conecte-se conosco

Cidades

Mato Grosso registra 478.440 casos e 12.555 óbitos por Covid-19

Publicado


A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde desta quarta-feira (21.07), 478.440 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 12.555 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado.

Foram notificadas 1.629 novas confirmações de casos de coronavírus no Estado. Dos 478.440 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 10.853 estão em isolamento domiciliar e 453.515 estão recuperados.

Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 371 internações em UTIs públicas e 286 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 66,01% para UTIs adulto e em 33% para enfermarias adulto.

Dentre os dez municípios com maior número de casos de Covid-19 estão: Cuiabá (97.734), Rondonópolis (33.863), Várzea Grande (32.086), Sinop (23.121), Sorriso (16.730), Tangará da Serra (16.378), Lucas do Rio Verde (14.355), Primavera do Leste (12.425), Cáceres (10.433) e Barra do Garças (9.390).

A lista detalhada com todas as cidades que já registraram casos da Covid-19 em Mato Grosso pode ser acessada por meio do Painel Interativo da Covid-19, disponível neste link.

Leia mais:  AMM Comemora a sanção do Projeto de Lei 133 para que os municípios recebam recursos da Lei Kandir

O documento ainda aponta que um total de 371.701 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 609 amostras em análise laboratorial.

Cenário nacional

Na terça-feira (20.07), o Governo Federal confirmou o total de 19.419.437 casos da Covid-19 no Brasil e 544.180 óbitos oriundos da doença. No levantamento do dia anterior, o país tinha 19.391.845 casos da Covid-19 no Brasil e 542.756 óbitos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus.

Até o fechamento deste material, o Ministério da Saúde não divulgou os dados atualizados desta quarta-feira (21.07).

Recomendações

Já existem vacinas para prevenir a infecção pelo novo coronavírus, mas ainda é importante adotar algumas medidas de distanciamento e biossegurança.

Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca da Covid-19. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde.

O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo vírus. Entre as medidas estão:

Leia mais:  Municípios poderão acompanhar transações financeiras com cartões

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;

– Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;

– Evitar contato próximo com pessoas doentes;

– Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;

– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

Fonte: AMM

publicidade

Cidades

AMM orienta municípios sobre a instituição da previdência complementar

Publicado


Em documento encaminhado aos prefeitos esta semana, a Associação Mato-grossense dos Municípios orienta sobre a Emenda Constitucional nº 103, de 12 de novembro de 2019, que alterou o sistema de previdência social, estabelecendo novas regras para implantação e transição em todas as esferas administrativas.

A emenda estabelece  o dia 13 de novembro de 2021 como data limite máxima para implementação da previdência complementar municipal. A AMM orienta que para dar cumprimento a esta determinação da Emenda Constitucional, os prefeitos devem realizar estudos preliminares e, com a conclusão deste estudo, encaminhar projeto de lei do regime de previdência complementar municipal à Câmara de Vereadores.

Os parlamentares deverão realizar discussão, votação sobre a matéria que, em tempo oportuno, deve ser sancionada e publicada, bem como, por meio de processo seletivo, ser escolhida a entidade que será a gerenciadora da previdência complementar, devendo isso tudo ser efetivado até o dia 13 de novembro de 2021.

A não instituição do regime complementar de previdência acarretará aos municípios a impossibilidade de emitir Certificado de Regularização Previdenciária – CRP, documento que atesta que o ente segue normas de boa gestão, de forma a assegurar o pagamento dos benefícios previdenciários aos seus segurados e pensionistas, tendo ainda como consequência grave o fato de que o município ficará impedido de celebrar convênios, acordos, contratos, bem como receber empréstimos e financiamentos de órgãos ou entidades da administração direta e indireta da União e do Estado.

Acesse aqui o documento da AMM

Leia mais:  Fornecimento de oxigênio a cidades do interior pode colapsar, alerta ministério
Fonte: AMM

Continue lendo

Mais Lidas da Semana