conecte-se conosco

Nacional

410 mil vidas me separam do presidente: as críticas de Mandetta na CPI da Covid

Publicado


source

BBC News Brasil

'410 mil vidas me separam do presidente': as críticas de Mandetta a Bolsonaro na CPI da Covid
Mariana Schreiber – @marischreiber – Da BBC News Brasil em Brasília

‘410 mil vidas me separam do presidente’: as críticas de Mandetta a Bolsonaro na CPI da Covid

Primeiro ministro da Saúde do governo de Jair Bolsonaro, Luiz Henrique Mandetta (DEM) não poupou críticas ao presidente em seu depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, que investiga ações e omissões de autoridades no enfrentamento da pandemia.

Segundo Mandetta, Bolsonaro ignorou a ciência e as informações de sua pasta sobre a gravidade da crise sanitária. Mesmo alertado, diz o ex-ministro, o presidente optou por não fazer uma campanha de conscientização da população, preferindo estimular o uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a doença.

Nesse sentido, revelou que chegou a ser discutida internamente no governo uma alteração da bula da cloroquina para incluir uso no tratamento da covid-19, muito embora não houvesse estudos embasando isso.

“Hoje, 410 mil vidas me separam do presidente”, disse Mandetta a senadores, em referência às quase 410 mil vítimas da covid-19 no país.

Na quarta-feira (05/05), falará à CPI seu sucessor no comando do ministério, Nelson Teich. Ele substituirá o depoimento do ex-ministro Eduardo Pazuello, que foi transferido para o dia 19 de maio, após o general afirmar que não poderia comparecer por ter tido contato recente com duas pessoas diagnosticadas com covid-19.

Confira a seguir as principais falas de Mandetta no depoimento desta terça-feira (04/05).

‘Negações, negações, negações’

Mandetta, que deixou o governo no início da pandemia justamente pelas divergências com o presidente nas estratégias de enfrentamento da crise sanitária, disse que orientou Bolsonaro com base na ciência, mas foi ignorado.

O ex-ministro criticou o fato de ele ter mantido essa postura mesmo com o passar do tempo e sinalizou a responsabilidade do presidente pelas mortes já registradas no Brasil devido ao coronavírus.

“Como cidadão, eu posso sim criticar. Mesmo após eu ter saído, (o presidente continuou a) negar o uso de máscara, negar o uso de higiene das mãos, negar a compra de vacina, negar a questão da (importância da) testagem, uma série de negações, negações, negações. Hoje, 410 mil vidas me separam do presidente”, disse.

“Todas as recomendações, as fiz. Em público, nos boletins, nos conselhos de ministros, diretamente ao presidente, a todos os secretários de Saúde”, afirmou, em outro momento do depoimento.

Leia mais:  Tempo ensolarado e quente nesta quinta em São Paulo

Ainda segundo Mandetta, o Brasil poderia ter se saído “muito melhor” se seguisse a ciência.

“Cabe a mim relatar quais eram as orientações dos órgãos científicos, técnicos. Nós sabíamos das dificuldades que teríamos. Nunca fomos iludidos de achar que isso aqui seria uma solução igual da Nova Zelândia. Mas posso lhe dizer: o Brasil podia ter feito muito melhor”, respondeu a um dos senadores.

Protesto pelas 400 mil mortes da pandemia na praia de Copacabana

EPA/Antonio Lacerda
Protesto pelas 400 mil mortes da pandemia na praia de Copacabana; CPI quer identificar responsáveis por escalada de óbitos

‘Nunca houve lockdown’

Mandetta disse também que era fundamental no início da pandemia ter estimulado medidas de isolamento social, para conter o contágio do coronavírus. No entanto, lembrou o ex-ministro, Bolsonaro optou por defender o “isolamento vertical”, em que apenas idosos e pessoas com comorbidades (doenças prévias) ficariam isoladas, embora essa estratégia não tivesse respaldo científico.

Diante da resistência do presidente, Mandetta ressaltou que o Brasil não chegou a adotar medidas extremas de proibição de circulação de pessoas, os chamados lockdowns . Segundo ele, algumas ações foram adotadas tardiamente, após o sistema de saúde colapsar e faltar leitos e oxigênio.

Você viu?

“O Brasil não fez nenhum lockdown . O Brasil fez medidas (de restrição de circulação) depois do leite derramado. A gente foi sempre um passo atrás desse vírus em relação a essa questão de lockdown “, disse.

‘Assessoramento paralelo’ sobre cloroquina

O ex-ministro disse que Bolsonaro tinha um “assessoramento paralelo”, de fora do governo, que defendia o uso da cloroquina, um remédio sem eficácia comprovada contra covid-19.

Segundo Mandetta, certa vez ele foi chamado para uma reunião no Palácio do Planalto, em que foi discutido um possível decreto presidencial para alterar a bula do medicamento. No encontro, contou, estava presente o então ministro da Secretaria de Governo, Luiz Ramos, hoje chefe da Casa Civil.

