conecte-se conosco

Tecnologia

Uber vai retomar testes com carros autônomos após se envolver em acidente fatal

Publicado

A Uber deverá retomar os testes com seus carros autônomos a partir de agosto nos Estados Unidos. Segundo o site The Information , a empresa estaria disposta a retomar o desenvolvimento da sua tecnologia mesmo após se envolver em acidente que matou uma pedestre no último mês de março.

Para evitar a polêmica, porém, a Uber comunicou que os testes com carros autônomosnão serão mais realizado no Estado do Arizona, local onde ocorreu o atropelamento que matou Elaine Herzberg, de 49 anos. A partir de agora, os estados escolhidos serão o da Califórnia e da Pensilvânia.

A empresa também comunicou que fez alterações no software responsável pelo veículo, incluindo mudanças na configuração dos sensores e dos freios já que, na ocasião do atropelamento, a investigação da Polícia de Tempe, subúrbio de Phoenix, no estado de Arizona, revelou que o sistema do carro estava configurado para atrasar a reação e que portanto o carro “viu” a vítima, mas “escolheu não parar” . Além disso, um novo sistema de alerta para o operador humano deverá ser implementado até a data de início dos novos testes.

Após o acidente , a Uber chegou a entrar em acordo com a família da vítima, além de ter “trabalhado de perto com o Conselho Nacional de Segurança no Transporte (NTSB, na sigla em inglês) e conduzido uma avaliação interna do nosso programa de carros autônomos. Também trouxemos o ex-presidente do NTSB Christopher Hart para nos aconselhar sobre nossa cultura de segurança. Devemos compartilhar mais novidades nas próximas semanas”.

Na prática, porém, a “avaliação interna do programa de carros autônomos” teria suspendido por completo o programa e o respectivo desenvolvimento dessa tecnologia. Uma posição da qual voltou atrás agora.

Problemas com os testes com carros autônomos

O acidente que vitimou Elaine Herzberg, de 49 anos, aconteceu na noite de 19 de março. A pedestre tentou atravessar a estrada empurrando uma bicicleta quando o carro autônomo da Uber a atingiu. O local e estava escuro e a vítima estava fora da faixa de pedestres. A vítima foi resgatada ainda com vida e levada ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos e acabou morrendo.

A partir de então, uma investigação conduzida pelo Departamento de Polícia de Tempe e pelo Conselho Nacional de Segurança no Trânsito dos Estados Unidos começou. Primeiro foi revelado que o carro autônomo da Uber andava numa velocidade acima da máxima permitida na via: o veículo estava andando a 60 km/h quando o limite permitido era de 55 km/h.

Depois, a investigação revelou que o software do carro em teste estava ajustado para ser mais lento nas reações e tomada de decisão. A intenção seria preveir “falsos positivos”, como uma sacola de plástico ou um folha de árvore que passasse pelo caminho e acabasse provocando freadas bruscas que colocassem em risco os passageiros do próprio veículo e de outros carros que pudessem estar na mesma via do automóvel.

Leia mais:  Samsung perde liderança de TVs premium para Huawei na China

As autoridades, porém, estavam divididas sobre a possibilidade de um condutor humano ter ou não condições de notar a mulher naquelas condições de visibilidade e velocidade até que a Polícia descobriu que a condutora-observadora que estava no banco do motorista estava distraída por longos períodos de tempo: ela assistia a um episódio do reality show americano The Voice no celular no momento imediatamente anterior ao acidente.

A investigação revelou que a motorista estava logada e ativa no aplicativo de streaming Hulu 5 segundos antes do acidente. Ela só teria retomado a atenção para a pista e acionado o freio cerca de 0,5 segundo antes do veículo colidir, atropelando e matando a pedestre.

A informação foi obtida com ajuda do próprio Hulu. A empresa de streaming resolveu ajudar nas investigações, após receber uma intimação da polícia dizendo que o compartilhamento desse dado seria “crucial” para o desfecho de “um caso muito sério”. Dessa forma, o Hulu confirmou que a motorista assistiu ao programa por 42 minutos, encerrando a transmissão às 21h59, coincidindo com o exato momento do acidente.

