conecte-se conosco

Saúde

Saúde avalia assinar contrato com empresa investigada pela CPI da Covid

Publicado


source
Marcelo Queiroga, ministro da Saúde, pondera sobre assinatura de novo contrato com empresa investigada pela CPI
Divulgação/Ministério da Saúde

Marcelo Queiroga, ministro da Saúde, pondera sobre assinatura de novo contrato com empresa investigada pela CPI

O Ministério da Saúde avalia realizar uma compra de preservativos femininos, no valor de R$ 15,7 milhões, com uma empresa investigada pela CPI da Covid. Trata-se da Precisa Medicamentos, suspeita de praticar irregularidades nas negociações envolvendo a vacina indiana Covaxin, um imunizante contra o novo coronavírus. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Caso a pasta federal opte por realizar a compra, será a segunda etapa de um acordo entre as partes. Isso porque, em 2020, o Ministério já havia realizado a compra de 10 milhões de preservativos.

Com atraso, a entrega foi realizada pela empresa. A Saúde informou que a demora não comprometeu o abastecimento entregue ao SUS.

Esta nova compra encontrava-se encaminhada, mas parou de tramitar em decorrência das investigações da comissão parlamentar de inquérito sobre supostas irregularidades da empresa.


Mesmo com o parecer favorável do setor técnico do Ministério, a cupula do governo Jair Bolsonaro avalia se ‘vale a pena’ o desgaste de firmar um novo contrato com uma empresa investigada e sob os holofotes dos senadores.

Fonte: IG SAÚDE

publicidade

Saúde

Anvisa é aceita em programa internacional de inspeções

Publicado


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou nesta terça-feira (21) que foi aceita no Programa Internacional de Racionalização de Inspeções de Boas Práticas de Fabricação (BPF) de Insumos Farmacêuticos Ativos (IFAs). Com isso, o Brasil passa a integrar um grupo formado por diversos países que atuam de forma articulada para a realização de inspeções e o compartilhamento de informações.

A comunicação oficial da conclusão do processo de adesão da Anvisa ao API Cluster (nome do programa) foi feita pela Agência Europeia de Medicamentos (European Medicines Agency – EMA), na sexta-feira (17).  

Segundo a agência reguladora, o reconhecimento como participante ativa fortalece a cooperação já existente entre as agências, contribuindo para o aprimoramento e a racionalização internacional das inspeções de boas práticas de fabricação de insumos farmacêuticos ativos.  

Como membro efetivo do API Cluster, será possível maior troca de informação entre os órgãos reguladores, com consequente melhora na capacidade de inspeção dos participantes, permitindo que mais locais sejam monitorados e reduzindo a duplicidade de ações. 

Leia mais:  Rio distribui mais 131 mil doses de vacina contra covid a municípios

Além do Brasil, as autoridades membros participantes são as seguintes: 

– França (Agence Nationale de Sécurité du Médicament et des Produits de Santé – ANSM) 

– Dinamarca (The Danish Medicines Agency – DKMA)

– Irlanda (Health Products Regulatory Authority – HPRA)

– Itália (Agenzia Italiana del Farmaco – AIFA)

– Reino Unido (Medicines & Healthcare Products Regulatory Agency – MHRA)

– The European Directorate of the Quality of Medicines and Healthcare - EDQM

– Estados Unidos (Food and Drug Administration – FDA)

– Australia (Therapeutic Goods Administration – TGA)

– Canadá (Health Canada)

– Japão (Pharmaceuticals and Medical Devices Agency – PMDA)

– Organização Mundial da Saúde (OMS)

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

Mais Lidas da Semana