conecte-se conosco

Economia

Servidores do Judiciário também vão pedir reajuste de 20%

Publicado


source
Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF)
Facebook / Jair Messias Bolsonaro

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF)

Representantes de servidores do Judiciário vão se reunir com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, no próximo dia 15 para levar à Corte a pauta de reivindicações do setor. este será o segundo encontro da Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e Ministério Público da União (Fenajufe) com representantes da Corte. Na quinta-feira passada quem recebeu os dirigentes sindicais foi a vice-presidente do supremo, ministra Rosa Weber.

De acordo com Lucena Pacheco Martins, coordenadora da Fenajufe, a principal pauta de reivindicação é a recomposição salarial dos servidores. Mas acrescentou que outras demandas serão levadas à Corte.

“Apresentaremos um estudo técnico sobre as perdas inflacionárias do último período. Só em 2021, a inflação chegou à casa dos 10%, os servidores estão sem recomposição, alguns desde 2016 e outros desde 2017. O estudo da Fenajufe faz uma projeção de 19,99% de perdas, considerando o período de 2019 a 2021”, explica.

R$ 1,9 bilhão para carreiras do Executivo

É importante destacar que as manifestações e reivindicações por recomposição salarial tomaram corpo a partir da reserva de R$ 1,9 bilhão no Orçamento da União, para reajuste de carreiras do Executivo Federal.

Leia mais:  O João de Deus do mercado financeiro

Leia Também

A Fenajufe defende o reajuste de servidores ante os limites e os prazos estabelecidos na legislação. A entidade afirma ainda que no Judiciário a própria Emenda Constitucional nº 95 – que estabelece o teto dos gastos públicos – permitiu o crescimento da folha nos limites do crescimento inflacionário e isso não aconteceu, em nenhum ano.

A federação quer ainda a adoção de medidas para garantir tratamento isonômico a todos os servidores públicos, bem como atuação em defesa dos servidores do Poder Judiciário da União por ocasião da aprovação da Lei Orçamentária 2022 pelo Congresso.

Tratamento isonômico a todo funcionalismo

Na reunião com a ministra Rosa Weber, a federação salientou a necessidade de adoção de medidas para garantir tratamento isonômico a todos os servidores públicos.

“O importante é destacar que o cenário para a concessão de reajuste é mais favorável em 2022 em comparação a 2023. Isto porque o orçamento do ano que vem terá uma margem menor pra crescer, segundo a regra do teto, inviabilizando a nossa recomposição inflacionária, sendo importante destacar que os servidores do Poder Judiciário nos três anos do atual governo já perderam 20% do poder de compra existente em janeiro de 2019”, alertou João Vitor Albuquerque, diretor do sindicato da categoria.

Leia mais:  Setor da construção empregou 2 milhões de pessoas em 2020, diz IBGE

publicidade

Economia

MPT abre inquérito para apurar denúncias de assédio sexual na Caixa

Publicado

Funcionária acusam Pedro Guimarães de assédio sexual
Isac Nóbrega/Presidência

Funcionária acusam Pedro Guimarães de assédio sexual

O Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal vai apurar as denúncias de assédio sexual contra o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. A chamada “notícia de fato” foi oferecida pelo procurador Paulo Neto.

Como Neto é o responsável por investigar casos relacionados ao tema, caberá a ele próprio fazer a análise preliminar das denúncias e dar seguimento às investigações. No documento, o procurador cita os relatos de funcionárias da Caixa revelados pelo portal “Metrópoles”. Não há prazo para que o MPT defina se prosseguirá ou não com as investigações.

As denúncias de assédio contra o presidente da Caixa foram abafadas pela instituição. De acordo com funcionárias, os casos envolvem ainda um vice-presidente da instituição.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Leia mais:  Crédito raro e custo alto: Emplacamento veicular cai 15,7% em um ano

Até o momento, nem Pedro Guimarães e nem a Caixa se manifestaram sobre o caso. Nesta quarta, o presidente compareceu a um evento da instituição ao lado de sua mulher. Na ocasião, Guimarães discursou e afirmou que tem “uma vida inteira pautada pela ética”.

“Quero agradecer a presença de todos vocês, da minha esposa, acho que a mulher é muito cara, são quase 20 anos juntos, dois filhos, uma vida inteira pautada pela ética, tanto é verdade que quando o assumi o banco, o banco tinha os piores ratings das estatais, dez anos de balanço com ressalvas”, afirmou o presidente da Caixa.

Fonte: IG ECONOMIA

Continue lendo

Mais Lidas da Semana