As imagens gravadas tanto do lado de dentro quanto do lado de fora do carro no momento do atropelamento pelo próprio carro autônomo da Uber confirmam essa hipótese. Veja abaixo o vídeo divulgado pelo Departamento de Polícia de Tempe:

Diante disso, a polícia de Tempe classificou o caso como “inteiramente evitável” e informou que a motorista poderá ser acusada de homicídio, a depender da decisão dos promotores responsáveis. Ela também poderá ser demitida, já que o Uber não permite o uso de celulares durante os testes.

Em seu depoimento ao Conselho Nacional de Segurança nos Transportes, Rafaela disse que estava monitorando o sistema do carro. Ela garantiu que não usou celulares até a colisão, mas as novas informações divulgadas pela polícia negam isso.

Apesar disso, como o caso deve ser julgado num tribunal estadual, especialistas dizem que a punição da Uber deve ficar restrita ao Estado de Arizona. Se isso se confirmar, a empresa pode ter se adiantado, ao revelar que pretende continuar os testes em outros locais dos Estados Unidos.

Outros acidentes com carros autônomos

A Uber, porém, não é a única empresa que já teve problemas com o seu setor de carros autônomos. No fim de maio, um veículo da Tesla colidiu com uma viatura do Departamento de Polícia de Laguna Beach que estava estacionada . O sargento Jim Cota da polícia local informou que a vituara estava vazia no momento do acidente, mas que o condutor da Tesla sofreu ferimentos leves. Ainda assim, a viatura policial sofreu perda total após a colisão .

Em entrevista ao jornal Los Angeles Times , o oficial ainda relembrou que um ano atrás um outro acidente envolvendo um carro autônomo da Tesla ocorreu quando o veículo colidiu com uma caminhonete na mesma área do acidente de ontem. Ele chegou a perguntar “por que esses veículos continuam fazendo isso? Nós temos apenas sorte que as pessoas não estão se ferindo.”

Ver imagem no Twitter
As investigações sobre as causas do acidente ainda estão sendo realizadas, mas um porta-voz da Tesla enviou um comunicado por email dizendo que “quando o modo piloto automático é usado, os motoristas são continuamente relembrados da sua responsabilidade de continuar com as mão nos volante e manter o controle do veículo em todos os momentos.”

O comunicado também afirma que “a Tesla sempre deixou claro que o piloto automático não faz o carro insuscetível a qualquer acidente e antes que um motorista use o piloto automático, ele deve aceitar a caixa de diálogo que diz que esse modo foi projetado para uso em rodovias com um canteiro central e marcações claras de faixas.”

Leia mais:  Xbox lança aplicativo para rodar jogos na TV mesmo sem console

Além disso, também em maio, um outro acidente envolvendo um carro autônomo aconteceu. Dessa vez, porém, tratava-se de uma Chrysler Pacifica da Waymo, empresa cujo Google é dono . A minivan estava rodando de modo autônomo em fase de testes com um operador no banco do motorista quando um sedã Honda tentou desviar de um terceiro veículo e acabou invadindo a pista contrária onde estava o carro autônomo. A colisão na parte dianteira esquerda foi bem próxima do banco do motorista e acabou ferindo o condutor.

Na época, o investigador da polícia disse ao jornal local Phoenix New Times que “o carro da Waymo não é o veículo infrator. Ele apenas estava no lugar errado, na hora errada”. No dia seguinte, porém, a polícia de Chandler divulgou uma nova versão dos fatos que indica que o outro carro envolvido no acidente entrou no cruzamento durante o sinal vermelho, mas que o algoritmo do carro do Google não foi capaz de prever a colisão e evitar o acidente. De qualquer forma, as autoridades locais concluíram que o veículo autônomo não teve culpa.

A Waymo, por sua vez, divulgou comunicado dizendo que “a missão da nossa equipe é tornar nossas estradas mais seguras – ela está no centro de tudo o que fazemos e motiva todos os membros de nossa equipe. Estamos preocupados com o bem-estar e a segurança de nosso piloto de testes e desejamos a ela uma recuperação completa .”

