conecte-se conosco

Internacional

Apesar da tensão, China e Taiwan têm relação econômica próxima

Publicado

Apesar da tensão, China e Taiwan têm relação econômica próxima
Presidência de Taiwan

Apesar da tensão, China e Taiwan têm relação econômica próxima

China deu início na quinta-feira às maiores manobras militares que já fez no Estreito de Taiwan, um corredor comercial vital, acendendo o alerta nas já debilitadas cadeias de fornecimento global. A animosidade exacerbada pela visita a Taipé da presidente da Câmara americana, Nancy Pelosi, esconde uma relação econômica entre Pequim e e a ilha que não só umbilical, mas também essencial para um planeta progressivamente mais tecnológico.

A China é a maior parceira comercial de Taipé, com as trocas bilaterais aumentando 26% no ano passado, para US$ 328,3 bilhões. Pequim também é a maior parceira do Brasil, mas a soma das importações e exportações sino-brasileiras em 2021 não chegou nem na metade das sino-taiwanesas, ficando ao redor de US$ 135,4 bilhões.

O superávit foi favorável à ilha autogovernada, mas que Pequim vê como uma província rebelde: as exportações superaram as importações em US$ 172 bilhões, segundo dados da alfândega chinesa. Parte significativa deste volume deve-se aos semicondutores, fundamentais para a produção de equipamentos de alta tecnologia, sejam celulares e geladeiras smart ou aviões de guerra.

Não foi à toa que o setor ficou imune à suspensão das importações de frutas cítricas, chá e biscoitos taiwaneses e ao veto à exportação de areia, importante para a construção civil taiwanesa. Em repúdio à viagem da deputada californiana, as medidas buscam pressionar a economia de Taipé, mas mirar os semicondutores equivaleria — ao menos por enquanto — a um tiro de Pequim no seu próprio pé.

Taiwan é responsável por cerca de 64% dos semicondutores produzidos globalmente, segundo um levantamento da empresa TrendForce. Sozinha, a empresa Taiwan Semiconductor Manufacturing (TSMC) responde por mais da metade do mercado global, fatia que chega a 92% quando se fala exclusivamente dos semicondutores mais sofisticados, de acordo com um levantamento do Boston Consulting.

Não é surpreendente que o setor corresponda a cerca de 15% do Produto Interno Bruto (PIB) da ilha, reconhecida como país soberano por apenas 14 nações, entre elas o Vaticano. Atualmente, 40% das exportações taiwanesas são semicondutores, essenciais também para os planos do governo de Xi Jinping.

Leia mais:  Itália torna ilegítimas leis que priorizavam sobrenome paterno

A China é responsável por 60% da demanda planetária do produto, mas nove de cada dez chips que precisa são importados ou feitos por empresas estrangeiras em seu território. Entre elas, a TSMC, cujo site lista uma fábrica em Xangai e outra em Nanquim, que produzem equipamentos com tecnologia mais antiga.

Nos semicondutores de ponta, a dependência que os chineses têm dos taiwaneses é quase total. E também uma preocupação antiga para Pequim e sua ambição de ultrapassar os EUA como a maior economia do planeta e assumir a dianteira isolada da corrida tecnológica na chamada Quarta Revolução Industrial.

O governo chinês investe bilhões na estatal Semiconductor Manufacturing International Corporation (Smic) para aumentar sua autonomia, parte do programa “Made in China 2025”, que começou em 2015. Os esforços têm sido bem sucedidos: no mês passado, veio à tona que a companhia provavelmente avançou sua tecnologia de produção em duas gerações.

Não está claro qual é seu volume de produção e pode levar anos até que haja viabilidade comercial, mas significa que Pequim vem tendo sucesso apesar das sanções dos EUA destinadas a contê-la. Dezenove das 20 produtoras de chips que mais cresceram no último ano estavam na China, segundo um levantamento de junho da Bloomberg.

As tensões recentes também são positivas para as contas da Smic, cujas ações subiram 3,3% nesta quinta em Hong Kong, após uma alta de 4,1% na quarta. Outra empresa, a Hua Hong, avançou 5%. É um sinal da crença do mercado de que Pequim aumentará ainda mais seus investimentos no setor.

Trata-se de uma disputa tecnológica aberta entre as duas potências, não muito diferente dos testes nucleares ou mísseis guiados de precisão durante a Guerra Fria. Isso explica porque Pelosi visitou a sede da TSMC durante sua estadia em Taipé.

Leia mais:  Grupo vindo da Polônia chega a Brasília em aviões da FAB

A empresa, que já tem uma fábrica nos EUA e constrói outra, é pressionada há anos por Washington para que cesse suas vendas para empresas chinesas como a Huawei. É contra esta mesma gigante das telecomunicações que os americanos travam uma cruzada planetária no que diz respeito à instalação de infraestrutura para redes 5G.

Há uma semana, os americanos aprovaram também um projeto de lei para injetar US$ 280 bilhões em pesquisa, desenvolvimento e produção de semicondutores no país. Há, contudo, uma condição: as empresas beneficiadas devem se comprometer a não aumentar sua produção de chips altamente tecnológicos na China.

A produção de semicondutores taiwaneses é escoada justamente pelo Estreito de Taiwan, uma das rotas comerciais mais movimentadas do planeta. Por lá, passaram quase metade dos navios porta-contêineres do planeta nos sete primeiros meses do ano, de acordo com um levantamento da Bloomberg. É uma região importante para o comércio de equipamentos eletrônicos e gás natural — a commodity mais em voga no planeta desde que a invasão russa na Ucrânia eclodiu em 24 de fevereiro.

