conecte-se conosco

Política Nacional

Presidente da França dará mais alta honraria do país ao senador Randolfe

Publicado


source
Randolfe Rodrigues
Pedro França/Agência Senado

Randolfe Rodrigues

O governo da França anunciou na última quarta-feira, 21, que dará a comenda “Légion d’honneur”, a mais alta honraria nacional, para o senador brasileiro Randolfe Rodrigues (Rede-AP) . A medalha será entregue pelo presidente Emmanuel Macron .

Segundo o governo francês, Randolfe é um político muito ativo no combate à pandemia de Covid-19 e também é um defensor “fervoroso” do meio ambiente e do Acordo de Paris.

O senador é atualmente vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, que investiga a gestão da pandemia no país, e uma das vozes mais ativas contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Randolfe também chegou a receber uma carta da farmacêutica norte-americana Pfizer por ter sido um dos políticos que mais se movimentou para adequar a legislação e receber as vacinas antiCovid-19 produzidas pelo laboratório. Durante a CPI, foi descoberto que o governo federal ignorou mais de 100 e-mails da Pfizer para a venda dos imunizantes.

Leia mais:  Bolsonaro confirma que passará por nova cirurgia para corrigir hérnia

Em entrevista à colunista Mônica Bergamo, do jornal “Folha de S. Paulo”, o senador disse que a honraria é “muito mais” do que merece “e mais longe do que pensei chegar”. “A comenda não pertence a mim, mas sim às milhares de famílias brasileiras que tiveram um amor retirado de suas vidas pela pandemia de Covid-19”, acrescentou.

A “Legião da Honra” é entregue desde o início dos anos 1800 e, no Brasil, receberam a honraria o imperador Dom Pedro II, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o escritor Paulo Coelho.

publicidade

Política Nacional

Vídeos comprovam que Pazuello mentiu sobre a oferta das vacinas da OMS

Publicado


source
Ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello
Foto: Anderson Riedel/PR

Ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello

O governo Bolsonaro não comprou uma quantidade de vacinas do consórcio Covax Facility , em setembro de 2020, suficientes para imunizar metade da população brasileira, como foi oferecido, e resistiu a aderir a compra coordenada pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Em uma publicação exclusiva de Crusoé, foram divulgados vídeos de reuniões que mostram que o ministério da Saúde ignorou os alertas do Itamaraty, de que seria uma operação arriscada, e aderiu à iniciativa coordenada pela OMS em quantidade mínima, com a compra de doses para apenas 10% da população. 

Pazuello disse que não aceitou a oferta de 50% porque a negociação era “nebulosa”. O então ministro também mentiu sobre o preço inicial da vacina, que alegou ser de 40 dólares a dose .

No vídeo divulgado, a embaixadora do Brasil em Genebra, Maria Nazareth Farani Azevêdo, deixa claro que o valor inicial da dose era de 20 dólares e que, logo depois, foi reduzido para 10,55 dólares. “O preço da dose baixou bastante. De 20 foi para 12…entre 12 e 16… e agora está sendo apresentado para nós a 10 dólares e 55 centavos”, disse. 

Leia mais:  Temer diz que Brasil pode ‘colaborar para uma pacificação interna no Líbano’

Sete meses depois, o ministério da Saúde, sob o comando de Pazuello, negociava a Covaxin por 15 dólares.

A embaixadora também alerta, em um dos vídeos, sobre a repercussão política de não aderir ao consórcio. Fábio Marzano, secretário de Soberania e Cidadania do Itamaraty, braço direito do então chanceler Ernesto Araújo , chega a falar que o país viveria “um inferno” pela falta de vacinas se não aderisse à proposta. “Acho muito difícil não termos ao menos uma vacina premiada”, emendou Nazareth.

O Brasil foi um dos últimos a ingressar no Covax, optando pela quantidade mínima de vacinas oferecias. Foi necessário pedir, inclusive, uma extensão da data de assinatura do contrato, pela demora do Governo Bolsonaro.

– Com informações de Crusoé.

Continue lendo

Mais Lidas da Semana