conecte-se conosco

Saúde

CPI da Covid: o que especialistas dizem sobre as máscaras usadas pelos senadores

Publicado


source

BBC News Brasil

CPI da Covid: o que especialistas dizem sobre as máscaras usadas pelos senadores
André Biernath – Da BBC News Brasil em São Paulo

CPI da Covid: o que especialistas dizem sobre as máscaras usadas pelos senadores

Nesta terça-feira (04/05), a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga as ações do governo no enfrentamento da pandemia de covid-19 começou a ouvir testemunhas — o primeiro convidado foi o médico Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde.

Um detalhe que chamou a atenção de cientistas e profissionais da saúde durante a sessão foi o uso de máscaras, algumas delas inadequadas, pelos parlamentares e assessores.

“Em primeiro lugar, é preciso enfatizar e parabenizar todos os presentes, que usaram máscara o tempo todo. Diante do que vemos em outros eventos governamentais, isso já é algo positivo a ser destacado”, observa o físico Vitor Mori, pesquisador da Universidade de Vermont, nos Estados Unidos.

Se a presença constante desse equipamento individual de proteção surpreendeu positivamente, a preocupação está na qualidade dos modelos usados pela maioria dos senadores.

Muitos vestiram máscaras cirúrgicas ou feitas de tecido, que não são as mais adequadas naquele contexto.

“Eles permanecerão por longas horas num local fechado, ao lado de muita gente e conversando o tempo todo. Esse é um ambiente que apresenta um maior risco de infecção”, analisa Mori, que também integra o Observatório Covid-19 BR.

“Para a própria proteção deles, seria interessante que todos estivessem utilizando máscaras do tipo PFF2, que têm uma melhor capacidade de filtração das partículas”, sugere o especialista.

Saiba a seguir quais são as diferenças entre cada um dos modelos utilizados pelos parlamentares.

Máscara de tecido

Desde o início da pandemia, elas são as mais populares e foram adotadas em larga escala — essa, inclusive, foi a escolha do presidente da CPI da Covid, o senador Omar Aziz (PSD-AM).

A peça funciona como uma barreira, que bloqueia a entrada e a saída de partículas muito pequenas de saliva, que podem conter o coronavírus.

“É importante que ela tenha ao menos duas camadas de tecido e fique bem aderida ao rosto, cobrindo ao topo do nariz, a boca e o queixo”, descreve a médica Raquel Stucchi, da Sociedade Brasileira de Infectologia.

Esse ponto da adesão à pele é essencial: de nada adianta usar uma máscara frouxa, que deixa espaços nas proximidades do nariz ou nas bochechas.

O vírus vai “aproveitar” justamente essas brechas para invadir o organismo e iniciar uma infecção.

Após o uso, ela deve ser lavada e pode ser reutilizada enquanto estiver sem rasgos ou outros danos.

“Não precisa usar água sanitária ou álcool. Basta lavar na máquina, junto com as outras roupas, e depois deixar secar no sol”, indica Stucchi, que também é professora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

As máscaras de tecido também devem ser substituídas se ficarem úmidas — como os senadores falarão muito ao longo das sessões, é desejável que eles tenham duas ou três peças da reserva para fazer substituições ao longo do dia se insistirem nesta opção.

Máscara cirúrgica

Esse modelo é um clássico e já aparecia em ambientes hospitalares e salas de operação muito antes de a covid-19 virar uma dor de cabeça mundial.

Durante a sessão, vários senadores apostaram nesse tipo de máscara. Um deles foi Ciro Nogueira (PP-PI), uma das vozes mais críticas sobre a instauração da CPI da Covid.

Leia mais:  EUA batem novo recorde mundial de infecções diárias por Covid-19

Apesar de ter uma boa taxa de filtração de partículas pequenas, esse não é o equipamento mais adequado para locais fechados e com pouca circulação de ar, como parece ser a situação da sala de audiências do Senado Federal.

“O grande problema das máscaras cirúrgicas é o ajuste no rosto, que deixa algumas brechas”, aponta Mori.

A peça pode ser útil em ambientes abertos e bem arejados.

Elas também são indicadas para pessoas que estão isoladas com covid-19 e querem diminuir o risco de infecção dos demais moradores da mesma casa.

