conecte-se conosco

Economia

Vale-diesel não cobre metade do combustível gasto por caminhoneiros

Publicado

source
Frentista.
Reprodução: iG Minas Gerais

Frentista.

A disparada do preço do diesel levou o governo a debater junto ao Congresso uma espécie de auxílio para os caminhoneiros autônomos, chamado até de ‘Pix Caminhoneiro’ – cujo valor pode ser de R$ 1.000 mensais. A assistência, porém, na visão de parte dos caminhoneiros, mal é capaz de proporcionar alívio para a categoria.

Um auxílio de R$ 1 mil, valor mais elevado já proposto pelos parlamentares, não chega nem a metade do total gasto por um caminhoneiro para abastecer o veículo com diesel.

Pelos cálculos do presidente da Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores (Abrava), Wallace Landim, conhecido como Chorão, um caminhão gastaria R$ 5.520 para encher o tanque de 600 litros ao abastecer em São Paulo pelo preço de R$ 8,70, valor encontrado em postos na última semana.

Pela média da ANP da semana passada (R$ 6,90), o gasto seria de R$ 4.140 – valor bem superior ao contemplado pelo suposto auxílio.

“Para a categoria do transporte rodoviário isso [esse auxílio] não resolve. A gente não está querendo nenhum tipo de auxílio. Queremos que o governo faça o papel dele e retire o Preço de Paridade de Importação (PPI), e que ele possa usar esse recurso para outras categorias como é o caso de transporte escolar, dos motoristas de aplicativo e dos motofrentistas, que rodam no urbano e essa medida resolve. Um caminhão faz dois quilômetros por litro”, disse Chorão.

Leia mais:  XP/Ipespe: 65% confiam em manter o emprego no próximo semestre

O diretor da CNTTL (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística), o caminhoneiro autônomo, Carlos Alberto Litti Dahmer, também critica a medida proposta pelo governo. Em vídeo à imprensa, ele afirmou na última quarta-feira que o vale combustível “é um desaforo” e que o presidente Jair Bolsonaro deveria ter coragem para “pegar a sua caneca BIC e assinar o fim do PPI”.

“Isso vale para o “desabono” dos R$ 1 mil também”, afirmou.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia Siga também o  perfil geral do Portal iG

Nas redes sociais, trabalhadores relatam que está cada vez mais difícil transportar mercadorias pelas rodovias. Em alguns casos, o custo com o diesel já se equipara ao valor total recebido pelo frete, sem contar os custos com pedágio.

Leia mais:  Aneel recebe sugestões para atualização das bandeiras tarifárias

No Facebook, um caminhoneiro autônomo se queixa do alto custo para realizar as viagens. 

“Eu carrego um frete de R$ 4.600 reais com 24 toneladas. E desses R$ 4.600, R$ 500 vão para pedágio, R$ 3.300 vai para óleo diesel. Sobra R$ 800. Você sai com uma carreta lá do Espírito Santo, vem parar em São Paulo para te sobrar R$ 800. Você tem uma ideia de que não compensa mais trabalhar com caminhão. Isso porque ainda não tirei minha despesa de alimentação”, lamenta.

Em uma publicação no TikTok, um caminhoneiro que afirma ser de Barreiras, município do interior da Bahia, se mostra indignado com o valor apresentado na bomba ao abastecer o automóvel.

“O frete foi R$ 11 mil e eu ainda vou ter que fazer mais um abastecimento pra chegar no Mato Grosso Tem condições isso? Não tem. Os caminhões vão parar. Pane seca nas rodovias. Isso aqui é na Bahia, em Barreiras, viu? R$ 8 o litro”, diz o caminhoneiro, ao exibir um contador atingindo em torno de R$ 5.500 no total a pagar por cerca de 664 litros de diesel.

publicidade

Economia

MPT abre inquérito para apurar denúncias de assédio sexual na Caixa

Publicado

Funcionária acusam Pedro Guimarães de assédio sexual
Isac Nóbrega/Presidência

Funcionária acusam Pedro Guimarães de assédio sexual

O Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal vai apurar as denúncias de assédio sexual contra o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. A chamada “notícia de fato” foi oferecida pelo procurador Paulo Neto.

Como Neto é o responsável por investigar casos relacionados ao tema, caberá a ele próprio fazer a análise preliminar das denúncias e dar seguimento às investigações. No documento, o procurador cita os relatos de funcionárias da Caixa revelados pelo portal “Metrópoles”. Não há prazo para que o MPT defina se prosseguirá ou não com as investigações.

As denúncias de assédio contra o presidente da Caixa foram abafadas pela instituição. De acordo com funcionárias, os casos envolvem ainda um vice-presidente da instituição.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Leia mais:  Consumidor arcará com R$ 30,2 bi de déficit do setor elétrico em 2022

Até o momento, nem Pedro Guimarães e nem a Caixa se manifestaram sobre o caso. Nesta quarta, o presidente compareceu a um evento da instituição ao lado de sua mulher. Na ocasião, Guimarães discursou e afirmou que tem “uma vida inteira pautada pela ética”.

“Quero agradecer a presença de todos vocês, da minha esposa, acho que a mulher é muito cara, são quase 20 anos juntos, dois filhos, uma vida inteira pautada pela ética, tanto é verdade que quando o assumi o banco, o banco tinha os piores ratings das estatais, dez anos de balanço com ressalvas”, afirmou o presidente da Caixa.

Fonte: IG ECONOMIA

Continue lendo

Mais Lidas da Semana