conecte-se conosco

Carros

Como o Centro de Desenvolvimento Tecnológico da Ford ajudará o Brasil?

Publicado

Centro de desenvolvimento da Ford é incorporado para desenvolver tecnologias mundiais
Divulgação

Centro de desenvolvimento da Ford é incorporado para desenvolver tecnologias mundiais

O Centro de Desenvolvimento da Ford do Brasil anuncia a sua consolidação como exportadora de projetos para filiais da marca, no mundo. Com 1500 funcionários na sede, que fica em Camaçari (Bahia), os principais focos são a mobilidade, eletrificação, conectividade automotiva e automação de veículos. A previsão é a geração de uma receita de R$ 500 milhões em 2022.

Trata-se de um dos nove centros da Ford no mundo, e está entre os maiores e mais completos do Hemisfério Sul. Nos últimos meses, as demandas por serviço cresceram em volume e complexidade e, atualmente, 85% do trabalho é focado em projetos globais.

Entrevistamos o André Oliveira, diretor de engenharia da Ford na América do Sul, para descobrirmos mais do que está por trás desse projeto. No podcast, também procuramos entender de que forma o mercado interno poderá ser beneficiado. Seja de maneira direta ou indireta. Ouça a seguir.

Leia mais:  Alpine celebra os 60 anos do A110 com conceito elétrico

Apesar de ainda não estarem totalmente acertados para o Brasil, apuramos com André que a Ford tem planos de trazer modelos como o Mustang Mach-E e a F-150 Lightning , ambos carros elétricos  100%. A empresa tem planos para fortalecer sua participação no segmento dos eletrificados, que só tende a se expandir no Brasil.

Entretanto, o diretor alega que a Ford não acha interessante expandir a rede pública de carregadores — algo que tem sido feito por outras marcas, de forma colaborativa. Ao invés disso, acredita que os carregadores que virão junto dos carros, para uso particular, e que a autonomia dos modelos, já serão suficientes para atender o cliente.

Entre os projetos, a fabricante destaca a criação de elementos visuais para a divisão de carros de luxo americana, Lincoln . Além disso, o time brasileiro foca na implementação de tecnologias eletrificadas em modelos para o mercado global, bem como o desenvolvimento das futuras gerações do sistema de multimídia da Ford.

Leia mais:  Mercedes 300SL do piloto Juan Fangio pode valer mais de R$ 40 milhões

O time brasileiro também é responsável pela criação e pelo aprimoramento de um terço das funcionalidades embarcadas nos veículos Ford ao redor do mundo, a exemplo do “One Pedal Drive” do Mustang Mach-E – que permite dirigir usando apenas o acelerador, sem acionar o pedal do freio – e da “Zone Lighting”, que controla as luzes externas da picape F-150 .

No desenvolvimento dos veículos autônomos , os brasileiros trabalham para adequar a carroceria para posicionamento de sensores, radares e câmeras e seus sistemas de limpeza, com a devida padronização. Quanto à conectividade, desenvolvem softwares, com destaque para a conclusão do sistema de conectividade e monitoramento para a Ford Transit .

A Ford Brasil também investe em pesquisa, com mais de 70 patentes globais conquistadas. Em parceria com o Instituto Euvaldo Lodi (IEL), da Bahia, são, ao todo, mais de 200 profissionais distribuídos em 17 estados brasileiros. Atuam em 120 projetos, a maioria voltada à conectividade, inteligência artificial e big data.

Fonte: IG CARROS

publicidade

Carros

Nico Rosberg recebe seu carro elétrico de quase 2000 cv

Publicado

Rosberg ao lado do seu Rimac Nevera, capaz  de acelerar de 0 a 100 km/h em 2 s e atingir 412 km/h
Reprodução/Instagram

Rosberg ao lado do seu Rimac Nevera, capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em 2 s e atingir 412 km/h

Após sair da Fórmula 1 com o título da temporada 2016, Nico Rosberg se tornou defensor da mobilidade elétrica e investidor no setor, principalmente em competições.

Agora, o ex-campeão de F1 foi até a Croácia onde pôde receber o primeiro Rimac Nevera já produzido, e aproveitou para fazer um test-drive ao lado do fundador da fabricante, Mate Rimac.

O Nevera terá a produção limitada a 150 unidades, e com o preço na casa dos US$ 2.5 milhões (US$ 12,8 milhões), o de Rosberg conta com a assinatura do ex-piloto.

O novo hipercarro de Rosberg é equipado com um pacote de baterias de 120 kWh que entrega energia para quatro motores elétricos, posicionados em cada roda.

Leia mais:  Mercedes 300SL do piloto Juan Fangio pode valer mais de R$ 40 milhões

Somados, os motores entregam 1913 cv de potência e 240,65 kgfm de torque entregues de forma instantânea. O hipercarro croata é capaz atingir os 100 km/h em cerca de 2 segundos e a velocidade máxima é de 412 km/h.

O primeiro contato de Rosberg com sua nova aquisição foi com Mate Rimac no banco do passageiro, e não exploraram apenas a aceleração do modelo, e foram até estradas sinuosas da Croácia testar as capacidades de direção do carro.

Embora seja um carro pesado, de 2.150 kg, o Nevera impressiona Rosberg com o alto nível de aderência que o modelo apresenta ao fazer curvas.

O ex-campeão ainda aproveitou para brincar com o fundador da empresa, ao acionar o querer fazer drift em uma curva, e o executivo respondeu de forma assustada: “Claro, contanto que eu não esteja no carro. Você tem que se acostumar primeiro”.

Rosberg filmou seu contato com seu novo carro e o vídeo está disponível em inglês no canal do ex-piloto alemão no Youtube.

Leia mais:  Apesar de janeiro fraco, Anfavea prevê  vendas melhores em 2022

Durante o vídeo, Rimac explica um artifício interessante do sistema de freio do Nevera. Quando o modelo é conduzido no “Modo Pista”, os sistemas do carro monitoram a temperatura dos freios regenerativos e dos freios mecânicos.

Dependendo da temperatura das baterias, o nível de regeneração é ajustado para priorizar o freio mecânico, ou caso os discos e pastilhas de freio esquentem, o freio regenerativo será usado com maior frequência.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Mais Lidas da Semana