Por fim, o equipamento é usado em atendimentos ambulatoriais de pacientes que não apresentam sintomas sugestivos de uma infecção pelo coronavírus.

Importante: a máscara cirúrgica deve ser trocada (e descartada) após quatro horas de uso.

Os senadores que usam esse equipamento, portanto, devem se atentar ao tempo e ter um estoque de novas máscaras por perto, já que as sessões devem se alongar por longos períodos.

A BBC News Brasil procurou o senador Ciro Nogueira, que respondeu por meio de uma nota enviada por sua assessoria de imprensa:

“O senador Ciro Nogueira tem optado por usar preferencialmente a máscara cirúrgica ou a N95, por entender que elas são mais eficazes na prevenção da covid-19. Os protocolos de distanciamento e uso frequente de álcool gel também são hábitos adotados pelo senador, não somente nas reuniões de comissão como também no dia a dia”.

Máscara de crochê ou tricô

Elas são contra-indicadas em qualquer situação porque não funcionam como uma barreira contra a entrada ou a saída de partículas virais do nariz e da boca.

Isso porque a lã é um material muito grosso e poroso, que permite a passagem de gotículas e aerossóis de saliva.

A mesma coisa não acontece quando a máscara é feita de algodão ou tricoline: a trama desses tecidos é mais ajustada e uniforme, o que impede esse vazamento indesejável.

Logo no início da sessão de hoje (04/05), a senadora Simone Tebet (MDB-MS) fez um breve discurso.

Na hora, ela usava duas máscaras: uma cirúrgica por baixo e outra de crochê por cima.

Você viu?

Para Mori, a estratégia da parlamentar não estava necessariamente errada. “A máscara cirúrgica faz a filtragem e a de tricô veda bem o rosto. Juntas, elas podem funcionar bem”, analisa.

“Essa ideia até faz sentido, mas ainda assim é melhor garantir uma proteção maior com a PFF2, que tem uma boa disponibilidade no Brasil”, completa o físico.

Procurada pela reportagem da BBC News Brasil, Tebet elogiou os cuidados tomados durante a CPI, que definiu como “exemplares”.

“Estamos seguindo as recomendações do Ministério da Saúde, com pouca gente na sala, distanciamento físico, todo mundo com máscaras…”, interpreta.

“Nos sentimos muito seguros e acredito que damos um bom exemplo para a população brasileira”, avalia a senadora.

Máscara KN95

Esse foi o tipo escolhido por diversos senadores — inclusive pelo vice-presidente da comissão, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

A máscara KN95 é a versão chinesa similar à N95 dos Estados Unidos e à PFF2 do Brasil.

A preocupação aqui está no controle de qualidade: há fabricantes que usam um material muito duvidoso e com pouca capacidade de filtração.

Leia mais:  Parques municipais serão reabertos durante a semana em São Paulo

Levantamentos realizados ao redor do mundo avaliaram a eficácia da KN95 em bloquear as partículas virais e encontraram uma variação muito grande: enquanto algumas máscaras tinham uma eficácia de 95%, em outras, esse índice não chegava nem a 30%.

Mori destaca outra desvantagem: o elástico que mantém a peça rente no rosto.

“Ela costuma ficar presa na orelha, o que não dá uma boa vedação. Geralmente, a PFF2 tem um elástico que fica na nuca e na cabeça, o que traz mais segurança”, compara o especialista.

O físico diz que a KN95 tem uma capacidade de filtragem melhor que as máscaras de pano, mas ela não é a alternativa mais indicada para locais de alto risco.

“E o Brasil tem uma boa disponibilidade de PFF2 por um preço baixo. Não há grande dificuldade de encontra-la”, reforça.

Máscara PFF2 (ou N95) sem válvula

Esse é o modelo mais indicado por entidades de saúde pública nacionais e internacionais.

Durante a sessão da CPI desta terça-feira (05/04), ela só parece ter sido utilizada por alguns servidores e assessores do Senado Federal.

Esse equipamento conta com uma série de camadas que bloqueiam até as partículas mais diminutas, que costumam passar batidas pelos outros modelos.

“Elas são indicadas principalmente para quando vamos ficar num ambiente fechado, sem ventilação natural, na presença de outras pessoas por muito tempo”, explica Stucchi.

