conecte-se conosco

Saúde

Covid-19: empresas podem exigir uso de máscaras de funcionários?

Publicado

source
Mulher usando máscara
Foto: Governo de SC

Mulher usando máscara

Com o crescimento dos casos de Covid-19 no país, que enfrenta, segundo especialistas, uma 4ª onda da doença, aumenta também a procupação com as medidas de prevenção. No ambiente de trabalho, o uso de máscara deixou de ser obrigatório desde abril. No entanto, diante da expansão dos casos, as empresas podem exigir o uso do equipamento de proteção de seus funcionários?

Advogados avaliam que as companhias têm autonomia para exigir o uso de equipamentos de proteção e do comprovante de vacinação, tal como outros protocolos que entendem como necessários para garantir a saúde e o bem-estar da equipe.

Estados e municípios têm autonomia para adotar medidas sanitárias contra a Covid, dizem. Mas em cidades onde o uso de máscaras não é mais obrigatório em locais fechados, cabe à empresa decidir se esta será uma exigência, uma vez que não há mais uma portaria federal que determine as regras sobre o assunto.

As empresas devem orientar os funcionários sobre o uso e, caso algum deles se recuse a seguir as regras, existe a possibilidade de demissão por justa causa, embora essa decisão não seja um consenso entre os juristas.

Leia mais:  Pesquisadores conseguem criar espermatozoides em laboratório no Japão

O professor de Direito do Trabalho no Ibmec-RJ Leandro Antunes disse que na maioria dos casos em que houve recusa do trabalhador em usar a máscara ou outro equipameto de proteção exigido pela empresa, o poder Judiciário deu razão ao empregador:

“A Justiça entende como uma medida que beneficia a coletividade. Se a empresa estabelece o uso da máscara dentro das suas dependências e o empregado não a utiliza, isso caracteriza um ato de indisciplina e pode gerar a demissão por justa causa. O que a empresa não pode, por exemplo, é pedir para que o funcionário use máscaras fora do ambiente de trabalho, porque isso já invade sua esfera privada”, diz.

Existem casos, no entanto, em que o empregado demitido por se recusar a usar máscara ou a apresentar o comprovante de vacinação, teve razão perante a Justiça, segundo Luiz Antonio Franco, advogado trabalhista do escritório Machado Meyer Advogados. Ele afirma que vale a gradação de sanções.

Ou seja, antes da demissão, é preciso alertar o funcionário. A destituição do cargo deve ser um recurso usado com parcimônia, afirma.

Leia mais:  Varíola dos macacos: quais países confirmaram casos da doença

“Só deve acontecer (demissão) em caso de recorrência (da negativa) do empregado, após aplicação de suspensões. Se você se atrasa para o trabalho, não será demitido de cara, vai receber uma advertência. O mesmo vale para quem não quer seguir os protocolos de saúde da empresa. Devem ser dadas advertências verbais, depois por escrito para, no fim, se recorrer à demissão”, analisa.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

publicidade

Saúde

SP vacina contra covid-19 e gripe em parques e na Avenida Paulista

Publicado

Para ampliar a cobertura vacinal da população da cidade, a prefeitura de São Paulo disponibiliza hoje (3) seis locais para a vacinação: dois deles na Avenida Paulista (uma tenda na altura do número 52 e uma farmácia no número 995) e quatro tendas espalhadas pelos parques Buenos Aires, Severo Gomes, do Carmo e da Juventude.

Esses locais funcionam até as 16h e estarão aplicando vacinas contra a covid-19 e a gripe influenza, além de outras doenças. Na farmácia da Avenida Paulista, 995, será aplicada apenas vacina contra a covid-19.

A vacinação contra a gripe está disponível neste momento para toda a população de São Paulo acima de seis meses de idade. Para a covid-19 é preciso observar o público elegível: a segunda dose adicional (ou quarta dose), por exemplo, neste momento está disponível para pessoas acima dos 40 anos e que tomaram a primeira dose adicional (terceira dose) há mais de quatro meses.

Os postos também estarão aplicando imunizantes diversos para crianças como a tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), tetraviral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela), BCG, pentavalente, vacina inativada poliomielite (VIP), vacina oral poliomielite (VOP), pneumo 10, rotavírus, meningo C, meningo ACWY, varicela, hepatites A e B, febre amarela, DTP (difteria, tétano e coqueluche), dupla adulto, HPV e pneumo 23.

Leia mais:  Mudança climática pode tirar até 58 horas de sono por ano das pessoas

Amanhã (4), a vacinação continua sendo feita nos megapostos, unidades básicas de Saúde (UBS) e nas AMAs/UBSs Integradas.

Mais informações sobre a vacinação na cidade de São Paulo podem ser obtidas no site Vacina Sampa.

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

Mais Lidas da Semana