conecte-se conosco

Economia

Dívidas devem aumentar com encarecimento de gás e energia, diz estudo

Publicado


source
Contas devem ficar mais caras nos próximos meses
Reprodução: iG Minas Gerais

Contas devem ficar mais caras nos próximos meses

O Brasil tem 62,56 milhões de inadimplentes . No ranking de dívidas, o primeiro lugar é liderado pelo setor de Bancos/Cartão , com 29,7%. Em seguida, aparece “utilities”, ou seja, contas de consumo não pagas (22,3%) e em terceiro lugar, o varejo (13%). Com o encarecimento das faturas de energia e gás, mais brasileiros devem atrasar o pagamento de serviços básicos.

Na pesquisa “O Bolso dos Brasileiros”, da Serasa, os brasileiros disseram que se tivessem que não quitar alguma conta durante a pandemia, iriam priorizar o pagamento da água, da luz e do gás. Porém, o mesmo levantamento mostrou que, no ranking dos pagamentos feitos em dia, essas contas aparecem atrás de serviços de assinatura, telecom, cartão de crédito e plano de saúde.

Em um momento em que as contas de utilities representam quase 37 milhões de dívidas, Nathalia Dirani, gerente de marketing da Serasa, ratifica que contas essenciais, como água, energia e gás devem ser priorizadas no orçamento mensal. Para ela, a organização financeira e a renegociação de dívidas podem ajudar a evitar maiores complicações.

“Existem ótimas oportunidades para que os brasileiros negociem essas dívidas com descontos e consigam pagá-las de forma que caibam no bolso. No Serasa Limpa Nome, por exemplo, os acordos são fechados em menos de 3 minutos e, desde janeiro, nós já possibilitamos mais de 10 milhões de negócios” comenta Nathalia.

Serasa Limpa Nome

Os interessados em buscarem condições melhores para pagamento de contas em aberto podem procurar o serviço Serasa Limpa Nome pelos canais abaixo:

  • Site: serasalimpanome.com.br
  • App Serasa no Google Play e App Store
  • Ligação gratuita 0800 591 1222
  • WhatsApp 11 99575-2096

publicidade

Economia

Folga no teto poderá beneficiar até 17 mi com novo Bolsa Família

Publicado


Até 17 milhões de famílias poderão ser beneficiadas com o Bolsa Família de R$ 300 com a nova folga no teto de gastos em 2022, disse hoje (29) o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt. Segundo ele, a nova margem de R$ 25 bilhões a R$ 30 bilhões permitiria o atendimento desse público.

Com orçamento atual de R$ 34,9 bilhões, o Bolsa Família alcança 14,7 milhões de famílias, com benefício médio de R$ 190. Nesta semana, o presidente Jair Bolsonaro anunciou a elevação do valor médio para R$ 300. Segundo ele, a mudança poderá entrar em vigor em novembro deste ano. Posteriormente, o presidente informou que o benefício médio poderia subir para R$ 285.

Ao apresentar a estimativa hoje, o secretário do Tesouro informou que o desenho final da ampliação do Bolsa Família ainda não está fechado. “Esse é apenas um exercício aritmético que aponta a possibilidade da ampliação. Esse espaço [no teto de gastos] que estamos vendo é compatível com um programa dessa magnitude”, declarou.

Por causa da inflação acumulada de 8,35% entre julho de 2020 e julho deste ano, o teto federal de gastos subirá de R$ 1,486 trilhão em 2021 para R$ 1,61 trilhão em 2022, diferença de R$ 124 bilhões. Isso ocorre porque, até 2026, o teto será corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Leia mais:  MPT investiga se Ford cumpriu direitos ao demitir funcionários

Originalmente, o Tesouro Nacional calculava que a folga para despesas discricionárias (não obrigatórias) no próximo ano dentro do teto ficaria entre R$ 20 bilhões e R$ 25 bilhões. Na semana passada, o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Bruno Funchal, anunciou que os cálculos foram revistos, e o intervalo aumentou para algo entre R$ 25 bilhões e R$ 30 bilhões.

Segundo Bittencourt, a folga no teto foi recalculada porque o governo diminuiu em cerca de R$ 5 bilhões a estimativa de despesas obrigatórias para 2022. Entre esses gastos, estão aposentadorias, gastos com o funcionalismo, abono salarial e seguro desemprego, entre outras.

Atualmente, os Ministérios da Cidadania e da Economia discutem a unificação de vários programas sociais no novo Bolsa Família. Ontem (28), o ministro da Cidadania, João Roma, disse que a previsão é que o programa seja criado por medida provisória no próximo mês e implementado em novembro.

Reforma tributária

O secretário do Tesouro também comentou o impacto fiscal da segunda fase da reforma tributária, que promove mudanças no Imposto de Renda. O parecer atual prevê perda de arrecadação de R$ 30 bilhões, por causa do corte nas alíquotas do Imposto de Renda Pessoa Jurídica. Caso medidas compensatórias, como corte de incentivos fiscais, teto para o salário do funcionalismo e taxação de auxílios de servidores não sejam aprovadas, a perda chegará a R$ 50 bilhões.

Leia mais:  Dólar tem maior queda diária em quase um mês e fecha abaixo de R$ 5,40

Na avaliação do secretário do Tesouro, o ajuste fiscal promovido nos últimos anos abriu espaço para o debate sobre uma possível perda de receita no futuro. “Se há uma discussão hoje sobre   redução da carga tributária é porque o trabalho vem sendo feito do ponto de vista do tratamento da consolidação fiscal como um todo”, explicou.

Bittencourt disse que tanto a reforma tributária como a ampliação do Bolsa Família põem em dúvida a viabilidade da diminuição da meta de déficit primário para 2022 em R$ 60 bilhões a R$ 70 bilhões. “Ainda temos muitos temas em aberto para 2022 que precisam ser endereçados antes de ser tomada essa decisão”, explicou.

O projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) do próximo ano estabelece meta de déficit de R$ 170,5 bilhões. A equipe econômica discute a possibilidade de reduzir a meta para R$ 100 a R$ 110 bilhões para diminuir o espaço fiscal para gastos não obrigatórios em 2022.

Edição: Aline Leal

Continue lendo

Mais Lidas da Semana