conecte-se conosco

Saúde

Pesquisa constata reinfecções de covid-19 com sintomas mais fortes

Publicado


Um estudo coordenado pelo Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (CDTS/Fiocruz) constatou quatro casos de reinfecção por covid-19 em que os pacientes tiveram sintomas mais fortes da doença na segunda contaminação, apesar de os dois episódios terem sido considerados leves, sem hospitalização. Em ao menos um desses casos, a reinfecção foi provocada pela mesma variante do primeiro episódio. 

A pesquisa será publicada na forma de artigo científico na revista Emerging Infectious Disease (EID), do Centro de Controle e Prevenção de Doença dos Estados Unidos (CDC). Além da Fiocruz, participaram pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), do Instituto D’Or de Ensino e Pesquisa (Idor) e da empresa chinesa MGI Tech Co. Segundo o coordenador do estudo, o virologista do CDTS/Fiocruz Thiago Moreno, a constatação reforça que uma parcela da população que tem a doença na forma branda não desenvolve memória imunológica. 

“Demonstramos que um grupo de pessoas com sintomatologia leve para covid-19 teve um segundo episódio de covid um pouco mais forte, porque não foi capaz de gerar uma imunidade de memória depois do primeiro episódio. Assim como vários casos brandos de covid-19, esses indivíduos tiveram o controle dessa primeira infecção pela resposta imune inata, aquela que não forma uma memória consistente e de longo prazo”.

Os testes realizados mostraram que a defesa do organismo com base em anticorpos só foi formada nesses indivíduos após a segunda infecção. “Isso mostra também pra gente que uma parcela da população que teve a doença branda no primeiro episódio pode voltar a ter covid-19 depois de algum tempo, e não necessariamente ela será branda de novo”.

Leia mais:  Vacinas já distribuídas atendem cerca de 10% dos públicos prioritários

Moreno explica que a possibilidade de reinfecção com sintomas mais contundentes se dá independentemente de o indivíduo contrair a mesma variante do novo coronavírus ou uma nova. “A reinfecção pelo novo coronavírus é possível, e isso é algo similar com o que acontece com coronavírus sazonais humanos e até alguns coronavírus veterinários”, diz o pesquisador.

Os pesquisadores envolvidos no estudo acompanharam um grupo de 30 pessoas de março a dezembro de 2020 com testagens semanais. O objetivo do estudo não era investigar a reincidência da covid-19, e sim monitorar a segurança do grupo em seu local de trabalho. Diante das suspeitas de reinfecção constatadas, os cientistas se debruçaram sobre esses casos e comprovaram, por meio de sequenciamento, duas reinfecções. Nas outras duas, não havia material genético suficiente para o sequenciamento, mas os episódios da doença tiveram meses de intervalo com testes negativos. 

Thiago Moreno ressalta que o estudo não foi desenhado para ter representatividade estatística, o que significa que não é possível extrapolar a proporção de pessoas reinfectadas para toda a população. Além disso, ele acrescenta que, apesar de o estudo ter constatado sintomas mais contundentes no segundo episódio de covid-19 entre os quatro pesquisados, isso não permite interpretar um padrão para os casos de reinfecção.

Leia mais:  Campanha de vacinação contra gripe atinge 65% do público-alvo no Rio

As quatro pessoas que se reinfectaram com a doença não precisaram ser internadas em nenhum dos dois episódios e tiveram casos considerados brandos em ambos. Para o pesquisador, quanto mais brando for o quadro de covid-19, maiores são as chances de a memória imunológica não ser capaz de neutralizar o vírus em um segundo contato. 

Moreno recomenda que pessoas já infectadas mantenham os cuidados para a prevenção da covid-19 e explica que mesmo os exames laboratoriais comuns que permitem a detecção de anticorpos não são capazes de determinar se o corpo formou defesas neutralizantes. 

“O que esses testes, em geral, não medem é se essa memória vai servir para a gente só como um traço para saber se foi exposto ao vírus ou se é uma memória neutralizante, capaz de bloquear a infecção viral. Tem uma diferença de magnitude muito grande entre ter detecção de anticorpos e esses anticorpos de fato te protegerem contra a infecção”, explica ele, que acrescenta que não se surpreenderia se os casos de reinfecção relatados no estudo tivessem um terceiro episódio de covid-19. “Não agora por não ter feito essa memória, mas porque a sustentação dessa memória pode ser curta”.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

publicidade

Saúde

Estudo aponta maior incidência de Covid-19 entre professores do estado de SP

Publicado


source
Estudo aponta maior incidência de Covid-19 entre professores do estado de SP
Redação

Estudo aponta maior incidência de Covid-19 entre professores do estado de SP

Um levantamento realizado por pesquisadores da Rede Escola Pública e Universidade (Repu) indicou que a incidência de covid-19 entre professores das escolas estaduais de São Paulo no início deste ano foi maior do que a registrada na população em geral.

Os resultados mostraram que a incidência da doença entre os professores foi quase o triplo (2,92 vezes) da registrada na população de 25 a 59 anos do estado de São Paulo, que foi utilizada como base de comparação. Isso significa que os professores foram 192% mais infectados que a população em geral, naquela faixa etária.