No vídeo abaixo é possível ver o momento em que a colisão acontece, gravada pela câmera no topo do carro do Google:

Já as imagens de helicóptero captadas pela rede ABC , do Arizona, momentos depois do acidente também dão uma noção do impacto, e dos estragos, causados pela colisão:

De qualquer forma, Uber, Tesla, Waymo e GM, as líderes do segmento se vêem às voltas com uma crise de confiança em relação a essa nova tecnologia e com os testes com carros autônomos . Resta saber se elas vão persistir até funcionar ou morrer tentando.

publicidade

Tecnologia

Veja como se proteger de golpistas online na compra de celulares

Publicado

Celulares e aparelhos eletrônicos são os principais alvos de golpistas na internet
Joshua Hoehne/Unsplash

Celulares e aparelhos eletrônicos são os principais alvos de golpistas na internet

Os celulares lideram a lista de produtos com mais fraudes no comércio eletrônico e têm despertado cada vez mais a atenção dos golpistas. Os dados são de uma pesquisa da OLX, plataforma de compra e venda on-line, e do AllowMe, de proteção de identidades digitais, feita no período de janeiro a maio de 2022. Segundo o levantamento, para atrair as vítimas, os fraudadores costumam anunciar os produtos cerca de 14% mais baratos do que os anúncios idôneos.

Somente no Estado do Rio, o prejuízo estimado nos cincos primeiros meses do ano foi da ordem de R$ 7,3 milhões. Em todo o país, o total de fraudes chegou a R$ 62,9 milhões. O chamado golpe da compra confirmada é o mais comum no Rio, seguido pelo do anúncio falso.

A fraude da compra confirmada ocorre quando um fraudador se passa por comprador, finge que fez o pagamento para resgatar o produto e envia um falso comprovante. No caso do anúncio falso, o golpista oferece um produto inexistente, recebe o dinheiro, mas não envia a mercadoria.

“Existe um aumento de compra de celulares usados, e o crescimento das fraudes se dá na esteira disso. O celular é um produto muito visado porque é de alto valor agregado, fácil de manusear e de revender. E no topo da lista está o iPhone”, destaca Beatriz Soares, diretora de Produto e Operações da OLX.

Os celulares representam 48%, seguidos por videogames (20%) e computadores (11%).

Para Pamela Prevedel, engenheira e líder de Produtos do AllowMe, os fraudadores em geral não agem sozinhos.

“Em geral, são quadrilhas especializadas. Eles entram em contato com muita gente, porque sabem que muitos não cairão no golpe. Eles agem em escala.Geralmente, são pessoas especializadas em cada processo e testam os golpes”, diz.

Roubo de dados: Veja quais são os cinco golpes mais comuns pelo celular e como se proteger

Camila Cardoso, funcionária de uma agência de eventos, de 33 anos, conta que foi vítima de três golpes. Em dois deles, fez compras em sites falsos, e não conseguiu reaver o que pagou. Em outra ocasião, ela fez uma compra em um grande site, mas também não recebeu o produto. O marketplace devolveu o dinheiro por meio de estorno do cartão de crédito.

“Fiz uma compra de uma minigeladeira em um marketplace. E o vendedor cobrou o frete por fora. Após o prazo de entrega, entrei em contato com o site, que estornou R$ 500 no cartão de crédito. Antigamente, tinham sinais mais claros de golpe. Hoje, não. Parece tudo certinho”, explicou.

Leia mais:  Xbox supera PlayStation em vendas no Japão pela 1ª vez desde 2013

Marketplace pode ter que ressarcir Para Beatriz Castilho Costa, pesquisadora do Centro de Tecnologia e Sociedade (CTS) da FGV Direito Rio, uma das formas de o consumidor se resguardar é utilizar a própria plataforma de marketplace para se comunicar, seja o usuário comprador ou o vendedor. Segundo ela, se a vítima seguiu todas as orientações da plataforma na negociação, o site pode ter ressarcir o prejuízo do consumidor:

“Toda a comunicação deve ser feita por meio da plataforma, no chat. Em geral, quando esse tipo de fraude acontece, as pessoas saem da plataforma. O que chega nos tribunais é que as tratativas começaram lá dentro do sistema e terminaram de outra forma. O que fica mais difícil de comprovar a responsabilidade do site”

Daniel Marques, presidente da AB2L, Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs, avalia que a negociação deve ser concluída dentro do site. “A empresa deve proteger os dados e criar métodos de verificação para confirmar a venda”, explica ele.

