conecte-se conosco

Nacional

Caso Henry: Como versão de Jairinho e Monique foi desmantelada pela perícia?

Publicado


source
Caso Henry: Como versão de Jairinho e Monique foi desmantelada pela perícia?
Reprodução

Caso Henry: Como versão de Jairinho e Monique foi desmantelada pela perícia?

Peritos do Instituto Médico-Legal (IML) e o Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) utilizaram um estudo da Angela Thompson, doutora em engenharia e professora da Universidade de Louisville-EUA, sobre quedas domiciliares de curta distância – frequente em crianças pequenas – para desmembrar a versão oficial dada por  Jairinho e Monique – padrasto e mãe de Henry – sobre a sua morte. Segundo a autora, o intuito do estudo é explorar “uma história falsa fornecida por cuidadores para ocultar traumas abusivos”.

O estudo demonstra que em nenhum dos 79 casos analisados, entre crianças de 0 a 4 anos, a queda em curta distância ocasionou em ferimentos graves ou risco de vida. A análise foi fundamental para que a versão apresentada pos Jairinho e Monique fosse desmantelada e a dupla indiciada por homicídio duplamente qualificado.

Outro estudo que embasou a investigação dos profissionais envolvidos foi da pediatra e professora chefe Antoinette Laskey, que compõe a divisão do Centro para Famílias Seguras e Saudáveis da Universidade de Utah-EUA. Nele, fotografias e ilustrações atesta que o trauma abdominal é a segunda causa de morte mais comum em casos de abuso infantil. Perde apenas para o trauma cranioencefálico abusivo. No estudo, foi revelado que 45% a 50% das crianças que apresentaram trauma abdominal contudo, durante a década de 80, morreram.

Leia mais:  Fábio Assunção, Andrea Beltrão e outros de atores pedem ao STF suspeição de Moro

“As quedas são frequentemente um mecanismo de lesão relatado, mas quedas domésticas curtas é uma causa improvável de trauma abdominal significativo”, atesta o documento de estudo.

Você viu?

No total, foram mais de 300 estudos de quedas de crianças de uma distancia de 4,5 metros ou mais. Apenas 0,9% resultaram em lesões intestinais ou renais. Lesões hepáticas e esplênicas foram identificadas em 1,2% e 2,4%, respectivamente.

Peritos envolvidos na investigação do caso Henry demonstraram que “a quantidade de lesões externas não pode ser proveniente de uma queda livre, visto que todas as lesões citadas anteriormente apresentavam características condizentes com aquelas produzidas mediante ação violenta (homicídio)”.


Allan Turnowski, secretário de Polícia Civil do Rio de Janeiro, argumentou que as provas técnicas foram essenciais para que o inquérito fosse concluído. Nele, há a conclusão de que houve tortura por parte dos responsáveis e a impossibilidade de defesa por parte de Henry.

Leia mais:  Cliente reclama com lanchonete por ser atendida por homem negro; dono rebate

publicidade

Nacional

Família de novo ministro teria tentado expulsar indígenas de terra em SP

Publicado


source
O novo ministro do Meio Ambiente e o presidente Jair Bolsonaro
Reprodução

O novo ministro do Meio Ambiente e o presidente Jair Bolsonaro

O novo ministro do Meio Ambiente, Joaquim Álvaro Pereira Leite , integra uma tradicional família de fazendeiros de café que disputa uma porção da Terra Indígena Jaraguá, em São Paulo. As informações são da BBC Brasil.

Um documento da Funai (Fundação Nacional do Índio) diz que capatazes da família do ministro chegaram a destruir a casa de uma família indígena ao tentar expulsá-la do território.

A terra tem 532 hectares e fica nos municípios de São Paulo e Osasco. Nela moram indígenas dos povos Guarani Mbya e Ñandeva, segundo a Comissão Pró-Índio de São Paulo.

Segundo relatório de identificação da terra indígena, o pai do novo ministro, Joaquim Álvaro Pereira Leite Neto, teria, em 1986 exigido a Funai “retirasse os marcos físicos do processo demarcatório da área indígena Jaraguá, alegando ser o proprietário da área, acusando agressivamente a Funai de estar praticando um crime”.

Você viu?

“Tal agressividade, no entanto, extrapolou para além das missivas, e passaram então esses cidadãos a fazer ameaças aos índios, a intimidá-los com capatazes, e mesmo destruindo uma de suas casas”, segue o relatório.

Como a Funai não paralisou a demarcação, os indígenas teriam passado a sofrer ameaças da família.

No entanto, o Ministério Público Federal teria acionado a Polícia Federal, que interveio e evitou a expulsão.

Continue lendo

Mais Lidas da Semana