Mandetta, porém, não explicou de quem sugeriu a proposta e disse que a ideia logo foi rechaçada pelo presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres Foto, e pelo próprio Ramos.

“Eu estive dentro do Palácio do Planalto quando fui informado, após uma reunião, que era para eu subir para o terceiro andar porque tinha lá uma reunião com vários ministros e médicos que iam propor esse negócio de cloroquina, que eu nunca tinha conhecido. Quer dizer, ele tinha esse assessoramento paralelo”, contou à CPI.

Leia mais:  Filha se casa em hospital para realizar desejo da mãe com câncer avançado

“Nesse dia, havia sobre a mesa, por exemplo, um papel não timbrado de um decreto presidencial para que fosse sugerido daquela reunião que se mudasse a bula da cloroquina na Anvisa, colocando na bula a indicação da cloroquina para coronavírus. E foi inclusive o próprio presidente da Anvisa, Barra Torres, que disse não”, acrescentou.

Bolsonaro e Pazuello

Reuters
Depoimento de Pazuello foi adiado para 19 de maio

‘Não havia o normal, uma campanha institucional’

Mandetta criticou também a falta de uma campanha nacional do governo para esclarecer a população sobre como se prevenir da doença. E disse que procurava fazer isso nas entrevistas coletivas que concedia diariamente — costume que lhe deu grande visibilidade, irritando Bolsonaro.

“Aquelas entrevistas (que eu concedia) só existiam porque não havia o normal quando se tem uma doença infecciosa: você ter uma campanha institucional, como foi, por exemplo, com a Aids. Havia uma campanha em que se falava como pega e orientava as pessoas a usarem preservativos”, disse Mandetta, em depoimento na CPI da Pandemia.

‘Um homem pequeno para estar onde está’, disse sobre Guedes

Segundo Mandetta, outro que ignorou seus alertas sobre a gravidade da pandemia foi o ministro da Economia, Paulo Guedes.

“O distanciamento da equipe econômica era geral. Não posso negar. Eu dialogava um pouco com o segundo escalão (do Ministério da Economia) em algumas questões. Mas entre ministros, telefonemas, recados (que deixei) para conversar com o ministro, não eram respondidos”, disse Mandetta.

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Segundo Mandetta, Paulo Guedes não se interessou em entender a gravidade da pandemia

“Um desonesto intelectualmente, uma coisa pequena, um homem pequeno para estar onde está”, falou ainda sobre Guedes.

Mandetta ressaltou que, mesmo diante da avaliação do Ministério da Saúde sobre a gravidade da pandemia, Guedes ainda projetava crescimento da economia de 2% para 2020. Na prática, o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro encolheu 4,1% no ano passado, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

“Havia uma visão muito menor da gravidade. (Guedes) Não estava compreendendo o tamanho da confusão”, reforçou.

publicidade

Nacional

‘Encho sua cara de bala’: Homem saca arma após ser cobrado por não usar máscara

Publicado


source
Homem ameaça atirar por ser cobrado de usar máscara
Reprodução

Homem ameaça atirar por ser cobrado de usar máscara

RIO – Um homem foi filmado com uma arma na mão e ameaçando atirar contra uma pessoa que tinha lhe pedido para colocar máscara, em Belo Horizonte (MG). O portador do revólver havia entrado em uma clínica médica sem o equipamento de proteção obrigatório em toda a capital mineira.

A ameaça ocorreu na manhã desta segunda-feira e foi filmada. As imagens mostram dois homens discutindo, um deles dentro do estabelecimento e outro do lado de fora.

De acordo com o jornal O Tempo, o homem que estava em frente à clínica parou no local após ouvir os gritos da pessoa armada. Na gravação, ele diz: “você está xingando a mulher porque a mulher está falando uma coisa que ela está certa”.

Em seguida, o homem armado responde: “E eu também estou certo no meu direito”. Na sequência, ele já levanta o tom de voz, grita que não quer mais discutir e xinga o interlocutor.

Leia mais:  Tempo ensolarado e quente nesta quinta em São Paulo

A pessoa que estava em frente à clínica retruca e diz para o homem armado repetir os xingamentos do lado de fora do estabelecimento. É neste momento que o agressor saca a arma da cintura e caminha para fora da clínica.

“O que você quer? Você quer?”, diz o homem, mostrando a arma. “Dá um tapa em mim para ver se eu não encho sua cara de bala”, diz o homem, aos gritos.

Você viu?

Desesperada, uma atendente que filmava a ameaça pedia para o homem armado guardar o revólver. Segundo o jornal O Tempo, o agressor havia entrado na clínica anteriormente e foi cobrado para colocar máscara.

Pouco depois ele retornou ao local com o equipamento de proteção no rosto, mas sem tapar o nariz, e xingando a atendente. Ao escutar os gritos, um outro homem parou no local para socorrer as trabalhadoras da clínica.

De acordo com o jornal O Tempo, o agressor é um policial militar reformado. A reportagem do GLOBO entrou em contato com a corporação mas não obteve retorno até a publicação.

Continue lendo

Mais Lidas da Semana