conecte-se conosco

Política Nacional

Eleições: confira as datas do primeiro e eventual segundo turno

Publicado

Urna eletrônica
Divulgação/TSE

Urna eletrônica

O primeiro turno das eleições este ano está marcado para o dia 2 de outubro. Antes de o eleitor finalizar o voto na urna, porém, estão previstos diversos eventos importantes do processo eleitoral desde a definição de candidatos, o registro das candidatura e início oficial da campanha e da propaganda eleitoral no rádio e na TV.

Os eleitores também devem ficar de olho nos prazos para solicitar voto em trânsito e justificar em caso de não poder votar.

Confira as principais datas do calendário eleitoral:

18 de julho a 18 de agosto – prazo para solicitar o voto em trânsito (direito de votar em cidade diferente daquela do título) e transferência para seção com acessibilidade.

20 de julho a 5 agosto – prazo para as convocações partidárias escolherem candidatas e candidatos.

15 de agosto – prazo final para o registro de candidaturas.

16 de agosto – início da propaganda eleitoral, inclusive na internet.

26 de agosto a 29 de setembro – propaganda eleitoral na TV e no Rádio.

Leia mais:  Bolsonaro volta a levantar dúvidas sobre sistema eleitoral

17 de setembro – candidatas e candidatos não podem ser presos, exceto em flagrante delito.

27 de setembro – eleitoras e eleitores não podem ser presos, exceto em flagrante de delito ou em virtude de sentença criminal condenatória por crime inafiançável.

2 de outubro – primeiro turno

3 a 29 de outubro – volta a ser permitida propaganda eleitoral.

7 a 28 de outubro – início da propaganda eleitoral no rádio e na TV.

30 de outubro – segundo turno

3 de novembro – Último dia para todas as candidatas e candidatos e todos os partidos políticos encaminharem à Justiça Eleitoral as prestações de contas referentes ao primeiro turno

1º de dezembro – Último dia para a eleitora ou o eleitor que deixou de votar no primeiro turno das eleições apresentar justificativa fundamentada ao juízo eleitoral.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Leia mais:  PL pode dar 'salvo-conduto' para declarações nazistas, afirma advogada


Fonte: IG Política

publicidade

Política Nacional

Freixo e Neves articulam ‘infiltração’ na Baixada Fluminense

Publicado

Freixo e Neves buscam atrair eleitores da Baixada Fluminense
Montagem com Reproduções

Freixo e Neves buscam atrair eleitores da Baixada Fluminense

Em busca de furar o domínio político do governador do Rio de Janeiro Cláudio Castro (PL) na Baixada Fluminense, os candidatos Marcelo Freixo (PSB) e Rodrigo Neves (PDT) vêm apostando em ex-prefeitos de cidades da região como cabos eleitorais. Em agendas de campanha realizadas nesta quinta-feira, Freixo foi ciceroneado por Lindbergh Farias (PT) em Nova Iguaçu, enquanto Neves teve como anfitrião o ex-prefeito Zito (PSD), em Duque de Caxias.

Castro tem atualmente o apoio de 12 dos 13 prefeitos da Baixada — área onde residem 2,8 milhões de eleitores aptos a votar. A exceção é Japeri, governada pela pedetista Fernanda Ontiveros. O atual governador tem ainda como vice Washington Reis (MDB), que se desincompatibilizou neste ano do cargo de prefeito de Caxias para participar das eleições. Freixo, que já anunciou a Baixada como o foco de sua campanha, fez sua segunda agenda na região em Nova Iguaçu ao lado de Lindbergh, eleito duas vezes prefeito da cidade. O petista — amplamente reconhecido pelo moradores durante a caminhada pela área comercial do Centro do município — mostrou ter influência entre lideranças comunitárias e setores importantes do local.

Após um corpo-a-corpo, enquanto políticos discursavam num carro de som, uma van municipal parou ao lado de Lindbergh e o motorista o cumprimentou. Ele então emendou no microfone:

“O transporte alternativo foi legalizado no meu governo como prefeito. Essa turma toda vai fazer campanha de Marcelo Freixo para governador”, disse o petista, enquanto o motorista levantava o polegar num gesto de confirmação.

