conecte-se conosco

Política Nacional

Relator pede suspensão do mandato de Daniel Silveira por seis meses

Publicado


O relator da representação no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados contra o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), deputado Fernando Rodolfo (PL-PE), pediu hoje (9) a suspensão do mandato do deputado por seis meses. Silveira responde a processo por quebra de decoro parlamentar no episódio do vídeo publicado pelo parlamentar com críticas ao Supremo Tribunal Federal (STF) e de apologia ao Ato Institucional (AI-5), instrumento de repressão mais duro da ditadura militar, que fechou o Congresso Nacional e cassou mandatos de juízes e parlamentares. A pedido do relator, o presidente do colegiado, Paulo Azi (DEM-BA), concedeu um pedido de vista coletiva por 48 horas.

O processo contra Daniel Silveira tem por base sete representações diferentes de autoria dos partidos PSOL, PT, PDT, PCdoB, PSB, Rede e Podemos, juntados em uma única representação.

Em seu parecer, o relator disse que o princípio da imunidade parlamentar não possui caráter absoluto. Segundo o deputado, a imunidade parlamentar não deve ser utilizada em benefício próprio ou para “causar dano a outrem, mas, sim, em proveito da população”.

“A imunidade material não autoriza o parlamentar a proferir palavras a respeito de qualquer coisa e de qualquer um, tampouco a prática atos em dissonância com a dignidade deste parlamento. As prerrogativas conferidas pela Constituição Federal aos congressistas não podem ser utilizadas em benefício próprio”, disse.

Leia mais:  Calheiros sobre paralisação da CPI no recesso: "Tem que continuar investigando"

As ameaças feitas por Daniel Silveira motivaram sua prisão em flagrante, no dia 16 de fevereiro, após a divulgação do vídeo, por determinação do ministro do STF Alexandre de Moraes.

A decisão foi confirmada tanto pelo pelo plenário do Supremo quanto pelo plenário da Câmara dos Deputados.

Posteriormente, o ministro Alexandre de Moraes determinou que Daniel Silveira cumprisse a prisão em regime domiciliar, com o uso de tornozeleira eletrônica, e autorizou o deputado a retomar o mandato de deputado, autorizando que participe remotamente, na própria residência, das sessões da Câmara.

Na sequência, a Suprema Corte decidiu, por unanimidade, aceitar a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o deputado pela prática de agressões verbais e ameaça a ministros da Corte. O parlamentar passou à condição de réu e responde a um processo criminal.

Durante a instrução do processo, Daniel Silveira se defendeu afirmando que as acusações seriam uma “caça às bruxas”. Hoje, o deputado disse que só se manifestará no momento de discussão e deliberação da matéria.

A deputada Fernanda Melchiona (PSOL-RS) manifestou discordância da decisão do relator de aplicar a pena de suspensão do mandato, e anunciou que o partido vai protocolar um voto em separado pedindo que a pena aplicada a Daniel Silveira seja a cassação do mandato.

Leia mais:  Imagens mostram 'gabinete paralelo' orientando Bolsonaro contra vacinas; confira

“O vídeo que ele fez contra o Supremo e os ministros, por si, justifica a cassação de mandato”, disse a deputada. “Uma punição mínima acaba sendo um salvo-conduto para esse tipo de gente e Daniel Silveira precisa ser cassado”, reiterou.

Outro processo

Além do processo por falta de decoro parlamentar, Daniel Silveira responde a outra representação no Conselho de Ética por atos praticados durante a disputa pela liderança do PSL, em 2019. Na ocasião, o deputado gravou uma reunião sigilosa do partido no interior da Câmara dos Deputados.

A representação foi apresentada pelo próprio PSL. O partido argumentou que Daniel Silveira agiu de maneira premeditada e quebrou o decoro parlamentar ao “ardilosamente, premeditadamente, com fins políticos, manipular debate público, gravando reunião sigilosa de seu partido, dentro da Câmara dos Deputados, e liberar gravação à mídia nacional, ridicularizando esta Casa e os parlamentares de que dela participam”.

Edição: Fernando Fraga

publicidade

Política Nacional

Provável candidato ao Senado, Hang faz enquete para escolher seu nome nas urnas

Publicado


source
Empresário bolsonarista Luciano Hang
Reprodução: ACidade ON

Empresário bolsonarista Luciano Hang

O empresário bolsonarista Luciano Hang publicou uma enquete nas redes sociais para escolher qual nome colocará nas urnas caso concorra ao Senado pelo estado de Santa Catarina em 2022.  Ele sugeriu nomes como Veio da Havan, Loro José, Capitão Brasil e outros.

Filho do presidente da República, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) participou da enquete e sugeriu que o proprietário da Havan use o nome Patrick Stewart do Brasil — em referência a um ator britânico, que também é careca.

O empresário ainda não se decidiu se concorrerá a algum cargo nas próximas eleições. Em outra publicação, Hang questiona se deve se candidatar ou continuar sendo ativista político. O  empresário Carlos Wizard respondeu mostrando apoio.

“Você tem o meu voto amigo. O Brasil precisa de você”, comentou o empresário, um dos alvos da CPI por envolvimento no chamado  gabinete paralelo do Ministério da Saúde.

Leia mais:  FHC e Rodrigo Maia buscam união para vencer Bolsonaro em 2022

Continue lendo

Mais Lidas da Semana