conecte-se conosco

Agro News

Aprosoja alerta o produtor rural para evitar incêndio na colheita do milho

Publicado


Sustentabilidade

Aprosoja alerta o produtor rural para evitar incêndio na colheita do milho

A prevenção e algumas táticas são necessárias para não prejudicar a safra neste período de seca

10/06/2021

Altas temperaturas, baixa umidade relativa do ar e a falta de chuvas contribuem para grandes ocorrências de incêndios florestais. Por isso, cuidados devem ser intensificados durante este período, principalmente com a aproximação da colheita do milho. A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), em parceria com o Corpo de Bombeiros de Mato Grosso (CBMMT), orienta o produtor rural na prevenção e alerta para algumas táticas que podem ajudar a salvar a safra neste período de seca que se aproxima.

Para tentar reduzir os riscos de incêndio durante a colheita do milho a Aprosoja disponibiliza cartilha de prevenção e combate a incêndio. A ação conta com a parceria do Corpo de Bombeiros e visa evitar os incêndios em áreas rurais. Algumas dicas de prevenção são necessárias para evitar danos causados pelo fogo.

Está colhendo? Tenha por perto: máquinas disponíveis para a confecção de aceiros emergenciais; caminhão-pipa; materiais para primeiros socorros; instrumentos para orientação (bússola, GPS); equipamentos para iluminação, se for o caso; material para combate (abafador, mochila costal e material de sapa); equipamentos de comunicação; instrumento que determine a direção e a velocidade do vento; máquina fotográfica; disponibilidade de água para hidratação do pessoal em combate.

Leia mais:  Aprosoja doa brinquedos em Centro de Reabilitação

Para uma colheita segura, a Aprosoja faz algumas recomendações, principalmente no que diz respeito aos Equipamentos de Proteção Individual (EPI). A equipe de colaboradores que iniciará a colheita, deve estar devidamente equipado (EPIs), colher primeiramente as bordaduras, manter reservatórios de água ou caminhão-pipa próximo da máquina colhedora,  verificar pontos abundantes de captação de água para abastecimento do caminhão-pipa (rios, represas, lagoas etc.), ter um plano de comunicação (celular, rádio etc.), além de informar os proprietários de fazendas vizinhas sobre o período que será realizada cada colheita (início e término) para que fiquem alerta.

Ainda de acordo com as orientações da cartilha, para se ter resultado de uma colheita segura é necessário estabelecer procedimentos e condutas, tais como: evitar acidentes ao colaborador e às pessoas no local, prevenir incêndio florestal, preservando a vida, o meio ambiente e o patrimônio.

Para o 2º vice-presidente Sul da Aprosoja-MT, Fernando Ferri, é muito importante as ações preventivas para evitar acidentes com fogo durante o período de colheita do milho. “O produtor deve estar atento e com uma equipe e máquinas preparadas. É uma grande preocupação que não haja incêndios involuntários e posteriormente venham multas e outros prejuízos. Por isso, a entidade todos os anos realiza campanhas de prevenção”, pontuou Ferri.

Leia mais:  Confaz renova Convênio 100 por mais quatro anos

Acesse aqui a cartilha completa de prevenção e combate a incêndio da Aprosoja.

Fonte: Rosangela Milles

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA

publicidade

Agro News

Primavera do Leste tem nascentes em ótimo estado de conservação

Publicado


Sustentabilidade

Primavera do Leste tem nascentes em ótimo estado de conservação

Localizadas em propriedades rurais as fontes estão 97% preservadas

12/06/2021

Levantamento realizado pelo projeto Guardião das Águas, de iniciativa da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), identificou que produtores rurais de Primavera do Leste, região Sudeste do Estado preservam 97% das nascentes. O estudo apontou que, das 259 fontes encontradas em áreas agricultáveis, 250 estão em ótimo estado de conservação. O município possui 194.329 mil hectares de plantio de milho e 285.507 mil ha de cultivo de soja.

O estudo aponta também, que produtores rurais de Paranatinga, Chapada dos Guimarães, Campo Verde, Rondonópolis, Cuiabá e Itiquira também preservam o patrimônio natural. Nesses municípios os resultados mostram um percentual de conservação das fontes entre 95 e 99%. O Guardião das Águas é desenvolvido há três anos e já mapeou 63.859 nascentes em 34 municípios do Estado.

O mapeamento tem como objetivo avaliar e diagnosticar as nascentes dos municípios produtores de soja e milho, de acordo com o grau de conservação, além de apoiar a regularização ambiental e fomentar estratégias internacionais.

Leia mais:  Aprosoja doa brinquedos em Centro de Reabilitação

Gerente de Sustentabilidade e responsável pelo projeto, Marlene Lima, explica que “o Guardião das Águas é uma ação contínua que serve para instruir o produtor associado sobre os trabalhos de restauro florestal que precisam ser realizados nas fazendas”.

Em Primavera do Leste, na fazenda do produtor rural Rafael Zanin, as nascentes estão intactas. “Nossa área é de cerca de 5 mil hectares, aqui cultivamos soja, milho e pecuária. Fazemos aceiro, áreas de dreno, não derrubamos árvores, nem o gado bebe água das nascentes, pois temos poço artesiano e local apropriado para eles. Separamos o lixo e reciclamos, tudo com muita responsabilidade, já que em nossa propriedade temos três dos principais biomas: Amazônia, Cerrado e Pantanal”.

Morador de Paranatinga há uma década, o produtor rural Abel Dognani, se orgulha ao falar do município e suas potencialidades. A fazenda de 2.500 hectares possui diversas nascentes preservadas, bem como reserva legal intacta. “Plantamos soja e milho, mas temos a consciência da preservação do meio ambiente. Reflorestamos cerca de 20 a 30 metros em torno das nascentes e com isso os açudes (represas de água) estão cheios, o que atende toda a demanda da fazenda”, enfatizou Abel.

Leia mais:  Mapa está atento à situação de produtores atingidos por ciclone no Sul do país, diz ministra

O projeto Guardião das Águas tem responsabilidade com o meio ambiente.“A sustentabilidade no agronegócio envolve práticas ambientais nas atividades agrícolas, bem como adoção de novas tecnologias e aplicação de métodos sustentáveis na rotina do campo. Prova disso é a preservação das nascentes em propriedades rurais, em média 95% delas em ótimo estado de conservação”, declarou presidente da Aprosoja, Fernando Cadore.

Fonte: Rosangela Milles

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA

Continue lendo

Mais Lidas da Semana