nos segmentos com maior renda. O presidente soma 44% entre aqueles com renda mensal de 5 a 10 salários mínimos e 47%, entre os que ganham mais de 10 salários mínimos.

Entre os empresários, Bolsonaro tem 43% dos votos. O presidente tem também resultado melhor no Centro-Oeste, onde chega a 40% de intenções de voto.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

publicidade

Política Nacional

Pedro Guimarães oficializa demissão como presidente da Caixa

Publicado

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, oficializou há pouco o pedido de demissão do cargo. Em carta enviada ao presidente Jair Bolsonaro, Guimarães, rebateu as denúncias de assédio sexual feitas por funcionárias da instituição e alegou inocência.

“Na atuação como presidente da Caixa, sempre me empenhei no combate a toda forma de assédio, repelindo toda e qualquer forma de violência, em quaisquer de suas possíveis configurações. As acusações noticiadas não são verdadeiras! Repito: as acusações não são verdadeiras e não refletem a minha postura profissional e nem pessoal. Tenho a plena certeza de que estas acusações não se sustentarão ao passar por uma avaliação técnica e isenta”, escreveu Guimarães, que também postou a carta na rede social Instagram.

No comando da instituição desde janeiro de 2019, Guimarães pediu demissão após o site noticioso publicar, ontem (28) à noite, acusações de funcionárias de carreira da Caixa que o acusavam de assédio sexual. O caso está sendo investigado pelo Ministério Público Federal.

O governo ainda não anunciou o substituto de Pedro Guimarães. Hoje pela manhã, ele chegou a comparecer a um evento com funcionários da Caixa, onde se defendeu das acusações e disse que sua gestão saneou as contas da instituição financeira.

Leia mais:  STF suspende eleições indiretas para o governo de Alagoas

Na carta, Guimarães destacou que a Caixa recebeu certificações como lugares de respeito às mulheres. Ele citou a certificação do banco na 6ª edição do Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. O presidente demissionário também citou o selo de Melhor Empresa para Trabalhar em 2021 – Great Place To Work®, recebido pela instituição em 2021 por uma consultoria internacional especializada em monitorar ambientes de trabalho.

Edição: Claudia Felczak

Fonte: EBC Política Nacional

Continue lendo

Mais Lidas da Semana