conecte-se conosco

Política Nacional

CCJ da Câmara discute admissibilidade da reforma administrativa

Publicado


A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados promoveu nesta quinta-feira (29) uma audiência pública para debater a admissibilidade da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 32/2020) da reforma administrativa enviada em setembro de 2020 ao Congresso Nacional. Especialistas e líderes partidários disseram na audiência que, no formato em que se encontra, o texto terá efeito oposto ao pretendido, no que se refere a dar fim a privilégios no serviço público.

A audiência teve, entre seus debatedores, o presidente da Associação Nacional dos Advogados Públicos Federais (Anafe), Lademir Gomes da Rocha. “Essa proposta de reforma administrativa apresenta problemas que fazem com que não sirva às propostas às quais diz pretender realizar. Da forma como foi estabelecida, aponta como soluções elementos que agravam problemas que já verificamos na administração pública”, disse Rocha ao iniciar sua fala.

Segundo ele, é importante que qualquer reforma preserve garantias fundamentais à adequada proteção do interesse público. “Não é isso o que a proposta iniciada pela PEC 32 apresenta. Além do mais, faltam, a ela, dados, estudos e projeções que justifiquem as mudanças propostas”, acrescentou ao apontar quatro aspectos da proposta que, segundo ele, “são especialmente graves”: a ausência de critérios para a definição das carreiras típicas de Estado; o ingresso [no serviço público] mediante vinculo de experiência; a criação de cargos de liderança e de assessoramento; e a fragilização da estabilidade dos atuais servidores.

Com relação à ausência de critérios de definição das carreiras típicas de Estado, o presidente da Anafe argumenta que o ideal seria que houvesse ou uma “enumeração ainda que não exaustiva” dos cargos ou uma definição de critérios materiais para definição posterior.

“O ingresso mediante vínculo de experiência nos causa profunda preocupação, na medida em que ou não se está experimentando esse candidato – e, portanto, ele ainda não vai exercer as funções próprias do cargo ao qual ainda é candidato – ou estaremos em uma situação na qual conferiremos a uma pessoa ainda não protegida institucionalmente, funções de representação do Estado brasileiro”, disse.

Na avaliação dele, este fato pode acarretar diversos problemas, como o acesso, por parte de concursandos, a dados estratégicos e sigilosos. “Um advogado público que teve acesso às informações confidenciais, e que não venha a ser selecionado ao fim, será certamente alvo de tentativas de cooptação. Ou mesmo um policial envolvido em atividades de investigação poderá ser posteriormente cooptado pelo crime organizado”.

Leia mais:  Lira pede ajuda da China para acelerar combate à covid-19 no Brasil

Na crítica à criação de cargos de liderança e assessoramento, o presidente da Anafe argumentou que, no caso de exercício de atividades estratégicas gerenciais e técnicas, há riscos que vão além da amplitude e imprecisão semântica de termos usados na proposta.

“Os riscos abrangem também questões relativas à flexibilização das balizas atuais, concebidas para barrar o clientelismo e, o que é mais importante, a captura do Estado. No que se refere às funções estratégicas, o clientelismo pode ser definido como uma forma de captura. O que teremos é o agravamento dos problemas de seleção adversa e de risco moral, com risco de uso de informações privilegiadas, tráfico de influência e crimes contra a administração pública”.

Com relação ao quarto aspecto considerado “essencialmente grave” (a fragilização da estabilidade dos atuais servidores), o presidente da Anafe destacou que chama a atenção o enfraquecimento da garantia de estabilidade dos atuais servidores por meio da demissão por decisões ainda não transitadas e julgadas ou mediante avaliação periódica de desempenho “cujas balizas passarão a ser estabelecidas por lei ordinária, modificadas, portanto, por simples medida provisória”.

“O que assistiremos será o enfraquecimento do interesse público confiado aos servidores públicos. Até porque garantia da estabilidade não significa impunidade. Prova disso é que, em 2020, houve mais de 500 demissões de servidores”, completou.

