conecte-se conosco

Prefeitura Várzea Grande MT

Casa de Artes é ponto de referência e de apoio para artesãos de Várzea Grande

Publicado


Um ponto de referência e de apoio para o artesão várzea-grandense divulgar e comercializar seu produto. Esse é o principal objetivo da Casa de Artes de Várzea Grande, que funciona na Avenida Couto Magalhães, no centro da cidade. Atualmente, 182 artesãos estão cadastrados para divulgar e comercializar seus artesanatos no local.

A Casa de Artes também é um ponto para divulgação e preservação da memória e cultura várzea-grandense.  No local, está exposta uma infinidade de produtos artesanais, entre eles artigos em crochê, bordados, barro, cerâmicas, parafina, artigos religiosos, pintura em tela e em madeira, peças em tear, como redes, xales, caminhos de mesa, jogo americano, capas de almofadas, entre outros. No local, também são produzidas e comercializadas as tradicionais redes várzea-grandenses, confeccionadas manualmente em tear. O modo de fazer a rede pode ser observado nas mãos das irmãs redeiras Giva e Juirce, que confeccionam as peças no local.

Além das redeiras, a Casa de Artes conta também com três costureiras, que confeccionam cortinas, panos de prato, toalhas de mesa e banho, jogos americanos, entre outros, para serem comercializados ali mesmo.

Leia mais:  Relatório aponta evolução na qualidade do ensino da Rede Pública Municipal de Várzea Grande na Gestão atual.

O espaço conta ainda com um museu que abriga peças históricas, como a mesa e as cadeiras que foram usadas na primeira reunião da Câmara de Vereadores de Várzea Grande. Tem também fotografias e recortes de jornais com várias personalidades políticas e momentos importantes da cidade. Abriga ainda réplicas das igrejas Nossa Senhora da Guia e Passagem da Conceição.

A Casa de Artes também oferece cursos de violão, pintura em tela e tecido. Por conta da pandemia, o número de cursos foi reduzido. Para quem se interessar em fazer um dos cursos é só procurar a Casa de Artes.

A gerente da Casa de Artes, Neyva Ribeiro de Oliveira Souza, explica que o espaço de cultura está aberto para visitação e comercialização dos produtos. “Estamos de portas abertas para receber toda a sociedade, principalmente os artesãos. Existem muitos artesãos talentosos que dependem desse apoio para divulgar seus trabalhos”.

Neyva Ribeiro destaca ainda que o artesanato exposto na Casa de Artes já foi comercializado e levado para vários estados do Brasil e até mesmo fora do país. “Aqui tem muitas opções para presentear. Muitos turistas se encantam com o nosso artesanato e compram para presentear amigos e parentes”, informa.

Leia mais:  Várzea Grande vai vacinar todos os dias e contesta números de doses recebidas

O superintendente de Cultura, Joilson Marcos da Silva, ressalta que a cultura e as tradições várzea-grandenses se mantêm vivas na Casa de Artes. “Nós fazemos uma importante parceria com os artesãos e, com apoio total do prefeito Kalil Baracat e o secretário Silvio Fidelis, estamos propagando a nossa cultura, que é muito rica e precisa ser preservada”.

O atendimento na casa de artes da Avenida Couto Magalhães é de segunda à sexta-feira, das 8h às 18h. Além do espaço na Avenida Couto Magalhães, a Casa de Artes tem também mais dois pontos fixos, um no Várzea Grande Shopping e outro na Prefeitura Municipal.

Patrimônio Cultural

O modo de fazer a rede é registrado como Patrimônio Cultural de Mato Grosso pela Lei 9.936/2013 e a profissão de Redeira é registrada como patrimônio cultural e imaterial de Várzea Grande pela Lei 4.391/2018. Também é reconhecida como artesanato de tradição cultural pelo Centro Nacional do Folclore e Cultura Popular do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

publicidade

Prefeitura Várzea Grande MT

Marido, que espera mulher na porta do hospital, recebe primeira dose da vacina contra Covid-19

Publicado


Desde o dia 11 de julho, Jarcedi Han coloca duas cadeiras em frente ao Hospital Metropolitano de  Várzea Grande. Ali, pela manhã e ao fim de tarde, toma chimarrão e aguarda a esposa Cristiane Fagundes, internada em decorrência da Covid-19. O gesto de amor, cumplicidade e esperança comoveu a comunidade e ganhou repercussão na mídia e nas redes sociais.

O casal é de Sapezal e após a intubação de Cristiane no município, no dia 11 de julho, após três dias hospitalizada, ela foi transferida de UTI móvel para a unidade de saúde em Várzea Grande. O Hospital Metropolitano é referência para o tratamento da Covid-19 desde o começo da pandemia. Hoje, são 109 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pactuados com o estado.

