conecte-se conosco

Ministério Público MT

Pintor é denunciado por furto de cabos de energia em posto de saúde

Publicado


O Ministério Público de Mato Grosso, por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Comodoro (a 644km de Cuiabá), denunciou o pintor Rafael da Silva Gonçalves por furto de cabos de energia elétrica em residências e no posto de saúde localizado no bairro Cristo Rei, o que resultou na inutilização de vacinas da Covid-19 e outros insumos destinados à prevenção, socorro e salvamento. Conforme a denúncia protocolada na segunda-feira (3), os crimes de furto qualificado (por quatro vezes) e inutilização de material de salvamento foram cometidos em abril deste ano.

Segundo inquérito policial, Rafael Gonçalves foi preso em flagrante após cometer os crimes e confessou a autoria, acrescentando possuir outras passagens por furto de cabos. Na residência dele, foram encontrados cabos de cobre desencapados, sendo que alguns já estariam queimados para serem vendidos como sucata. Além de aproximadamente 100 quilos de cabos, foram apreendidos no local 22 disjuntores e um medidor de energia elétrica. Ao ser interrogado, o então investigado teria relatado que é natural de São Paulo, onde cometeu mais de 30 crimes de furto e foi preso três vezes.

Leia mais:  MPMT aciona empresas de transportes em Juína

Consta na denúncia que, na noite de 8 de abril deste ano, Rafael Gonçalves quebrou o muro, retirou o medidor de energia e cerca de três metros de cabo de cobre de um imóvel em construção, aproveitando-se do horário de pouca vigilância. Após subtrair o material, queimou e vendeu o quilo da fiação furtada por R$ 30. Na noite de 10 de abril, o denunciado utilizou uma escada de madeira para escalar o poste próximo ao Posto de Saúde Cristo Rei e cortar os cabos que ligavam o disjuntor do local à rede de energia. Na sequência, subtraiu os cabos de energia de um outro imóvel em construção.

Na noite seguinte, Rafael voltou ao Posto de Saúde, onde subtraiu as demais fiações do local. “Depreende-se que sua conduta na subtração dos cabos ocasionou a interrupção no fornecimento de energia ao Posto de Saúde Cristo Rei, que notoriamente era o local de armazenamento de vacinas, incluindo aquelas utilizadas para o combate à pandemia causada pelo vírus SARS-COV-2 Covid-19 (coronavírus), além de outros insumos destinados à prevenção, socorro e salvamento, que se tornaram inutilizáveis pela ausência de refrigeração necessária ao seu armazenamento com a queda de energia”, narrou o promotor de Justiça Marlon Pereira Rodrigues.

Leia mais:  Estado acata notificação do MP e destrói trator usado em desmatamento
Fonte:

publicidade

Ministério Público MT

Homem é condenado a 15 anos de prisão por matar travesti

Publicado


O Tribunal do Júri condenou Cléverson dos Santos, conhecido como “Zico”, a 15 anos, 7 meses e 14 dias de reclusão e dois anos de detenção por ter matado a golpes de chave de fenda Luiz Henrique Ferreira e vilipendiado o seu cadáver. Ele ainda foi condenado por tentativa de furto a uma igreja e a uma papelaria. Todos os crimes foram praticados na noite do dia primeiro de julho de 2017, no município de Sorriso (distante 394 km de Cuiabá). 

De acordo com a denúncia do Ministério Público, antes de cometer o assassinato o réu praticou crimes sucessivos, tendo começado com uma tentativa de furto na Paróquia Santa Luzia, no bairro Industrial. O furto só não aconteceu porque Cléverson não conseguiu quebrar a fechadura da porta. Diante da tentativa fracassada, o réu continuou a sua empreitada pelo mesmo bairro até chegar à Papelaria e Malharia Ágape. Ao tentar arrombar a porta do estabelecimento, a proprietária gritou pedindo ajuda aos vizinhos, fazendo com que ele fugisse do local.

Quase duas horas depois, às 23h45, no bairro Centro Sul, Cléverson encontrou a vítima Luiz Henrique, que era travesti, no estacionamento de um supermercado. Sem qualquer chance de defesa, Luiz Henrique foi atacado a golpes de chave de fenda pelas costas, por conta de motivação fútil relacionada a dívida de valor. Ao todo, conforme exame de necropsia, a vítima recebeu quatro golpes no pescoço, morrendo na hora. Após a vítima ser assassinada, Cléverson vilipendiou o cadáver ao introduzir em seu ânus um tubo plástico em formato cilíndrico. 

Leia mais:  Audiência Pública debate queimadas na próxima quinta-feira (24)

Na decisão, a magistrada afirma que o réu não poderá recorrer em liberdade da sentença, “eis que persistem os requisitos e fundamentos que ensejaram o decreto de sua prisão preventiva, agora ainda mais reforçados, eis que condenado pelo Tribunal do Júri”. 

Fonte: MP MT

Continue lendo

Mais Lidas da Semana