conecte-se conosco

Política Nacional

Defesa de Witzel quer ir ao STF para tentar barrar impeachment

Publicado


source
Wilson Witzel
DIVULGAÇÃO/GOVERNO DO RIO DE JANEIRO

Wilson Witzel tenta se defender do processo de impeachment.

A defesa do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) quer recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ao Supremo Tribunal Federal (STF) para barrar o processo de impeachment que o mandatário enfrenta na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

Segundo o advogado Manoel Peixinho, que trabalha no caso, se o recurso contra a liminar do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), que negou a suspensão do processo, for negado, o próximo passo da defesa será recorrer às instâncias superiores.

A defesa de Witzel alega que houve violações de “garantias fundamentais” por parte do presidente da Alerj, André Luiz Ceciliano (PT-RJ) no pedido de impeachment. O presidente da Comissão especial, Chico Machado (PSD) e o relator do processo na comissão, Rodrigo Bacellar (Solidariedade) também teriam cometido irregularidades.

Leia mais:  Sem máscara, Bolsonaro visita terras indígenas na Amazônia

publicidade

Política Nacional

Barroso rebate críticas de Bolsonaro a urnas eletrônicas e nega fraudes

Publicado


source
Luís Roberto Barroso, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF)
Nelson Jr./SCO/STF

Luís Roberto Barroso, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF)

Nesta quinta-feira (29), o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, rebateu as críticas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) à s urnas eletrônicas. Barroso vem sendo alvo de ataques do mandatário por ser contra a implementação do voto impresso nas eleições.

O ministro disse que a adoção do voto eletrônico permitiu acabar com o coronelismo no país e com o histórico de fraudes nas apurações. “Toda eleição no Brasil tinha a suspeição da fraude, aquelas mesas apuradoras com contagem manual de votos, os votos apareciam e os votos desapareciam”, afirmou. “Desde 1996, jamais se documentou, na vida brasileira, um episódio de fraude”.

Além disso, Barroso explicou que, para que houvesse fraude, seria necessária a participação de pessoas no TSE e na própria Justiça Eleitoral. “Não há precedente e não há razão para se mexer em time que está se ganhando”.

Durante a transmissão de hoje, Bolsonaro chegou a dizer que é “estranho” o fato do presidente do TSE continuar defendendo o voto eletrônico . Segundo Barroso, a decisão preserva a democracia e não depende de “pessoas de boa-fé”, como no caso do impresso.

Leia mais:  Lula sobre a Lava Jato: "Eu durmo tranquilo e sei que eles não dormem"

De acordo com ele, a proposta não é tão boa quanto parece ser. “Você não cria um mecanismo de auditoria menos seguro que o objeto que precisa ser auditado”, afirmou.

“Estamos falando de 150 milhões de votos em um país que em muitas partes e em muitas regiões se tem problemas de roubo de carga, milícia e facções criminosas… Portanto, vamos ter de transportar 150 milhões de votos com os riscos que isso envolve; temos que armazenar estes votos para que não apareçam novos votos dentro das urnas; e depois – e isso então é o filme de terror – temos de recontar estes votos à mão”, concluiu.

Continue lendo

Mais Lidas da Semana