conecte-se conosco

Saúde

Doses insuficientes levam Rio a adiar vacinação de crianças de 10 anos

Publicado


A insuficiência de doses nos postos de saúde levou a cidade do Rio de Janeiro a adiar a vacinação de crianças de 10 anos contra a covid-19. Segundo o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, o calendário será retomado semana que vem com a imunização de crianças desta faixa etária.

De acordo com calendário divulgado hoje (20) pela Secretaria Municipal de Saúde, a repescagem da vacinação para meninos e meninas com 11 anos de idade continuará até segunda-feira (24). Já as crianças com deficiência ou comorbidades podem se vacinar, desde que estejam na faixa de 5 a 11 anos de idade.

A secretaria informou que todos os postos de vacinação estão aplicando a primeira dose da vacina em maiores de 12 anos. É preciso apresentar carteira de identidade, número do Cadastro de Pessoa Física (CPF) e, se possível, caderneta de vacinação. Para a segunda dose e a dose de reforço, é necessário levar também o comprovante de aplicação da primeira dose.

O Ministério da Saúde espera receber no próximo domingo (24) mais 1,8 milhão de doses pediátricas da Pfizer, única vacina autorizada até o momento para aplicação em crianças de 5 a 11 anos. De acordo com a pasta, o país já recebeu 2,5 milhões de doses da vacina pediátrica. O último lote, com 1,2 milhão de doses, foi entregue no último domingo (16) e está sendo distribuído aos estados.

Leia mais:  Hepatite: Ministério da Saúde cria Sala de Situação e monitora casos

Acesso

As unidades 24 horas da rede municipal de saúde – UPAs, hospitais, centros de emergência regional e centros de atenção psicossocial tipo 3 – funcionarão ininterruptamente no fim de semana prolongado pelo feriado do Dia de São Sebastião, padroeiro da cidade. Os locais de vacinação podem ser encontrados no site da prefeitura.

Centros municipais de saúde, clínicas da família e centros de testagem funcionam nesta quinta-feira e também amanhã, das 8h às 17h, exclusivamente para ações de combate à covid-19, atendimento e testagem e vacinação contra a doença.

Os centros de testagem com funcionamento nos fins de semana estão informados também no site da prefeitura.

Hoje, feriado municipal para celebrar o padroeiro da cidade do Rio de Janeiro, São Sebastião, os postos de vacinação e de testagem estão funcionando normalmente.

Matéria alterada às 16h04 para acréscimo de informação.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

publicidade

Saúde

Losartana: saiba marcas de remédios que não tiveram que ser recolhidos

Publicado

Medida foi tomada devido a
Christine Sandu / Unsplash

Medida foi tomada devido a “presença da impureza ‘azido’ em concentração acima do limite de segurança aceitável”

Na última quinta-feira, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou a interdição e recolhimento de lotes de alguns medicamentos com princípio ativo da losartana . Este tipo de medicação é um dos mais indicados e usados no Brasil para o tratamento de pressão alta (hipertensão arterial) e insuficiência cardíaca, reduzindo o risco de derrame e infarto.

Segundo a agência, a medida foi tomada devido à “presença da impureza ‘azido’ em concentração acima do limite de segurança aceitável”. A Anvisa ainda ressalta que o recolhimento não impacta o tratamento, visto que há outros lotes de losartanas no mercado que podem substituir os medicamentos recolhidos ou interditados.

Confira abaixo quais são as marcas de medicamentos à base de losartana disponíveis no Brasil que não foram alvo de recolhimento ou interdição pela Anvisa:

  • EMS;
  • Germed;
  • Torrent;
  • Organon;
  • Pharlab;
  • Multilab;
  • Nova Química;
  • Sandoz;
  • Vitamedic;
  • Sanofi Medley
  • Legrand;
  • Ranbaxy;
  • Unichem;
  • 1FARMA;
  • Aurobindo Pharma;
  • Laboratório Globo;
  • Zydus Nikkho.
Leia mais:  Especialista: Alto número de mortes impede que covid se torne endemia

Vale ressaltar que mesmo entre as marcas alvo de recolhimento ou interdição — Ache, Biolab, Brainfarma, Cimed, Eurofarma, Geolab, Teuto, Prati — apenas alguns lotes foram afetados. O número dos lotes recolhidos estão especificados no site da Anvisa. Assim como o número dos lotes que foram interditados cautelarmente.

A Anvisa e a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) alertam que os pacientes que fazem uso da losartana devem continuar utilizando o seu medicamento, mesmo que ele esteja entre os lotes afetados . A troca deve ser realizada apenas sob orientação médica e apenas quando o novo medicamento estiver em mãos.

A interrupção do tratamento da hipertensão arterial e da insuficiência cardíaca pode produzir malefícios instantâneos, inclusive risco de morte por derrame, ataques cardíacos e piora da insuficiência cardíaca.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Leia mais:  Cientistas publicam artigo que conclui mapeamento genético humano

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Mais Lidas da Semana