conecte-se conosco

Economia

BC vê retomada ‘robusta’ no segundo semestre com vacinação em massa

Publicado


source
Banco Central divulgou ata do Copom nesta terça-feira (23), apontando possibilidade de retomada no segundo semestre
Raphael Ribeiro/BCB – 26.4.2019

Banco Central divulgou ata do Copom nesta terça-feira (23), apontando possibilidade de retomada no segundo semestre

O Banco Central (BC) avalia que ainda há muita incerteza sobre o ritmo de evolução da atividade econômica do primeiro semestre do ano, mas que há a possibilidade de uma ” retomada robusta ” na segunda metade de 2021 com a ampliação da vacinação no país.

A informação consta na ata da reunião do Comitê de Política Monetária ( Copom ), que elevou a taxa básica de juros de 2% para 2,75% ao ano e foi divulgada nesta terça-feira (23).

De acordo com o BC , a retomada econômica vinha “surpreendendo positivamente”, mas ainda não existem dados concretos sobre o impacto do recente aumento de casos e mortes por Covid-19 na economia, o que trouxe muita incerteza para o primeiro semestre do ano.

“O Comitê avaliou que uma possível reversão econômica devido ao agravamento da pandemia seria bem menos profunda do que a observada no ano passado, e provavelmente seria seguida por outra recuperação rápida. Para o Comitê, o segundo semestre do ano pode mostrar uma retomada robusta da atividade, na medida em que os efeitos da vacinação sejam sentidos de forma mais abrangente”, diz a ata.

Leia mais:  Veja os calendários dos novos pagamentos do auxílio emergencial

Você viu?

Inflação

A ata do Copom também apresentou mais detalhes sobre a decisão de subir juros e a preocupação com a alta da inflação . O documento mostra que o BC se atentou ao aumento das projeções de inflação, que chegaram a bater em 4,6% na semana do Copom, acima da meta de 3,75% para este ano.

“O Comitê ponderou que, apesar da recente aprovação de reformas importantes, que trarão benefícios no médio prazo, os riscos fiscais de curto prazo seguem elevados devido ao agravamento da pandemia, implicando um viés de alta nessas projeções. Essa assimetria no balanço de riscos afeta o grau apropriado de estímulo monetário, justificando a trajetória com elevação inicial dos juros superior à suposta no cenário básico”, mostra trecho da ata.

Apesar de continuar avaliando que a alta da inflação é temporária, o BC também levou em conta as recentes divulgações do IPCA, que chegou a 5,20% no acumulado de 12 meses em fevereiro.

“Finalmente, acerca da dinâmica recente da inflação, o Comitê apontou que, apesar do diagnóstico de que os choques atuais são temporários, o modelo de metas prevalente no país considera a inflação cheia no ano-calendário. Todos esses fatores contribuíram para uma postura mais assertiva na condução da política monetária”, diz a ata.

publicidade

Economia

Brasil é o 2º país com maior mal-estar socioeconômico, aponta estudo

Publicado


source
Brasil é o 2º país com pior mal-estar econômico, segundo levantamento de pesquisador do Ibre-FGV
Divulgação

Brasil é o 2º país com pior mal-estar econômico, segundo levantamento de pesquisador do Ibre-FGV

Entre os 38 países-membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) , em que o Brasil é uma nação convidada, o país ocupa a 2ª posição no índice de mal-estar socioeconômico. Isto porque o desemprego recorde e a inflação alta impulsionaram esta colocação. O levantamneto foi feito pelo professor Daniel Duque , do Ibre-FGV (Instituto Brasileiro de Ecomia da Fundação Getúlio Vargas) , e foi publicado pelo O Globo

Segundo o estudo do pesquisador, no primeiro trimestre de 2021, a taxa de desconforto no Brasil chegou a 19,83%, ficando atrás da Turquia apenas, que registrou 26,27% no fim do quatro trimestre de 2020. Outros países vêm em seguida, como Espanha (16,09%), Colômbia (15,63%), Grécia (14,08%) e Chile (13,42%).

Este índice de mal-estar socioeconômico leva em conta duas situações: o mercado de trabalho e o nível de preços. O Brasil registrou uma taxa de desemprego de 14,7%, o que corresponde a 14,8 milhões de pessoas sem trabalho no último trimestre deste ano. Por outro lado, o Produto Interno Bruto (PIB) do país apresentou uma melhora, ficando em 1,2%.

“A economia está em situação aparente de melhora, mas a população está em mal-estar. A recuperação tem sido puxada por agropecuária e indústria, que empregam menos”, disse Duque ao jornal. 

Continue lendo

Mais Lidas da Semana