Ex-secretário especial da Secretaria de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel, críticou o “modelo atual” da administração pública.

“O modelo atual fragiliza a democracia e a cidadania. O excesso de privilégio faz a população não confiar nas instituições públicas, a ponto de ridicularizá-las, muitas vezes. O modelo atual não é alinhado às melhores práticas internacionais e está 20 ou 30 anos atrasado. O modelo atual precarizou a capacidade do Estado brasileiro em fazer investimentos. Se continuar como está, o investimento publico será zero. Imagine uma sociedade em que o Estado não consegue construir escolas, hospitais e delegacias, nem comprar medicamentos”, argumentou.

“O modelo atual inviabiliza um terço dos municípios brasileiros, que não conseguem arcar com os custos da máquina administrativa. O modelo atual contribui para a concentração de renda e para a desigualdade social, uma vez que a média salarial dos servidores está deslocada da média salarial do país. O modelo atual dificulta a modernização e o uso eficiente dos recursos públicos, com o governo federal gastando mais de R$ 8 bilhões por ano com cargos e carreiras que já foram extintas. E o modelo atual prejudica a imagem e principalmente o trabalho de servidores excelentes”, acrescentou.

Leia mais:  Doria cobra do governo agilidade na vacinação: "Cadê o senso de urgência?"

Parlamentares

Para o deputado Rui Falcão (PT-SP), Paulo Uebel não expôs, em sua fala, “nenhum dos fundamentos da reforma”. Segundo ele, os privilégios precisam ser removidos sim, mas a partir da votação da lei do extra teto, que são, de fato, os supersalários pagos a uma minoria do serviço público.

“Sim, o modelo atual é concentrador de renda, mas isso em nada se deve ao serviço público”, disse o deputado. A deputada Fernanda Melchionna (PSOL-RS) disse que a fala de Uebel aumenta ainda mais sua convicção contra a reforma administrativa.

“Toda vez que apoiadores a defendem usam discursos abstratos e mentiras, no sentido de que acabaria com privilégios, quando na verdade ela amplia privilégios com os cargos de liderança e assessoramento que geram mais cabides de emprego no serviço público”, disse ao criticar a tentativa de desmontar a estabilidade de servidores, favorecendo atividades subsidiárias que podem ter contratos temporários com empresas privadas. “Teremos fábricas e empresas contratantes de professores”, exemplificou.

“Para se ter uma ideia, 60% dos servidores públicos têm média salarial menor que três mínimos. E 73% dos servidores públicos municipais têm média salarial menor do que quatro mínimos. São esses os que serão atacados. São as professoras e as enfermeiras que estão salvando vidas. E são os policiais que sequer terão estabilidade”, completou.

A deputada Érika Kokay (PT-DF) disse que não corresponde aos fatos o país ter máquina estatal inchada. “Temos 12% da população ocupada no serviço público. Nos países da OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico] temos 21,3%”, argumentou. “Essa proposta de reforma administrativa estabelece poder absoluto do governante sobre servidores, retirando sua estabilidade”, acrescentou.

Edição: Valéria Aguiar

publicidade

Política Nacional

Luiza Frischeisen lidera lista tríplice do MPF para próximo mandato na PGR

Publicado


source
Luiza é a primeira mulher a ficar em primeiro lugar na votação
Reprodução

Luiza é a primeira mulher a ficar em primeiro lugar na votação

A subprocuradora-geral da República Luiza Frischeisen foi o nome mais votado para integrar a lista tríplice com sugestões do Ministério Público Federal ( MPF ) para o cargo de procurador-geral da República — e tornou-se a primeira mulher a ficar em primeiro lugar na eleição. Os procuradores definiram a composição da lista tríplice que será enviada ao  presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na última terça-feira (22).

Uma das principais vozes críticas à atual gestão da Procuradoria-Geral da República, chefiada por Augusto Aras , Luiza recebeu 647 votos. Atrás dela vêm os também subprocuradores Mario Bonsaglia, que teve 636 votos, e Nicolao Dino, com 587.

