conecte-se conosco

Mato Grosso

CGE doa 90 quilos de materiais recicláveis à associação de catadores

Publicado


Em continuidade ao papel de incentivadora e colaboradora de práticas de sustentabilidade e de responsabilidade social, a Controladoria Geral do Estado (CGE-MT) doou 90 quilos de papel, papelão e garrafas-pet à Associação de Catadores de Material Reciclável e Reutilizável de Mato Grosso (Asmats). A ação abre as atividades de 2021 do Programa Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P) no âmbito da Controladoria.

Foram doados à cooperativa sediada no município de Várzea Grande (MT): 49 quilos de caixas de papelão; 36 quilos de papeis brancos usados e 5 quilos de garrafas-pet.

O material entregue de forma solidária foi depositado pelos servidores do órgão nos pontos de coleta seletiva instalados no prédio. O descarte já é rotina dos servidores e dos que frequentam a CGE desde que o órgão iniciou as atividades ao Programa A3P, no ano de 2016.

Apesar das restrições impostas pela pandemia do coronavírus, o trabalho da Comissão Gestora da A3P na CGE não foi interrompido. Em 2020, foram executadas ações para sensibilizar e fomentar nos servidores da CGE-MT e das Unidades Setoriais instaladas no prédio a cultura de sustentabilidade, norteada pelos eixos temáticos propostos pela Agenda Ambiental.

Em novembro de 2020, por exemplo, a CGE efetuou a doação de 35 quilos de pilhas e baterias e 30 quilos de medicamentos vencidos ao Instituto Lixo Zero Brasil. O material destinado à venda e, consequentemente, à geração de recursos financeiros voltados ao Hospital de Câncer de Mato Grosso.

Leia mais:  Operação Amazônia embarga 12 garimpos ilegais em Apiacás

Nos últimos seis anos, a CGE já efetuou a doação de mais de 1.600 quilos de papeis, jornais, papelão, revistas e outros impressos a cooperativas e associações.

Uso racional

Além dos benefícios sociais, outra perspectiva da questão é o benefício ambiental decorrente da reciclagem e da reutilização de papel. Entretanto, não é possível reciclar o papel infinitas vezes. A resistência das fibras se perde, assim como as características que determinam o tipo de papel.

Por isso, nesse contexto, o coordenador da Comissão Gestora do Programa A3P na CGE salienta que o desafio também é incentivar o consumo responsável de papel, como parte do eixo de uso racional dos recursos naturais e dos bens públicos.

“A ideia é reduzir o uso de papel. Imprimir somente o necessário. Precisamos desenvolver o hábito de usar o pen drive e o e-mail nas atividades laborais”, destaca o coordenador da Comissão Gestora do Programa A3P na CGE, Marino Koch.

Reutilização

Quando a impressão for imprescindível, a CGE orienta os servidores a imprimirem na frente e no verso da folha.

Na impossibilidade de imprimir nos dois lados do papel para determinado documento, a Controladoria instrui os servidores que o verso de algumas folhas pode ser utilizado como rascunho para posterior destinação para reciclagem.

Leia mais:  Deputados aprovam mudança nas regras de aposentadoria dos servidores públicos

Planejamento

Quanto aos resíduos orgânicos, a CGE está na etapa final do processo de aquisição da máquina de compostagem para transformar o material em adubo.

A CGE também planeja a execução de ações como parte do eixo de construções e aquisições sustentáveis. A ideia é implantar no prédio do órgão, no Centro Político Administrativo, em Cuiabá, sistema de aproveitamento de água da chuva e dos aparelhos de ar-condicionado e instalar placas fotovoltaicas para a geração de energia solar.

Cultura sustentável

O Programa A3P objetiva minimizar impactos socioambientais das atividades governamentais, construir uma cultura institucional que possibilite a melhoria da qualidade no trabalho, promover a gestão adequada de resíduos e combater o desperdício.

É estruturado em seis eixos: uso racional dos recursos naturais e bens e públicos; gestão adequada dos resíduos gerados; qualidade de vida no ambiente de trabalho; compras públicas sustentáveis; construções sustentáveis; e sensibilização e capacitação dos servidores.

A CGE aderiu ao Programa A3P assim que o Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), assinou o termo de cooperação técnica com o Ministério do Meio Ambiente, em outubro de 2015. As atividades começaram a ser desenvolvidas na CGE em março/2016. 

Fonte: GOV MT

publicidade

Mato Grosso

Hospitais regionais serão construídos em terrenos doados por prefeituras; SES trabalha para lançar editais das obras

Publicado


A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) trabalha para lançar os editais de licitação para construção dos quatro novos hospitais regionais, nas cidades de Alta Floresta, Juína, Confresa e Tangará da Serra. As unidades de saúde serão construídas em terrenos doados pelas prefeituras. 

A Superintendência de Obras da SES-MT explica que para a construção das unidades é feita uma parceria com os municípios, que ficam responsáveis por adquirir o terreno e doa-lo para a gestão estadual, que fará a obra. Além disso, antes da construção, as prefeituras devem fazer a sondagem e a topografia da área.

As cidades onde os hospitais serão construídos foram anunciados pelo governador Mauro Mendes e seguirão um padrão de qualidade e modernização das unidades de saúde.

Os hospitais contarão com 141 leitos de enfermaria e 40 UTIs, entre adultas, pediátricas, neonatal e unidade semi-intensiva neonatal, para atendimento na média e alta complexidade.

As unidades de Saúde também terão 10 consultórios médicos, 2 consultórios para atendimento a gestantes, 6 salas de centro cirúrgico, além de espaços para banco de sangue, banco de leite materno e realização de exames, como tomografia e colonoscopia.

Leia mais:  Governo convoca vencedoras de leilão de rodovias para apresentação do plano de negócios

A previsão é que após a licitação e a definição da empresa que irá tocar cada obra, os hospitais sejam entregues em até 24 meses.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Mais Lidas da Semana