conecte-se conosco

Policia Federal

Polícia Federal e Força Aérea Brasileira interceptam aeronave carregada com 579 kg de cocaína em Rondônia

Publicado


Porto Velho/RO – A Polícia Federal e a Força Aérea Brasileira – FAB, atuando em conjunto, interceptaram e abordaram uma aeronave carregada com 579 kg de cocaína, na região de Porto Velho.

A FAB atuou por meio do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), com apoio do Núcleo de Operações Aéreas da Secretaria de Estado de Segurança Pública de Rondônia (NOA) e do Grupo Especial de Fronteira da Secretaria de Estado de Segurança Pública do Mato Grosso (GEFRON).

As investigações da PF apontaram para a realização do transporte clandestino da droga, o que viabilizou a atuação da FAB para interceptação da aeronave, através da utilização de caças com base na chamada Lei do Abate.

O piloto tentou evadir-se pousando em uma área de pasto, mas as forças de segurança conseguiram realizar a abordagem em solo, com a apreensão da aeronave e da droga, além da prisão de um indivíduo.

A ação faz parte de estratégia institucional de integração entre a PF e a FAB, além das polícias estaduais, que tem alcançado resultados expressivos para o enfrentamento do tráfico de drogas transnacional e proteção das fronteiras nacionais.

Leia mais:  Polícia Federal prende casal quando recebia CNH falsa

Em 2020, foram apreendidas, pela Polícia Federal, 12 aeronaves enquanto transportavam drogas, o que representa número 70% maior que no ano anterior. Em 2021, a PF já foram apreendeu três aeronaves, nas mesmas circunstâncias.

A ocorrência foi encaminhada à Superintendência Regional da Polícia Federal em Rondônia para os procedimentos legais; para a contagem e pesagem da droga.

Comunicação Social da PF

publicidade

Policia Federal

Polícia Federal deflagra Operação Erasure, visando combater organização criminosa que fraudou o concurso do TRE/SP de 2017

Publicado


São Paulo/SP- A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (23/6) a Operação ERASURE, com o objetivo de apurar a atuação de uma organização criminosa que teria fraudado o concurso do TER/SP de 2017.

As investigações apontaram que, desde ao menos o ano de 2005, o grupo criminoso atuou em diversos concursos pelo Brasil conseguindo, em várias oportunidades, aprovar, mediante fraude, dezenas de pessoas que pagaram pelo serviço fraudulento. Estipula-se que a ORCRIM tenha obtido mais de R$ 29 milhões com essas fraudes.

Na ação de hoje, em específico, além do objetivo de obter mais materialidade dos crimes perpetrados, houve comunicação ao presidente do TRE/SP sobre a decisão da Justiça Federal que determinou o afastamento cautelar de um servidor que tomou posse no referido tribunal já no ano de 2017. 

Cinco equipes policiais cumpriram mandados de buscas em desfavor de sete investigados. Uma busca foi feita em Cotia/SP (dois alvos), uma em Santos/SP (dois alvos), uma em Recife/PE (um alvo), e duas em pessoas jurídicas com endereços situados em Boa Vista/RR.

Leia mais:  Polícia Federal deflagra Operação Ponte Petro Jua para investigar crimes contra o funcionamento de serviços de utilidade pública

A investigação teve início no ano de 2017, por meio de informações advindas das Operações GABARITO, que investigou fraude no Concurso do Ministério Público do Rio Grande do Norte, em 2017, e PORTA DOS FUNDOS, que investigou fraude no concurso do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região, também em 2017. Essas operações conseguiram constatar o modus operandi (utilização de pontos e instrumentos de comunicação, professores para realizarem as questões, piloto para conseguir a prova e sair do local após o tempo mínimo, candidatos que pagavam para obter as vagas, etc.) da ORCRIM, sendo que um braço desta mesma ORCRIM atuou no concurso do TRE/SP de 2017.

Os investigados poderão responder pelos crimes previstos nos artigos 311-A, inciso I, parágrafos 2° e 3°, do Código Penal Brasileiro, artigo 288, caput, do Código Penal Brasil (associação criminosa) ou no art. 2º da Lei 12.850/2013 (organização criminosa), a depender da evolução das investigações.

A palavra ERASURE, em tradução livre, tem o significado de apagamento e foi utilizada para batizar esta operação policial já que um dos seus objetivos é apagar, retirar do setor público, pessoas que obtiveram êxito no concurso público do TRE/SP de 2017 mediante fraude.

Leia mais:  Polícia Federal deflagra operação de combate a fraudes no Auxílio Emergencial na Bahia

Comunicação Social da Superintendência da PF em São Paulo

Contato: (11) 3538-5013

 [email protected]

Continue lendo

Mais Lidas da Semana