A tendência, porém, é que Bolsonaro ignore a lista tríplice — como fez em 2019 — e reconduza para um novo mandato de dois anos o atual procurador-geral da República, Augusto Aras — que mantém uma relação de alinhamento com o Planalto e é bem visto pelo presidente e por seus aliados, além de acumular elogios na classe política.

Em contraponto à gestão de Aras, os subprocuradores que integram a lista tríplice são críticos à atuação do atual chefe da PGR . Em entrevista coletiva concedida no último dia 11 de junho, os três afirmaram que faltou ação do procurador-geral diante da gestão da pandemia e defenderam a necessidade de que o Ministério Público tenha independência.

Embora não tenha caráter obrigatório, a lista tríplice organizada pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) foi observada por todos os presidentes desde 2003, que mantiveram o compromisso de indicar um dos integrantes da lista tríplice da PGR. A tradição, no entanto, foi rompida por Bolsonaro.

Leia mais:  "Decisão de Rosa Weber sepulta obstrução governista à CPI", afirma Contarato

“A lista tríplice é um processo democrático, transparente, em favor da sociedade, para indicação do procurador-geral da República. Os três nomes escolhidos reúnem décadas dedicadas ao país, ao MP, à democracia, aos direitos fundamentais. São, no entendimento dos membros do MPF, os mais aptos a exercerem o posto de PGR”, disse o presidente da ANPR, Ubiratan Cazetta, em nota publicada após o anúncio do resultado da lista.

O procurador-geral da República é escolhido para chefiar o Ministério Público da União, que abrange os ministérios públicos Federal, do Trabalho, Militar, do Distrito Federal e dos estados em um mandato de dois anos. Cabe ao procurador-geral da República representar o MP junto ao Supremo Tribunal Federal ( STF ) e ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Ele também desempenha a função de procurador-geral Eleitoral.

No STF, o PGR tem, entre outras prerrogativas, a função de propor ações diretas de inconstitucionalidade e ações penais públicas. Cabe ao PGR, por exemplo, pedir abertura de inquéritos para investigar presidente da República, ministros, deputados e senadores. Ele também tem a prerrogativa de apresentar denúncias nesses casos.

Você viu?

Abaixo, um perfil dos integrantes da lista tríplice para a PGR:

Luiza Frischeisen

A subprocuradora Luiza Frischeisen é doutora em Direito pela Universidade de São Paulo e está no MPF há 29 anos. Foi coordenadora da Câmara Criminal da PGR e liderou a elaboração de uma orientação conjunta do MPF para a celebração dos acordos de colaboração premiada, um dos principais instrumentos da Lava-Jato. Luiza ainda comandou o Ministério Público Federal da 3ª Região, que engloba São Paulo e Mato Grosso do Sul. Atualmente, exerce o segundo mandato no Conselho Superior do MPF.

Leia mais:  Doria cobra do governo agilidade na vacinação: "Cadê o senso de urgência?"

Mario Bonsaglia

Doutor em Direito pela Universidade de São Paulo (USP), o subprocurador Mário Bonsaglia é membro do MPF há 30 anos e desde 2018 faz parte da 6ª Câmara de Coordenação e Revisão, que trata de povos indígenas e populações tradicionais. De perfil discreto, foi o mais votado na lista tríplice de 2019, já sob o governo de Bolsonaro. É integrante do Conselho Superior do MPF.


Nicolao Dino

Nicolao Dino está no MPF desde 1991 e foi o número dois do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, quando ocupou a função de vice-procurador-geral Eleitoral, tendo atuado no processo que pediu a cassação da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). É professor de Direito na Universidade de Brasília (UnB). Irmão do governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), ele foi o mais votado da lista tríplice em 2017. Na época, o presidente Michel Temer escolheu Raquel Dodge, segunda colocada.

Continue lendo

Mais Lidas da Semana