Durante boa parte de 2020, esse material estava em falta pela enorme demanda mundial.

Por isso, as autoridades pediram que a PFF2 ficasse restrita a profissionais de saúde e pacientes com covid-19 confirmada.

A partir do final de 2020 e início de 2021, a oferta dessas máscaras no mercado aumentou consideravelmente — hoje em dia, é possível encontrá-las por um preço baixo em muitos sites e lojas de equipamentos médicos e de construção.

Arte sobre máscara PFF2

BBC

Elas podem ser usadas com segurança durante um turno inteiro de trabalho (por oito a nove horas).

Para aqueles que sairão à rua rapidamente, a PFF2 pode ser reutilizada algumas vezes.

Basta deixá-la “descansando” no varal por três ou quatro dias num local com boa circulação do ar.

Importante: esse modelo não pode ser lavado com água e sabão, álcool ou outros produtos químicos.

“Vale sempre observar se o elástico ainda está firme e a máscara está vedando bem o rosto, especialmente o clipe metálico que prende o topo do nariz”, sugere Mori.

Stucchi também acrescenta que é preciso ficar atento ao fabricante e aos selos que certificam a qualidade do material.

“Tem muita máscara falsificada sendo vendida por aí. É preciso buscar empresas idôneas e com as certificações exigidas”, diz.

Arte sobre diferentes tipos de máscara

BBC

A BBC News Brasil entrou em contato com as assessorias de comunicação dos senadores Omar Aziz e Randolfe Rodrigues, que foram citados ao longo da reportagem, para que eles tivessem espaço para comentar sobre o uso das máscaras e as outras medidas de proteção que estão sendo tomadas durante a realização da CPI da Covid.

Até o fechamento deste texto, porém, eles não haviam enviado nenhuma resposta.

Fonte: IG SAÚDE

publicidade

Saúde

Covid-19: Brasil tem 2,5 mil mortes e 75,4 mil casos em 24 horas

Publicado


Em 24 horas, o Brasil registrou 75.445 casos de covid-19 e 2.513 mortes decorrentes da doença. Os dados foram apresentados na atualização diária do Ministério da Saúde sobre a pandemia, divulgada hoje (18).

Boletim/situação epidemiológica da covid 19 no Brasil/18.05.2021 Boletim/situação epidemiológica da covid 19 no Brasil/18.05.2021

Boletim/situação epidemiológica da covid 19 no Brasil/18.05.2021 – Ministério da Saúde

Com as novas estatísticas, o número de mortes causadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia no Brasil chegou a 439.050. Ainda há 3.696 falecimentos em investigação. O termo é empregado pelas autoridades de saúde para designar casos em que um paciente morre, mas a causa segue sendo apurada mesmo após a declaração do óbito.

Com os novos diagnósticos confirmados, o número de pessoas infectadas desde o início da pandemia chegou a 15.732.836. 

Ainda há no país 1.046.177 casos em acompanhamento. Esse é o nome dado às pessoas infectadas e com casos ativos de contaminação pelo novo coronavírus.

O número de pessoas que se recuperaram da covid-19 desde o início da pandemia totalizou 14.247.609. Isso equivale a 90,6% do total de pessoas que foram infectadas com o vírus.

Os números são em geral mais baixos aos domingos e segundas-feiras em razão da menor quantidade de funcionários das equipes de saúde para realizar a alimentação dos dados. Já às terças-feiras os resultados tendem a ser maiores pelo envio dos dados acumulados.

Estados

O ranking de estados com mais mortes pela covid-19 é liderado por São Paulo (105.105). Em seguida vêm Rio de Janeiro (48.313), Minas Gerais (37.617), Rio Grande do Sul (26.901) e Paraná (24.857). Já na parte de baixo da lista, com menos vidas perdidas para a pandemia, estão Roraima (1.579), Acre (1.625), Amapá (1.628), Tocantins (2.737) e Alagoas (4.523).

Vacinação

Até o momento, foram distribuídos a estados e municípios 90,6 milhões de doses de vacinas contra a covid-19. Deste total, foram aplicadas 54 milhões de doses, sendo 36,6 milhões da 1ª dose e 17,4 milhões da 2ª dose.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

Leia mais:  Estado do Rio registra quase 179 mil casos de covid-19
Continue lendo

Mais Lidas da Semana