conecte-se conosco

Saúde

Saiba quais são as linhagens de Covid-19 mais comuns no Brasil

Publicado

source
Vírus da Covid-19
Reprodução – CC0 Domínio público

Vírus da Covid-19

A Rede Genômica Fiocruz divulgou nesta sexta-feira novos dados a respeito das linhagens e variantes do vírus Sars-CoV-2 no Brasil. Os resultados mostram que as variantes mais frequentes no país são a BA.1.1, a BA.1.14, a BA.1 e a BA.1.15. Mas também já há registro das recombinantes Ômicron BA.1 e BA.2 (XE, XQ) e as recombinantes Ômicron e Delta (XS e XF).

Os pesquisadores ressaltam que a pandemia ainda não acabou e alertam que a vigilância genômica em todo o país deve continuar atuando de maneira homogênea, permitindo que seja possível detectar variantes que venham a surgir. Atualmente há cerca de 100 linhagens BA em todo o mundo.

Assim como ocorreu em outros países, observa-se no Brasil uma tendência de aumento de frequência de BA.2, em especial na Região Sul.

Os dados são computados semanalmente pela Rede Genômica Fiocruz, com a obtenção de dados da EpiCoV do GISAID (Global Initiative on Sharing All Influenza Data), uma plataforma internacional para compartilhamento de dados genômicos dos vírus de Influenza e Sars-CoV-2. Os dados se referem ao período de 15 de abril a 5 de maio.

Leia mais:  Brasil tem 1.085 mortes por covid-19 em 24h

Os dados divulgados também mostram que a Rede Genômica Fiocruz, até o momento, produziu e enviou para as vigilâncias e laboratórios estaduais 654 relatórios que continham um total de 41.638 genomas.

Destes, 40.203 genomas foram depositados na base de dados EpiCoV do GISAID pelas oito unidades de sequenciamento que operam na Fiocruz. Nas últimas três semanas (até 5 de maio), as unidades da Fundação produziram 604 genomas.

Os pesquisadores ressaltam que a recombinação viral é um evento raro, que ocorre quando duas linhagens do Sars-CoV-2 infectam o mesmo paciente.

Durante o processo de replicação viral pode ocorrer a origem de linhagens híbridas (recombinantes) que podem vir a ser transmitidas à população. Apesar de raro, isso já ocorreu algumas vezes na história evolutiva dos coronavírus e, portanto, merece monitoramento intenso.

Entretanto, discernir entre eventos de recombinação e coinfecção a partir de dados do sequenciamento não é uma tarefa trivial. Por isso, a Rede Genômica Fiocruz desenvolveu recentemente um software chamado ViralFlow, que produz resultados capazes de auxiliar no discernimento entre recombinação e coinfecção.

Leia mais:  Mesmo sem obrigatoriedade, paulistanos mantêm máscaras ao ar livre

Por meio do uso desse pipeline, a Rede criou recomendações para a obtenção de evidências complementares sobre tais eventos. Essas recomendações foram apresentadas ao grupo técnico de evolução viral da Organização Mundial da Saúde (OMS) pelo pesquisador da Fiocruz Pernambuco Gabriel Wallau.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.


Fonte: IG SAÚDE

publicidade

Saúde

Vaginismo: entenda sobre a disfunção sexual feminina que causa dor

Publicado

source
Vaginismo: entenda sobre a disfunção sexual feminina que causa dor
Vitoria Rondon

Vaginismo: entenda sobre a disfunção sexual feminina que causa dor

Ginecologista explica as causas e como tratar essa alteração que causa incômodo durante o sexo

Em alguns casos, pode ser considerado normal a mulher sentir dor na primeira relação sexual, uma vez que o nervosismo e a tensão da chamada “primeira vez” influenciam no momento da penetração. Mas, passada a primeira relação sexual, é preciso ficar em alerta caso o incômodo persista.

Segundo pesquisas elaboradas pela Revista Brasileira de Sexualidade Humana , a taxa de incidência do vaginismo varia entre 11,7% e 42% entre as mulheres. Apesar dos dados, o vaginismo é um assunto pouco conhecido. Por isso, é comum mulheres passarem pela disfunção e não a reconhecerem.

> 11 fatos sobre hímen que você ainda não sabia

O que é o vaginismo?

Segundo Teresa Embiruçu, ginecologista e especialista em sexologia e obstetrícia, o vaginismo é uma contração involuntária dos músculos do assoalho pélvico ( músculos que estão ao redor da vagina). Isso impede a entrada de pênis, dedo ou qualquer outro objeto na vagina, por mais que esta seja a vontade da mulher.

> Conheça alguns cuidados importantes com a higiene íntima feminina

A ginecologista ainda explica que a disfunção, na maioria das vezes, pode ocorrer na primeira relação sexual (vaginismo primário). Contudo, também pode atingir uma parcela de mulheres que já praticavam atividades sexuais e consideravam prazeroso, mas começaram a sentir o incômodo no momento da penetração (vaginismo secundário).

Possíveis causas do vaginismo

As causas do vaginismo podem ser múltiplas. Por isso, é difícil definir um motivo exato. Teresa Embiruçu explica que é preciso observar diversos pontos da construção sexual feminina para entender o que pode estar causando a disfunção , como: o que ouviu sobre a primeira vez, como aprendeu, expectativas ao iniciar a vida sexual e fatores religiosos, como ver o ato como algo errado, sujo e pecaminoso.

