conecte-se conosco

Economia

Lira quer a volta do financiamento privado junto com o Fundão para 2022; entenda

Publicado


source
Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara

Um grupo formado pelo presidente da Câmara dos Deputados , Arthur Lira, estuda a flexibilização do financiamento de campanha . Mesmo após deis anos da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) proibindo a doação por empresas , o Congresso estuda alguma possibilidade de viabilizar a medida, mantendo o fundo partidário , que em 2020 foi de R$ 2 bilhões

Segundo apuração do Estadão, uma proposta é discutida nos bastidores por deputados, e prevê que sejam estabelecidos tetos de R$ 500 mil a R$ 1 milhão por empresa, independentemente do porte da companhia. O valor poderia ser doado a um só candidato, ou ao partido. 

Lira pretende formar uma Comissão para analisar a proposta ainda hoje (4), para que a nova lei possa ser usufruída pelos candidatos às eleições de 2022. A deputada Renata Abreu (Podemos-SP) deve ser escolhida como relatora.

Para isso acontecer, todos os trâmites devem ser finalizados até outubro , para que o presidente Jair Bolsonaro sancionar a medida a tempo. 

Você viu?

A proposta também engloba a regra de destinar 30% do Fundo Eleitoral a mulheres, e a liberação de “showmícios”, com artistas divulgando o candidato, proibida pela justiça eleitoral desde 2006. 

“No atual momento, a decisão de instituir o financiamento eleitoral por empresas, com teto fixo, constitui uma decisão política, que cabe ao Congresso. Embora nem todo modelo de doação por pessoas jurídicas seja a priori inconstitucional, não tenho simpatia pela ideia”, disse ao Estadão o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso.

“O processo democrático deve ser um exercício de cidadania, e não de poder econômico. Sou a favor das doações por pessoas físicas, com teto. E sou a favor, também, de incentivos para que as pessoas físicas façam doações”, completou. 


publicidade

Economia

Brasil é o 2º país com maior mal-estar socioeconômico, aponta estudo

Publicado


source
Brasil é o 2º país com pior mal-estar econômico, segundo levantamento de pesquisador do Ibre-FGV
Divulgação

Brasil é o 2º país com pior mal-estar econômico, segundo levantamento de pesquisador do Ibre-FGV

Entre os 38 países-membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) , em que o Brasil é uma nação convidada, o país ocupa a 2ª posição no índice de mal-estar socioeconômico. Isto porque o desemprego recorde e a inflação alta impulsionaram esta colocação. O levantamneto foi feito pelo professor Daniel Duque , do Ibre-FGV (Instituto Brasileiro de Ecomia da Fundação Getúlio Vargas) , e foi publicado pelo O Globo

Segundo o estudo do pesquisador, no primeiro trimestre de 2021, a taxa de desconforto no Brasil chegou a 19,83%, ficando atrás da Turquia apenas, que registrou 26,27% no fim do quatro trimestre de 2020. Outros países vêm em seguida, como Espanha (16,09%), Colômbia (15,63%), Grécia (14,08%) e Chile (13,42%).

Este índice de mal-estar socioeconômico leva em conta duas situações: o mercado de trabalho e o nível de preços. O Brasil registrou uma taxa de desemprego de 14,7%, o que corresponde a 14,8 milhões de pessoas sem trabalho no último trimestre deste ano. Por outro lado, o Produto Interno Bruto (PIB) do país apresentou uma melhora, ficando em 1,2%.

“A economia está em situação aparente de melhora, mas a população está em mal-estar. A recuperação tem sido puxada por agropecuária e indústria, que empregam menos”, disse Duque ao jornal. 

Continue lendo

Mais Lidas da Semana