Os temores de que as manobras militares chinesas privassem Taiwan do seu espaço aéreo e marítimo não foram confirmados, segundo monitoramentos por satélite, mas demonstram que Pequim tem a capacidade de fazê-lo no futuro. Afetariam drasticamente também os fluxos comerciais japoneses e sul-coreanos, disse à agência AFP Nick Marro, analista da Economist Intelligence Unit.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.


Fonte: IG Mundo

publicidade

Internacional

Casa de Trump: juiz pede que Justiça divulgue argumentos para operação

Publicado

Departamento de Justiça dos EUA se opõe à divulgação dos argumentos usados na operação
Reprodução/Twitter

Departamento de Justiça dos EUA se opõe à divulgação dos argumentos usados na operação

Um juiz federal determinou que o Departamento de Justiça dos EUA entregue uma versão editada dos argumentos usados para pedir a operação de busca e apreensão na casa do  ex-presidente Donald Trump na Flórida, no começo do mês.

O departamento se opõe à divulgação dos termos, alegando que isso vai atrapalhar um inquérito em curso — por outro lado, um grupo de empresas de comunicação defende a revelação, por considerar que é de “interesse público”. Trump, ao menos em público, diz não se opor.

Segundo o juiz Bruce Reinhart, que conduz o processo, há ao menos alguns trechos do documento que podem ser revelados — ele disse não estar convencido de que todo o teor precisa ser mantido em sigilo, e que não cabe a ele decidir se o conteúdo liberado fará alguma diferença para o público. Essa edição, afirmou Reinhart, deve ser realizada pelo próprio Departamento de Justiça e entregue a ele até a próxima quinta-feira. Não há uma data para a eventual liberação do documento.

Antes da audiência, o departamento afirmava que a divulgação dos argumentos que motivaram a busca “vai esfriar cooperações futuras com testemunhas, cuja ajuda pode ser requisitada ao longo da investigação”.

“O fato de que esse inquérito inclui materiais altamente sigilosos reforça a necessidade de proteger a integridade da investigação e exacerba os potenciais danos se essas informações forem divulgadas de forma prematura ou imprópria”, escreveu o Departamento de Justiça, em argumentação prévia.

Por outro lado, empresas de comunicação, como o New York Times, a CNN e a Associated Press, que integram a ação que pede a divulgação, afirmam que o público dos EUA tem um “claro e poderoso interesse” em compreender o inquérito.

“O acesso do público a estes documentos promoverá a compreensão desta historicamente significante e sem precedentes execução de uma operação de busca na residência de um ex-presidente”, diz o texto da ação.

Leia mais:  União Europeia condena execuções e cobra fim da violência em Myanmar

Jay Bratt, representante do departamento na audiência desta quinta-feira, disse que se o juiz decidir a favor das empresas de comunicação, estará fornecendo um “mapa” das investigações. Segundo ele, o documento que motivou a busca detalha como os procuradores poderiam achar provas relacionadas ao crime de obstrução em Mar-a-Lago.

Já a posição de Donald Trump é menos clara: em uma publicação em sua rede social, o Truth, ele disse que não se opunha à divulgação de documentos das investigações, mas seus advogados não participam como uma das partes na ação analisada nesta quinta-feira. Em um pedido à parte, o grupo conservador Judicial Watch declarou que o sigilo apenas vai “provocar mais especulação, incertezas, vazamentos e intrigas políticas”.

“As tensões precisam ser substituídas por soluções, e rápido”, disse o grupo na ação própria. “O segredo em torno do mandado de busca, e a argumentação que levou à sua emissão, provocaram convulsões nesta nação, com intrigas e especulações danosas que apenas aumentarão conforme a verdade for mantida longe do público”.

Documentos sigilosos Desde a operação de busca e apreensão do FBI na mansão de Trump na Flórida, o Departamento de Justiça tenta evitar a divulgação de detalhes sobre os objetivos dos agentes em Mar-a-Lago e, especialmente, sobre que foi apreendido.

Naquele dia 8 de agosto foram recolhidos 11 conjuntos de documentos sigilosos, armazenados em cerca de 20 caixas, que teoricamente não deveriam estar na residência privada de um ex-presidente. Segundo o jornal Washington Post, alguns desses documentos estariam relacionados a questões de segurança nuclear dos EUA, mas não se sabe se eles estavam entre os itens incluídos na investigação.

Na sexta-feira passada, foi divulgado o mandado de busca: ali, foi revelado que o ex-presidente está sendo investigado por três possíveis violações das leis dos EUA. A primeira suspeita recai sobre a Lei de Espionagem, que considera ilegal reter, sem autorização, informações de segurança nacional que podem prejudicar os Estados Unidos ou auxiliar um adversário estrangeiro. A segunda violação é relacionada a um estatuto associado à remoção ilegal de materiais do governo.

A terceira diz respeito a uma lei que torna crime a destruição ou ocultação de um documento para obstruir uma investigação do governo — este, segundo especialistas, seria o ponto que poderia complicar mais a vida de Trump diante da Justiça, uma vez que depende de um número menor de evidências.

Uma batida policial na casa de um ex-presidente americano não é algo corriqueiro, e a aprovação veio do próprio secretário de Justiça dos EUA, Merrick Garland — diferentemente do Brasil, o ocupante do cargo tem poderes para ordenar investigações, acumulando função similar à de um procurador-geral.

Desde a busca, aliados do ex-presidente elevaram o tom das críticas ao FBI e ao juiz Reinhart, afirmando, sem provas, que as ações têm motivações políticas, com o objetivo de atingir o Partido Republicano antes das eleições legislativas de novembro e de acabar com o projeto de Trump de concorrer à Casa Branca em 2024. Entre as muitas teorias da conspiração, a de que os agentes do FBI plantaram provas contra Trump durante a ação, uma acusação sem qualquer evidência.

* Com informações de agências internacionais

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

Mais Lidas da Semana