“Sempre vamos olhar para vários pontos, como: se a educação em casa foi muito castradora e proibitiva, se passou por violência psicológica ou sexual, se tem algum antecedente de problema de saúde ginecológico (por exemplo, líquen vulvar), se tem outras doenças de dor crônica associadas (por exemplo, fibromialgia), se tem uma personalidade controladora, hipervigilante e se a pessoa é ansiosa”, lista a ginecologista.

Leia mais:  87% dos pais pretendem vacinar filhos de 6 a 11 anos, diz Datafolha

> Conheça as doenças urológicas mais comuns nas mulheres

Sinais que apontam para o vaginismo 

O principal sinal de alerta para o vaginismo são as fortes dores e o desconforto no momento da penetração. Contudo, Teresa Embiruçu faz um alerta para o medo e a fobia , que podem acontecer desde a aproximação, o toque na vulva até a dificuldade de ter penetração vaginal. “[O vaginismo] é descrito como uma dor sexual, dor na relação, dor na penetração ou mais tecnicamente, dor genito-pélvica”, explica a especialista.

De acordo com a ginecologista, ainda existe uma outra situação que se assemelha ao vaginismo, que é quando a mulher até consegue ter a penetração vaginal, mas sente ardência, incômodo e dor. “É como se tivesse entrando uma faca, descrita como vulvodínia. A vulvodínia já seria mais uma dor localizada na mucosa vulvar que impede ou dificulta a penetração.”

> Yoga traz benefícios físicos e mentais

Diagnóstico do problema

O vaginismo pode ocorrer em qualquer idade. Por esse motivo, é preciso estar atento aos sinais e realizar o diagnóstico clínico que, de acordo com Teresa Embiruçu, pode ocorrer por meio de uma conversa bem detalhada com o médico ginecologista, clínico geral ou psiquiatra, e por meio do exame físico, da inspeção da mucosa e da avaliação da musculatura pélvica. “É necessário afastar se não existem outras causas que justifiquem a dor”, explica a ginecologista.

> Adoçante: tudo o que você precisa saber para usar de forma certa

Tratamentos para o vaginismo
Tratamento para o vaginismo consiste em relaxar a musculatura (Imagem: Shutterstock)

Existe tratamento?

O tratamento para a disfunção consiste em fazer com que a mulher consiga relaxar a musculatura e dessensibilizar os músculos da vagina ao toque e a penetração. Normalmente, isso é realizado por ginecologistas com o apoio de psicólogos e profissionais especializados na saúde sexual da mulher.

De acordo com a ginecologista Teresa Embiruçu, podem ser indicadas medicações para dor crônica, quando ela é localizada na mucosa vulvar, além do uso de ansiolíticos e técnicas para trabalhar o foco de atenção. Ela também ressalta que alguns estudos mais recentes falam ainda da melhora com uso de laser vaginal de co² e aplicação de toxina botulínica.

Leia mais:  Relatório toxicológico da Anvisa recomenda proibição do carbendazim 

“A abordagem psicológica também é essencial para trabalhar as crenças errôneas e ressignificar alguns momentos dessa construção da sexualidade. Mas o tratamento vai depender não apenas de profissionais qualificados para ajudar e dar as ferramentas necessárias, como também do empenho e motivação da própria pessoa em melhorar. Porque o tratamento é um processo, não tem tempo certo, não tem remédio que se toma e se cura”, explica Teresa Embiruçu.

> Suor excessivo: descubra as causas e saiba como tratar

O tabu sobre a sexualidade feminina 

A falta de conhecimento sobre a sexualidade feminina ou, até mesmo, as vivências traumáticas, também podem influenciar para que o vaginismo ocorra. Teresa Embiruçu explica que o ensino sobre sexualidade, muitas vezes, gira em torno de uma visão negativa e que a pessoa cresce com medo da relação sexual.

“O aprendizado sobre a sexualidade nas escolas gira em torno do ensino sobre não engravidar e como não pegar infecções sexualmente transmissíveis. Ao iniciar a vida sexual, se ouve que a primeira vez sangra, dói, machuca e rompe o hímen. Sempre uma visão muito negativa sobre o ato sexual. Sem falar na questão da ‘perda da virgindade’, como se fosse perder algo que nunca mais fosse possível ser achado”, afirma Teresa Embiruçu.

> Entenda o que é Síndrome de Burnout Parental e veja quais são os sintomas

Consequências do vaginismo

A ginecologista esclarece que uma pessoa com vaginismo pode ter desejo sexual, se sentir excitada, chegar ao orgasmo, com o estímulo na vulva e no clítoris, e ter uma resposta sexual satisfatória. Entretanto, uma das queixas comuns dessas mulheres é que se sentem incompletas ou ainda, que se sentem menos “mulher” por faltar a penetração vaginal. Além da expectativa de estar em falta ou devendo algo ao parceiro sexual.

“Uma outra frustração comumente relatada por pessoas com vaginismo é a dificuldade de engravidar naturalmente. Geralmente é quando o relacionamento não vai bem ou quando chega essa vontade de engravidar que a pessoa procura ajuda”, completa Teresa Embiruçu. Por isso, em todo caso, é indicado procurar ajuda médica.

Acompanhe mais dicas de saúde na  revista ‘Emagreça com saúde’

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Mais Lidas da Semana