conecte-se conosco

Política Nacional

Fachin segue relator e vota contra atividades religiosas coletivas presenciais

Publicado


source
Edson Fachin, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF)
Reprodução/TV Justiça

Edson Fachin, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF)

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), acompanhou nesta quinta-feira (8) o ministro Gilmar Mendes, relator do caso, e votou contra a realização de práticas religiosas coletivas e presenciais em meio à pandemia da Covid-19. O placar provisório está em 3 a 1 para a proibição.

Em sua argumentação, Fachin disse que um decreto proibindo que cultos e missas sejam realizados “não impede a realização de atividades religiosas”. “Não se trata de uma proibição permanente e absoluta, tampouco se trata de estabelecer uma preferência”, afirmou o ministro.

“Não se trata de restrição somente a igrejas, mas a todos os locais de aglomeração. A proibição de presença se dedica a enfrentar a pandemia do novo coronavírus. Também foram afetados a realização de esportes, a presença de pessoas em espaços públicos”, completou Fachin.

O ministro também lembrou da situação da pandemia no Brasil e especificamente em São Paulo, estado que registra mais mortes pela Covid-19. “Inconstitucional não é o decreto, mas a omissão. É não promover meios para que as pessoas fiquem em casa e não ter vacinas”, disse.

Leia mais:  Bancada do PT cita crime de responsabilidade e pede condenação de dois ministros

publicidade

Política Nacional

Senador Alessandro Vieira pede para CPI da Covid investigar estados e municípios

Publicado


source
Senador Alessandro Vieira (Cidadania)
Reprodução

Senador Alessandro Vieira (Cidadania)

O senador Alessandro Vieira (Cidadania) pediu que a CPI da Covid investigue também estados e municípios. Neste sábado (10), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez o mesmo pedido , acusando a CPI de “perseguir” seu governo.

“Garantimos a abertura da CPI da Covid e agora apresentamos o pedido para ampliar o seu escopo, incluindo os atos praticados por governadores, prefeitos e outros agentes administrativos”, escreveu Alessandro Vieira, em sua conta no Twitter.

O senador, que não é da base aliada do governo, ainda disse que “é preciso apurar a verdade em todas as esferas” e que “quem não deve não teme”.

Leia mais:  SP: processo contra deputado acusado de assédio termina nesta quarta-feira
Continue lendo

Mais Lidas da Semana