Foram acompanhadas 554 escolas da rede estadual paulista e selecionadas para análise 299 que forneceram os dados sobre casos de covid-19 entre professores no período de 7 de fevereiro a 6 de março – correspondente a quatro semanas epidemiológicas.

O levantamento constatou ainda que, no período analisado, o crescimento da incidência de covid-19 entre os professores nas escolas monitoradas foi de 138%, ante 81% do registrado na população comparada. Os dados constam em nota técnica elaborada pelos professores Ana Paula Corti e Leonardo Crochik, do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), Débora Cristina Goulart, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), e Fernando Cássio e Salomão Ximenes, ambos da Universidade Federal do ABC (UFABC).

A Repu foi criada por um grupo de professores e pesquisadores de universidades públicas e do Instituto Federal do estado de São Paulo (Unicamp, UFSCar, UFABC, USP, Unifesp e IFSP) em fevereiro de 2016, motivados pelos acontecimentos envolvendo a proposta de reorganização da rede escolar estadual em 2015 e pelo movimento secundarista de ocupação das escolas.

De acordo com a rede, houve pedido ao governo estadual dos dados oficiais de infecção especificamente em professores e funcionários, inclusive via Lei de Acesso à Informação, mas o pedido não foi respondido.

Leia mais:  10 anos em 10 meses: como Oxford criou um novo modelo de vacina contra Covid-19

Com isso, o grupo utilizou dados coletados pelos docentes das subsedes da Apeoesp – sindicato dos professores da rede estadual – com a finalidade de acompanhar o quadro da pandemia nas escolas do estado após a retornos às atividades presenciais em 8 de fevereiro.

Diante dos resultados, o grupo de pesquisadores concluiu, no documento, que “a retomada das atividades escolares presenciais não pode ser considerada segura nas escolas da rede estadual, ao contrário do que anuncia o governo de São Paulo”.

Você viu?

A nota aponta ainda que houve “problemas metodológicos e conclusões infundadas” nas informações sobre a infecção nas escolas divulgadas pela Secretaria da Educação do estado no boletim epidemiológico.

Governo

Na semana passada, a secretaria divulgou boletim epidemiológico sobre as infecções por covid-19 na comunidade escolar como um todo – professores, funcionários e estudantes – entre 3 de janeiro e 6 de março (correspondente a nove semanas epidemiológicas) e concluiu que a incidência do vírus nas escolas, incluindo públicas e particulares, foi menor do que fora delas.

Tanto a Repu como o governo, calcularam o coeficiente de incidência da doença por 100 mil habitantes. “No período acumulado, desde a primeira até a nona semana epidemiológica, a taxa de incidência notificada pelas escolas públicas e privadas foi 33 vezes menor do que a do estado. Tal fato está em consonância com as evidências científicas que apontam que os números de contaminação relativos àqueles que frequentam o ambiente escolar são sempre inferiores aos da transmissão comunitária”, divulgou a secretaria no boletim.

Os pesquisadores do Repu contestam não apenas esse resultado mas outras declarações do boletim.Uma das críticas diz respeito à secretaria calcular a incidência de infectados com base no número total de matrículas nas escolas públicas e privadas, sendo que a população exposta – aquela que realmente frequentou as escolas – é substancialmente menor, o que torna os coeficientes de incidência divulgados no boletim “claramente subestimados”, conforme avalia a Repu.

Leia mais:  Ministério da Saúde assina contrato de compra de 54 mi de doses da CoronaVac

Em relação ao número 33 vezes menor de infecções na comunidade escolar, a nota técnica pontua que “se isso fosse verdade, concluiríamos que é a ida à escola – e não o isolamento doméstico – a forma mais segura de nos protegermos da covid-19”.

Além disso, a decisão de calcular uma única taxa de incidência para estudantes, professores e funcionários dilui os números das infecções dos servidores em meio ao de crianças e adolescentes, sendo estes menos propensos a desenvolver formas sintomáticas ou graves de covid-19, além de constituírem grande maioria (92,6%) da população escolar.

A Secretaria da Educação do estado (Secduc) informou, em nota, que investe na segurança dos professores na volta às aulas e, por isso, já foram vacinados mais de 209.036 profissionais da área desde sábado (10). A pasta confirmou que o cálculo da incidência de casos de covid-19 considera o número de casos positivos de estudantes e profissionais, dentre eles os professores.

“Não foi realizado um recorte específico para o público docente porque o monitoramento realizado pela Seduc, por meio do Simed [Sistema de Informação e Monitoramento da Educação para Covid-19], se dá sobre toda a comunidade escolar. O uso de dados gerais foi o número confiável a ser utilizado diante das incertezas, como metodologia possível”, informou a secretaria.

Segundo o governo do estado, um novo boletim epidemiológico será divulgado em breve sobre o acompanhamento dos casos da covid-19 em ambientes escolares. “Em cumprimento às orientações do Plano SP, o retorno às aulas se dá de forma gradual e reduzida, de acordo com a fase em que o estado se encontra, o que é definido pelas áreas de saúde competentes”, acrescentou a nota.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Mais Lidas da Semana