conecte-se conosco

Jurídico

Sistema de Conciliação da Justiça Federal da 4ª Região é reconhecido como instituição formadora de mediadores judiciais

Publicado


O Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos e Sistema de Conciliação da 4ª Região (Nupemec/Sistcon) foi reconhecido pela Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam) como um instituição formadora de mediadores judiciais. A Portaria de Reconhecimento foi expedida no dia 27/5. Dessa forma, o Nupemec/Sistcon torna-se uma instituição formadora de mediadores por tempo permanente, abrangendo a jurisdição do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

“O Sistcon já fazia a formação de conciliadores em conjunto com a Escola da Magistratura da 4ª Região (Emagis/TRF4) e com os núcleos da primeira instância, porém não de mediadores”, explicou a desembargadora federal Taís Schilling Ferraz, coordenadora-geral do Sistcon. A diretora do Sistcon, Rossana Brose, afirmou que também foram realizados diversos cursos para formação de conciliadores em parceria com o Núcleo de Capacitação do TRF4, desde 2009.

As principais diferenças entre conciliadores e mediadores são que estes necessitam de curso superior, independente da área, e, após formados, dirigem seu trabalho para além do problema que está aparente no processo. Ferraz aponta, então, que a mediação “previne novas ações judiciais”.

Leia mais:  Pesquisa para a definição de metas estratégicas para 2022 da Justiça Federal é prorrogada até 23 de julho

Com a autonomia de elaborar e oferecer o curso de formação de mediadores, há também a possibilidade de se realizar o curso em formato totalmente on-line e à distância. Assim, diferentemente da versão presencial, o curso à distância precisa seguir o modelo estabelecido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

A previsão do Núcleo é de já oferecer o curso no segundo semestre deste ano.

Fonte: TRF4

publicidade

Jurídico

TSE no TikTok ultrapassa a marca de 30 mil seguidores e 340 mil curtidas

Publicado


“O Brasil terá a cara de quem comparecer para votar, e o seu voto tem poder. Ajude a fazer um país melhor e maior!” Com essa mensagem o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), inaugurou o perfil do Tribunal no TikTok no dia 3 de outubro de 2020. De lá para cá, nesses quase 10 meses, mais de 33 mil seguidores atenderam ao convite e passaram a seguir o Tribunal nessa nova rede social.

Veja o vídeo no canal do TSE no YouTube.

Os mais de 180 vídeos que o TSE já publicou não são muito diferentes do que normalmente se vê na plataforma: lá também tem as famosas dancinhas, dublagens, paródias e desafios (os chamados challenges). Mas isso tudo é usado como ferramenta para levar informação e conscientização ao público mais jovem, sempre de forma bem-humorada e descontraída.

A repercussão tem sido ótima. Para se ter uma ideia, o vídeo com informações sobre os protocolos sanitários para as Eleições Municipais de 2020 alcançou mais de 1 milhão e 200 mil visualizações. No total, a página junta mais de 341 mil curtidas. O sucesso do TSE no TikTok recentemente chamou a atenção da mídia especializada, sobretudo por causa do seu uso contra a campanha de desinformação a respeito do voto eletrônico no Brasil.

Leia mais:  Pesquisa para a definição de metas estratégicas para 2022 da Justiça Federal é prorrogada até 23 de julho

Inclusive, o TSE e o TikTok firmaram uma parceria para combater a disseminação da desinformação na campanha eleitoral do ano passado.

Quem cria, produz, filma e estrela os vídeos são os próprios profissionais da Secretaria de Comunicação do Tribunal, que se dividem entre o discurso sério e institucional do conteúdo produzido para a TV Justiça e a descontração do TikTok.

Quem faz os vídeos?

Protagonistas da maioria dos vídeos, os jornalistas pernambucanos Guilherme Glória, 32 anos, e Renatta Gorga, 29, são alguns dos profissionais que encaram juntos o desafio de se comunicarem numa plataforma bem diferente da que eles já estavam acostumados, a televisão.

“Para mim é desafiador, mas também é motivante”, diz Guilherme. “Estamos desbravando uma região em que não era comum temos um órgão sério como um Tribunal”, avalia. Renatta concorda: “Para mim, foi um desafio. Afinal, a responsabilidade era grande: começamos o TikTok do zero. Precisávamos encontrar um formato que desse certo. Aos poucos, entendemos que os vídeos capazes de unir informação e criatividade são o segredo”.

Leia mais:  TRF4 mantém condenação de ex-coordenador da Funai que recebeu dinheiro para permitir arrendamentos ilegais na Reserva Indígena Ivaí (PR)

Eles contam que a bagagem que trazem das suas vivências nas redes sociais é a principal ajuda que têm para criar os vídeos, que eles mesmos filmam e editam em seus smartphones.

Falar em nome do Tribunal é uma grande responsabilidade, que faz com que Guilherme cuide ainda mais da forma da mensagem que está transmitindo. “Muitas pessoas brincam no TikTok sem a responsabilidade que temos. Tentamos passar conhecimento de uma forma divertida, sempre colocando na balança o quanto do nosso conteúdo está sendo informativo”, conta. “Se queremos atingir todas as faixas etárias, desde as mais maduras às mais jovens, precisamos conciliar a formalidade com a linguagem descontraída e criativa”, conclui Renatta.

Para encontrar o perfil do TSE no TikTok, basta procurar por @tsejus no campo de busca da plataforma. Novos vídeos vão ao ar, no mínimo, três vezes por semana.

RG/LG

Fonte: TSE

Continue lendo

Mais Lidas da Semana