A espera tem sido longa e cheia de angústia. Neste tempo, Cristiane chegou a ser extubada, no entanto foi intubada novamente e receberá a traqueostomia.  “Neste tempo em que fizeram a extubação dela, Cristiane conversou, sorriu, chorou”, contou ele.

A partir do diálogo entre as prefeituras de Várzea Grande, de Sapezal e Governo do Estado, Jarcedi, 52 anos, recebeu ontem a primeira dose da vacina contra o novo coronavírus, afinal sua faixa etária está contemplada no Plano Nacional de Imunização (PNI) praticada nos dois municípios. “Estou muito emocionado, a vacina significa gotas de esperança e a Cristiane, 42 anos, não teve tempo de tomar”, disse Jarcedi, com lágrimas nos olhos, após receber a primeira dose da Coronavac, no ponto fixo das Clínicas Médicas do Univag.

Após a primeira etapa da imunização, Jarcedi retornou às suas cadeiras, colocadas diante do hospital, em que ele esteve na inauguração, em 2011, quando à época era o secretário de saúde de Sapezal. Anos antes, o contador também exerceu a função de secretário de Administração por 12 anos em Campos de Júlio. “A saúde pública tem sido impecável no atendimento da população, já estive aqui em uma situação festiva e agora retorno vivendo esse pesadelo, mas não perco minha fé e tenho a certeza de que ela está sendo cuidada da melhor maneira possível. A equipe do hospital também me acolhe com muito respeito e carinho, já vieram assistente social, psicólogo, médicos, enfermeiros, todos muitos solidários diante da minha dor e da dor de outras famílias. Aqui em Várzea Grande, minha família são vocês”, disse ele.

Leia mais:  Novas parcerias podem beneficiar alunos inclusos do Centro Municipal João Ribeiro

Jarcedi e Cristiane se conheceram no Paraná, na cidade Ampere, e há 24 anos moram em Mato Grosso. Casaram no sul do país e decidiram começar a vida em família no interior do estado que prospera diariamente. Administradora, Cristiane não tem comorbidades e a doença avançou com muita rapidez em seu organismo. O casal possui três filhos, de 24, 19 e 17 anos, e uma netinha, de 3 anos.  “Estamos unidos pelo amor e pela fé, ficarei aqui até ela ganhar alta e, então, irmos juntos para casa”, comentou.

Ao acompanhar a vacinação do senhor Jarcedi, a Gerente da Vigilância Epidemiológica de Várzea Grande, Relva Cristina de Moura, se emocionou e destacou dois sentimentos importantes nesta época de pandemia. “Vivemos uma pandemia que tem causado dores em muitas famílias, precisamos ter mais amor e mais esperança. Mais amor no cuidado conosco e com o próximo e esperança na vacina, como bem disse o senhor Jarcedi, são gotas de esperança”, pontuou ela. Opinião compartilhada pelo secretário de saúde do município, Gonçalo de Barros. “Estamos nos dedicando ao máximo para oferecer tratamento digno de saúde e efetividade na campanha de vacinação. Jarcedi está com 52 anos, apto por sua faixa etária a receber a vacina, ficando mais protegido para aguardar sua esposa com mais segurança na porta do hospital, um gesto que reafirma que as relações familiares são alicerces do ser humano”, acrescentou.

Leia mais:  Várzea Grande recebe 10 novos ônibus já adaptados para atender o sistema BRT

O secretário também comentou que atualmente Várzea Grande está vacinando o público 25 anos acima e realizando Corujinha e Corujão, bem como o Resgate Cidadão no sentido de não deixar ninguém sem vacina de acordo com a faixa etária contemplada.  

Por sua vez, o prefeito Kalil Baracat e a primeira-dama Kika Dorilêo Baracat também se comoveram com a história de cumplicidade de Jarcedi e Cristiane, que passaram a receber muito carinho e orações da comunidade. “São milhares de famílias vivendo dias de incertezas e nós, como gestão pública, temos o dever de oferecer o que há de melhor para todos tenham atendimento de saúde pública e gratuita. Além disso, oferecer uma rede de acolhimento para as famílias, pois quando um familiar adoece, todos ficam sensibilizados. A covid-19 traz uma situação ainda mais difícil, a necessidade de isolamento, e neste sentido, temos de criar ferramentas para que o cidadão não se sinta desamparado, ao contrário, ele tem uma rede de apoio”, finalizou Kalil, acrescentando que ele e a primeira-dama estão unidos em oração pela recuperação de Cristiane e de todos as vítimas no novo coronavírus.

Continue lendo

Mais Lidas da Semana