Mato Grosso

Governo define diretrizes para o desenvolvimento tecnológico e científico do Estado

Publicado


O governador Mauro Mendes reuniu-se com dirigentes de instituições de ensino e pesquisa para estabelecer diretrizes e metodologias de investimentos no setor de ciência e tecnologia para o ano de 2022. Na ocasião, foi feita ainda a avaliação de algumas ações, programas e projetos desenvolvidos no ano passado.

“Nenhum país ou região do mundo avançou sem investir em pesquisa, em ciência, em educação. E por isso, nós estamos investindo para que as pesquisas desenvolvidas aqui sejam vocacionadas, que tenham finalidade prática para a sociedade”, ressaltou o governador.

O presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (Fapemat), Marcos de Sá Fernandes da Silva, destacou que o encontro como o ocorrido na quarta-feira (19.01) é realizado regularmente, de modo gerencial, para priorizar as ações conjuntas de todos os parceiros envolvidos no desenvolvimento científico e tecnológico do Estado.

“O governador é nossa principal liderança de motivação para a gestão de nossas ações e atividades. Ele reforçou que a ciência e a pesquisa no Estado devem auxiliar na resolução dos problemas enfrentados pela sociedade, seja na forma de um produto ou um serviço”, disse o presidente da Fapemat após a reunião.

Leia mais:  SES aprova mais quatro propostas para realização de 15 mil procedimentos pelo programa Fila Zero na Cirurgia

As ações da fundação em 2021 contemplaram a execução financeira recorde no fomento a pesquisas e inovação nas empresas, com total de R$ 18,346 milhões. Nos últimos três anos, o total aplicado soma R$ 39,266 milhões.

Participaram também da reunião, além do presidente da fundação, o reitor da UFMT, professor Evandro Soares da Silva; o reitor do IFMT, professor Julio César dos Santos; professora Laila Natasha Santos Brandão (IFMT); professor Silvio Moisés Negri, da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR); professor Francisco Lledo, da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) e Lucas Oliveira de Souza, do Núcleo de Relações Internacionais do Estado (Nurimat); e o diretor Técnico Científico da Fapemat, professor Flávio Teles.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

“Mais do que restaurar o meio ambiente nas propriedades privadas, programa leva conhecimento ao produtor”, afirma secretária de Meio Ambiente

Publicado

O Governo de Mato Grosso apresentou à cúpula do clima da ONU (COP28), nesta segunda-feira (04.12), a operação no Estado do programa Juntos Pelo Araguaia (JPA), considerada a maior iniciativa de recuperação de bacias hidrográficas do mundo. O objetivo é captar recursos que serão empregados na execução do projeto, cuja meta é restaurar 10 mil hectares no bioma Cerrado, sendo cinco mil em Mato Grosso e cinco mil em Goiás.

“Mais do que restaurar o meio ambiente nas propriedades privadas, levamos ao produtor conhecimento sobre a melhor prática a ser aplicada no imóvel, incluindo como ele lida com a natureza e com a mudança do uso da terra”, afirmou a secretária de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), Mauren Lazzaretti, durante agenda com o Governo de Goiás na 28ª Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU), a COP 28, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos (EAU).

Lançado em 2019 pelos governos federal e estaduais de Mato Grosso e Goiás, os objetivos do programa no Estado são recuperar as nascentes e áreas degradadas no entorno do Rio Araguaia e promover a mudança de cultura sobre práticas sustentáveis de ocupação do território. A iniciativa prevê que pequenos e médios produtores atuem diretamente na recuperação das áreas degradadas já declaradas no Cadastro Ambiental Rural (CAR).

Leia mais:  Freteiro afirma que trabalho começou a dar lucro após obras do Governo na MT-170: "asfalto está um tapete"

Na primeira etapa, a ação é executada em 16 municípios goianos e 12 mato-grossenses. Em Mato Grosso, as cidades impactadas são: Alto Araguaia, Alto Garças, Alto Taquari, Araguainha, Barra do Garças, General Carneiro, Guiratinga, Pontal do Araguaia, Ponte Branca, Ribeirãozinho, Tesouro, Torixoréu.

Novos financiadores

Pessoas físicas ou jurídicas que desejam auxiliar na preservação ambiental podem ajudar o programa com doações voluntárias. Outra maneira de aderir ao projeto é compensar a supressão de vegetação em uma das áreas de abrangência do programa, destacou Mauren durante sua apresentação.

“Nós mostramos, hoje, um projeto inovador, lá no coração do Brasil, realizado pelos estados de Goiás e Mato Grosso que atuam unidos em prol de um objetivo comum”, disse ao afirmar que o objetivo da ação vai além da recuperação da vegetação.

Ao todo, são investidos no programa R$ 2,8 milhões da conversão de multas junto ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Em Mato Grosso, os recursos investidos são obtidos por meio de um Termo de Ajuste de Conduta firmado junto ao Ministério Público, que prevê o pagamento de multas com serviços ambientais.

Leia mais:  Seduc divulga resultado da análise de recursos do Intercâmbio MT no Mundo

Acesse o site www.juntospeloaraguaia.org.br e saiba como se tornar um financiador do programa.

Também participaram do evento, os secretários adjuntos da Sema-MT Alex Marega (Executivo) e Luciane Bertinatto (Gestão Ambiental).

Fonte: Governo MT – MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana