conecte-se conosco

Saúde

Anvisa alerta sobre casos raros de Guillain-Barré após vacinação

Publicado


source
Vacinas contra a Covid-19
Reprodução/FreePic

Vacinas contra a Covid-19


Casos raros de síndrome de Guillain-Barré (SGB) após a vacinação  contra Covid-19 têm sido relatados em diversos países, inclusive no Brasil, alertou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Em um comunicado divulgado nessa quarta-feira (28), a Anvisa informa que, até o momento, recebeu 27 notificações de casos suspeitos de SGB após a imunização com a vacina da AstraZeneca, além de três casos com a vacina da Janssen e outros quatro com a CoronaVac, totalizando 34 registros.

A Anvisa explica que a SGB é um distúrbio neurológico autoimune raro, no qual o sistema imunológico danifica as células nervosas. Os episódios pós-vacinação (eventos adversos) também são raros, mas já conhecidos e relacionados a outras vacinas, como a da influenza (gripe).

De acordo com a agência, a maioria das pessoas se recupera totalmente do distúrbio. “O principal risco provocado pela síndrome é quando ocorre o acometimento dos músculos respiratórios. Nesse último caso, a SGB pode levar à morte, caso não sejam adotadas as medidas adequadas”, alertou a agência.

“É importante destacar que a Anvisa mantém a recomendação pela continuidade da vacinação com todas as vacinas contra Covid-19 aprovadas pela Agência, dentro das indicações descritas em bula, uma vez que, até o momento, os benefícios das vacinas superam os riscos”, ressaltou a agência.

Leia mais:  Covid-19: Brasil acumula 132 mil mortes e 4,3 milhões de casos

Você viu?

Diante dos relatos de eventos adversos raros pós-vacinação, a agência solicitou que as empresas responsáveis pela regularização das vacinas AstraZeneca, Janssen e CoronaVac incluam nas bulas dos respectivos produtos informações sobre o possível risco de SGB.

Sinais e sintomasSegundo a Anvisa, a maior parte dos pacientes percebe inicialmente a SGB pela sensação de dormência ou queimação nas extremidades dos membros inferiores (pés e pernas) e, em seguida, superiores (mãos e braços).

Outra característica, acrescenta a agência, percebida em pelo menos 50% dos casos, é a presença de dor neuropática (provocada por lesão no sistema nervoso) lombar ou nas pernas. Fraqueza progressiva é o sinal mais perceptível, ocorrendo geralmente nesta ordem: membros inferiores, braços, tronco, cabeça e pescoço.

A Anvisa destaca que pessoas vacinadas devem procurar atendimento médico imediato se desenvolverem sinais e sintomas sugestivos de SGB, que incluem, ainda, visão dupla ou dificuldade em mover os olhos, dificuldade de engolir, falar ou mastigar. “Também devem ficar atentas a problemas de coordenação e instabilidade, dificuldade em caminhar, sensações de formigamento nas mãos e pés, fraqueza nos membros, tórax ou rosto, além de problemas com o controle da bexiga e função intestinal”, acrescentou a agência.

Leia mais:  Prefeitura do Rio adota novo calendário para aplicação de 2ª dose da CoronaVac

Notificação

A ocorrência de SGB pós-vacinação contra Covid-19 deverá ser relatada à Anvisa. “É imprescindível o cuidado na identificação do tipo de vacina suspeita de provocar o evento adverso, como número de lote e fabricante”, ressaltou a agência.Profissionais de saúde e cidadãos podem notificar eventos adversos pelo e-SUS Notifica e pelo formulário web do VigiMed.

A Anvisa lembra que se o caso for de queixa técnica ou de desvios de qualidade observados em vacinas, seringas, agulhas e outros produtos para saúde utilizados no processo de vacinação, as notificações devem ser feitas pelo Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária.

Fonte: IG SAÚDE

publicidade

Saúde

Paes diz que 64,6% dos adultos do Rio receberam 2 doses da vacina anti-Covid

Publicado


source


Eduardo Paes
Reprodução/Twitter

Eduardo Paes



Durante uma transmissão pelas redes sociais no começo da noite desta terça-feira, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, disse aos internautas que a cidade já atingiu 99,7% da população adulta (acima de 18 anos) imunizada com a primeira dose da vacina contra a Covid-19 e 64,6% com a segunda dose. Quando considerado o público acima de 12 anos, que é o alvo da vacinação no município, os índices são de 95, 7% e 59%, respectivamente, segundo Paes.

“Para desespero de uma turma que veio hoje aqui na minha frente ficar protestando contra o passaporte e contra a vacina. Pelo jeito eles estão representando 0,3% da população e, graças a Deus, mesmo dando uma malhadinha, vão ter que se vacinar”, brincou o prefeito, ao se referir a um protesto mais cedo em frente à sede da prefeitura, na Cidade Nova.

Segundo Paes, o dado sobre a população completamente imunizada cria alguns gatilhos para liberação das atividades. O decreto com as novas regras publicado na última sexta-feira (17) condiciona a reabertura de boates e danceterias, com 50% de sua capacidade, à cobertura vacinal de 65% da população adulta do Rio com o esquema completo.


“A medida que você vai tendo mais pessoas imunizadas vai permitindo mais atividades na cidade. Isso vai criando alguns gatilhos para que as pessoas menos inteligentes, com menos neurônios, que são contra o passaporte da vacina, que são contra a vacina, que pensam que a terra é plana e, enfim, que tudo é uma grande conspiração comunista entendam que o nosso objetivo é justamente permitir que a cidade volte a sua vida normal, que a atividade econômica volte e as pessoas voltem a poder ter um mínimo de convívio”. 

Leia mais:  Prefeitura do Rio adota novo calendário para aplicação de 2ª dose da CoronaVac

O prefeito confirmou também a decisão da prefeitura de manter a vacinação para os adolescentes e que, nesta quarta-feira (22) será a vez das meninas de 13 anos e na quinta-feira, os meninos de mesma idade. Também nesta semana haverá repescagem da primeira dose para os jovens de 16.

“Nós vamos continuar (a vacinar os adolescentes), aliás o ministro (do STF, Ricardo) Lewandowski tomou agora à noite a decisão de que compete aos municípios vacinar os adolescentes ou não e aqui no Rio nós vamos continuar vacinando, como já havíamos previsto”, disse.

Eduardo Paes disse que os índices de imunizados foram atingidos um mês antes do previsto inicialmente, em parte por conta da adoção do passaporte da vacina, que já está sendo exigido para frequentar locais públicos. Segundo ele, o índice de vacinados com primeira dose estava empacado em 95%, mas depois da medida subiu para perto de 100%. Ele estima que até novembro toda a população já vai estar vacinada.

Para ele, o mais importante é que o público que era mais resistentes à vacina, entendeu que a prefeitura não está ferindo direitos individuais, mas buscando uma forma de proteger as pessoas, o interesse coletivo e a saúde pública. Durante a conversa com o público, Paes esclareceu que a antecipação da segunda dose da vacina da Pfizer para pessoas acima de 50 anos atende o público que decidiu se vacinar após a adoção do chamado passaporte da vacina e, segundo ele, há 23 mil pessoas nessa situação.

Leia mais:  Brasil teve mais de 600 mil casos de hepatite em dez anos, aponta Saúde

Paes confirmou que pensa encurtar o prazo também para o público abaixo de 50 anos, mas a medida ainda está sob avaliação. Aos que estão falsificando o comprovante da vacina, alertou que já existe uma lei, aprovada pela Câmara Municipal, prevendo multa de R$ 1 mil, além de enquadramento em outros crimes.

Respondendo a outros questionamentos do público, Paes admitiu carência de pessoal na rede pública de saúde. Disse que são 6 mil prossinais a menos em relação a 2016, quando deixou a prefeitura e admitiu que a solução disse demanda tempo. O prefeito prometeu ainda que em um ano e meio pretende zerar a fila de espera na fila do Sisreg.

“Vamos gastar mais de um bilhão de reais, mas vamos zerar essa fila. Isso é um absurdo. isso já era um problema no final do meu governo, tinham 70 mil, 80 mil pessoas, e deu uma agravada, claro, também em razão da pandemia, quando segurou-se as cirugias eletivas”, disse, prometendo zerar a fila até o primeiro semestre de 2023.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Mais Lidas da Semana