Freixo pretende ainda usar o palanque de Lula (PT) para alavancar sua campanha na Baixada. O próximo comício do petista no Rio de Janeiro irá ocorrer também em Nova Iguaçu no fim deste mês de agosto. Na agenda desta quinta, o pessebista partiu para o embate com Cláudio Castro para angariar a atenção do eleitorado local. Ele usou o escândalo da folha de pagamentos secreta da Ceperj para alfinetar o candidato do PL.

Leia mais:  Datafolha: Bolsonaro tem rejeição de 53%; Lula tem 36%

“Esse governador encheu o Rio de fantasmas, tirou milhões da educação. Hoje nós visitamos aqui um CIEP completamente abandonado. Nós vamos recuperar os CIEPs, colocar escola integral, é isso que a Baixada precisa”, disse Freixo no calçadão de Nova Iguaçu.

Aliado rivaliza com vice de Castro A cerca de 20 quilômetros dali, Rodrigo Neves realizava sua primeira agenda oficial na Baixada, em Duque de Caxias, colado no ex-prefeito Zito. Candidato a deputado estadual no partido do prefeito Eduardo Paes (PSD), ele comandou a cidade em três mandatos: entre 1997 e 2004 e de 2009 a 2012.

Ele alternou o comando da prefeitura com o vice de Castro, Washington Reis — especialmente na primeira década dos anos 2000 — de quem se tornou opositor. Caxias é o terceiro colégio eleitoral do estado — o maior dentre os municípios da Baixada.

Acompanhado de seu vice, Felipe Santa Cruz (PSD) e do candidato do PDT ao Senado, Cabo Daciolo, Neves caminhou pelo comércio do Centro caxiense, em meio uma claque que incluía, além das tradicionais bandeiras e adesivos de campanha, torcida organizada e até uma equipe fantasiada de personagens infantis.

Na campanha de Neves, Zito é visto como um dos principais cabos eleitorais especialmente no primeiro distrito da cidade, que inclui a região central. Outros postulantes à Alerj, como o pedetista Marco Figueiredo, também são vistos como importantes para angariar votos nas outras partes da cidade.

A ideia de explorar ex-prefeitos se reproduz também em Nilópolis, onde Neves tem o apoio do ex-deputado e ex-prefeito Manuel Rosa (PDT), o Neca. Já na cidade de Japeri, o nome de confiança é Carlos Ontiveros (PDT), pai da prefeita Fernanda Ontiveros (PDT), que também deve apoiar o pedetista, apesar da pressão do governador Cláudio Castro. Em Queimados, ele deve ter o apoio do ex-secretário e ex-policial civil Zaqueu Teixeira (PSD), que esteve na agenda desta quinta-feira em Caxias.

Leia mais:  Bolsonaro volta a levantar dúvidas sobre sistema eleitoral

Daciolo, postulante ao Senado em seu partido, também é visto como um ativo eleitoral importante, por sua entrada na região e pelo apelo entre o eleitorado evangélico. Também nesta quinta, ele prometeu “olhos voltados para a Baixada” e disse que a população local seria transformada “em nome do Senhor Jesus”, em discurso com tom religioso.

Rodrigo Neves disse que também conta com a “força do legado de Leonel Brizola” na região, como uma forma de ganhar tração ao longo da campanha.

“Na Baixada, a tradição de Brizola é bastante forte com os CIEPs, com a Linha Vermelha (inaugurada em 1992, no governo do pedetista). Existe essa tradição do número 12”, afirma.

Ao falar com os moradores da cidade, ao lado de Zito, Neves voltou seu discurso à oferta de emprego e renda, e direcionou crítica ao governo de Jair Bolsonaro, alinhada ao que tem dito a campanha do ex-presidente petista, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) — que o Auxílio Brasil não é certo para o ano que vem.

“Vamos criar um programa de Renda Básica para que ninguém passe fome no estado do Rio. Vamos garantir já a partir de janeiro de 2023 pelo menos um auxílio para as pessoas que mais precisam, porque a gente não sabe se o Auxílio Brasil vai continuar. O Auxílio Brasil foi para R$ 600, a gente não sabe se vai continuar”, disse Neves.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Continue lendo

Mais Lidas da Semana