Documentos falsos

De acordo com especialistas, em caso de fraude, o suposto comprador pode enviar documentos falsos para comprovar o pagamento.

“Nos casos dos golpes da compra confirmada os consumidores devem se atentar a mensagens ou e-mails de empresas, conferindo se o endereço do e-mail recebido confere com o domínio da empresa gestora do marketplace e/ou do vendedor, e sempre que possível, acompanhar os seus pedidos diretamente no site ou aplicativo da plataforma” alerta Tatiana Coutinho, advogada de Privacidade e Proteção de Dados Pessoais, Regulação e Novas Tecnologias, do escritório Lima e Feigelson Advogados.

Já nos casos que envolvem anúncios falsos, o consumidor deve desconfiar de produtos negociados com o valor abaixo do preço de mercado. Caso opte por negociar diretamente com o vendedor, deve realizar o pagamento após o recebimento do produto. Segundo Coutinho, se desconfiar de atitudes suspeitas, o consumidor deve denunciar o vendedor ou anúncio à plataforma para a verificação de eventual fraude.

Compra confirmada : O fraudador faz um falso comprovante de depósito com os dados da vítima e o envia por e-mail ou aplicativo de mensagem, fazendo a pessoa acreditar que o valor já foi depositado e entregue o produto da venda. Quando a vítima percebe o golpe, o fraudador já está com o produto e deixa de responder às mensagens.

Leia mais:  TikTok tem emojis secretos; veja como encontrá-los

Como se prevenir : Só entregue o produto após a confirmação do depósito em sua conta bancária ou carteira digital. Mantenha a conversa pelos chats das plataformas e evite negociar por aplicativos de mensagens. Desconfie de mensagens ou e-mails que simulem comunicados oficiais das empresas, verifique o domínio do e-mail ([email protected]) e cheque sempre o status da negociação no site ou no aplicativo da empresa.

Anúncio falso : O fraudador insere o anúncio de um produto nas plataformas de compra e venda, com o objetivo de atrair as vítimas. Na maioria das vezes, o produto é, em média, 14% mais barato do que o valor de mercado. Imaginando ser uma oferta real, a vítima faz o pagamento e não recebe o produto.

Negociação direta : Prefira negociar diretamente pelas plataformas, que têm a opção de pagar/receber o valor e o delivery do produto. Ao optar por negociar diretamente, só realize o pagamento após receber o produto. Desconfie de preços muito abaixo dos valores de mercado e, ao desconfiar de atitudes suspeitas, denuncie o anúncio, que será verificado pelas plataformas.

Sites falsos : Falsas páginas na internet e em redes sociais fazem anúncios iscas para atrair compradores com a oferta de celulares novos e outros produtos, mas muito abaixo do preço de mercado. Também costumam destacar que há poucas unidades dos produtos e que a oferta dura apenas poucas horas, estimulando que as pessoas façam o pagamento rapidamente, e o produto não é enviado.

Como se prevenir : Pesquise sobre a loja virtual antes e verifique se há reclamação de outros usuários.

Outros cuidados

– Verifique a reputação do site no Consumidor.gov ou no Reclame Aqui.

– Sites falsos que imitam outras lojas possuem um endereço web diferente. Confira se está na página certa. As mudanças, algumas vezes, são sutis colocam um 0 em vez do O. Outras vezes mudam o domínio, em vez de “.com” está “.org.br”. É o chamado golpe homográfico, o uso de um endereço similar ao oficial para enganar o público.

– Em caso de dúvida, o Google tem uma ferramenta chamada Navegação Segura (https://transparencyreport.google.com/safe-browsing/search) . Nela, você pode inserir o endereço e verificar o grau de confiança e segurança da página.

– Desconfie de ofertas e promoções com preços fora do padrão do mercado.

– Busque selos de segurança. Eles devem ser clicáveis. Alguns são da McAfee, Google Trusted Store, PayPal, GeoTrust e Norton.

– Veja se na página tem o CNPJ, o endereço da sede e o telefone de contato da empresa.

– Procure as políticas de privacidade.

Fonte: OLX e Daniel Marques, presidente Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs

Fonte: IG TECNOLOGIA

Continue lendo

Mais Lidas da Semana